Arquivo de Março, 2011

O Massacre de Chios, de Delacroix

A luta grega pela libertação do domínio turco excitou a imaginação dos liberais intelectuais neo-helenísticos europeus.
Eugène Delacroix (1798-1863) escolheu o terrível massacre de Chios, segundo se crê ocorrido a 31 de Março de 1822, quando 20.000 habitantes das ilhas gregas foram assassinados, como forma de chamar a atenção.

Eugène Delacroix - Massacre de Chios, 1824

Delacroix estruturou o plano de pintura em três pirâmides humanas de mortos e moribundos gregos, banhados em luz e côr harmoniosas, tendo-lhe posteriormente acrescentado um brilho difuso.

Eugène Delacroix - Massacre de Chios, 1824 (detalhe)

 

Anúncios

Um século de cubismo analítico

Fase temprana del cubismo practicada tanto por Braque como por Picasso entre 1908 y 1911 aproximadamente, caracterizada por el análisis estructural de las formas.

Pablo Picasso - Accordionist, 1911

Analizadas en estructuras preferentemente geométricas, las formas no son para ellos una característica definida y fija de un objeto, sino una serie de planos que indican los límites exteriores e interiores de éste; límites que en ningún caso son absolutos debido a que siempre se ven afectados por sus relaciones con otras formas. Contrariamente a lo que se puede pensar, lo geométrico no aporta solidez ya que la apertura de las masas produce cierto efecto de dispersión de estos volúmenes a través del espacio representado, cuya escasa profundidad se articula mediante planos en facetas formando ángulos contiguos y superpuestos. Durante este periodo ambos artistas utilizan un color extremadamente apagado y es constante la visualización de un mismo objeto desde diferentes puntos de vista. Via.

Pablo-Picasso - "Ma Jolie" (Woman with a Zither or Guitar), 1911

As Quatro Estações de Cy Twombly


Podcast de Patricia Smithen, Conservadora da Tate Modern.
Em cada estação de
Cy Twombly (in retrospectiva de 2008), as cores mostram a mudança de luz e temperatura. Começamos pela Primavera, a estação da energia e da esperança renovadas.

Música, levai-me!

Música, levai-me:

Onde estão as barcas?
Onde são as ilhas?

‎[Eugénio de Andrade]

Antonio de Cabezón

O compositor e organista espanhol nasceu há quinhentos anos, numa pequena povoação perto de Burgos. Cego desde a infância, Antonio de Cabezón entrou em 1526 ao serviço da Família Real Espanhola como organista, pela mão da Rainha D. Isabel I de Portugal, filha de D. Manuel I e mulher de Carlos I de Espanha, com quem havia casado no ano anterior.
Foi, a par de Manuel Cardoso (1566-1650), insigne representante da polifonia portuguesa, um dos compositores ibéricos mais influentes do seu tempo. Morreu neste dia 26 de Março, em 1566.

“D. Carlos I, fotógrafo amador”

A exposição “D. Carlos I, fotógrafo amador” patente na Torre do Tombo até Julho, integra 46 fotografias, a maioria assinadas e legendadas pelo próprio monarca, mas também fotografias tiradas pela Rainha, sua mulher, D.ª Amélia, e os filhos, o Príncipe Real D. Luís Filipe e o Infante D. Manuel (futuro D. Manuel II, último a ocupar o trono português).
A exposição das imagens esteve patente, recorde-se, o Verão passado no Paço Ducal dos Bragança, em Vila Viçosa e pertencem à Fundação da Casa de Bragança. Podemos ver as campanhas oceanográficas do soberano, touradas de canastra, regatas em Paço de Arcos, a armação do atum no Algarve, e membros da Família Real, assim como os banhos em Cascais e o iate Amélia. D. Carlos herdou dos pais, D. Luís e D.ª Maria Pia o gosto pelas inovações num século onde tudo era novo em termos de mecanismos. Curioso, observador, o Rei integrava-se no devir social do seu tempo e seguia todas as inovações.
Em Lisboa a exposição é enriquecida com a exibição do documentário “D. Carlos, Oceanógrafo” (1997), de Jorge Marecos Duarte e Sérgio Tréfaut, com narração, Luís Miguel Cintra, que utiliza fotografias tiradas por Sua Majestade.
Outra mais valia desta mostra é a área documental em que será mostrado pela primeira vez ao público o pergaminho de 60X80 cm relativo ao auto de juramento da Constituição Portuguesa da época por D. Carlos, e assinado nas Cortes (Parlamento) por todos os dignitários.
Os visitantes poderão ver ainda a certidão de nascimento de D. Carlos e o contrato de casamento celebrado com a Princesa Amélia de Orleans.
Uma mostra que, segundo nota da Torre do Tombo pretende “estabelecer uma ponte entre a arte fotográfica praticada pelo soberano e o testemunho da sua própria vida e do seu tempo”. Via http://hardmusica.pt/


Artur Agostinho (1920-2011)

Quando era miúdo, tinha sempre dificuldade em identificar quem era Joaquim Agostinho e Artur Agostinho. Sabia simplesmente que pertenciam ambos à Família Sportinguista! 🙂

Um dia, subi o Elevador da Bica sentado ao lado do senhor Artur. Finalmente percebi! Pela idade que aparentava, só podia ser o senhor Artur. Que Parvo Que Eu Sou! 🙂

Anúncios
%d bloggers like this: