Archive for the ‘ Perscrutando o Infinito… ’ Category

Hierofania Solar

Desde a Idade do Bronze que existia no norte da Europa o mito proto-histórico do Cavalo do Sol, o carro solar de Trundholme.
Descoberto em 1902 no Pântano de Trundholm na Dinamarca, este protótipo do carro profano, datado por volta de 1400 antes de Cristo, simboliza o movimento diário do Sol, conduzido por cavalos divinos.
Em dia de Solstício de Verão, o Trundholm Sun Chariot é um exemplo da consequência das descobertas empíricas do homem na sua relação com o Cosmos.

Trundholm Sun Chariot, Museu Nacional da Dinamarca

Anúncios

‘Apollo: Atmospheres & Soundtracks’ de Brian Eno

Para assinalar o 50º aniversário da Missão Apollo 11, será reeditado no verão de 2019 o álbum Apollo: Atmospheres & Soundtracks de Brian Eno [n. 15 Mai 1948].
Originalmente produzido para o documentário For All Mankind de Al Reinert, terá uma edição especial com som remasterizado e novo material, do qual já se conhece “Like I Was a Spectator”.

We have seen the unseeable!

“We have gone right to the edge of the event horizon, and seen the point of no return,”
Avery Broderick, EHT researcher

 

The EHT – an interconnected network of eight telescopes around the world — is the highest-resolution instrument in the history of astronomy, which was needed to capture the image of the black hole 55 million light years away.

“Natal”, de Miguel Torga

“Natal”, de Miguel Torga
“Adoração dos magos” (painel da esquerda – detalhe), de Hieronymus Bosch

Um anjo imaginado,
Um anjo diabético, atual,
Ergueu a mão e disse: — É noite de Natal,
Paz à imaginação!
E todo o ritual
Que antecede o milagre habitual
Perdeu a exaltação.

Em vez de excelsos hinos de confiança
No mistério divino,
E de mirra, e de incenso e ouro
Derramados
No presépio vazio,
Duas perguntas brancas, regeladas
Como a neve que cai,
E breve como o vento
Que entra por uma fresta, quizilento,
Redemoinha e sai:

A volta da lareira
Quantas almas se aquecem
Fraternalmente?
Quantas desejam que o Menino venha
Ouvir humanamente
O lancinante crepitar da lenha?

Natal

Um anjo imaginado, 
Um anjo diabético, atual, 
Ergueu a mão e disse: — É noite de Natal, 
Paz à imaginação! 
E todo o ritual 
Que antecede o milagre habitual 
Perdeu a exaltação. 

Em vez de excelsos hinos de confiança 
No mistério divino, 
E de mirra, e de incenso e ouro 
Derramados 
No presépio vazio, 
Duas perguntas brancas, regeladas 
Como a neve que cai, 
E breve como o vento 
Que entra por uma fresta, quizilento, 
Redemoinha e sai: 

A volta da lareira 
Quantas almas se aquecem 
Fraternalmente? 
Quantas desejam que o Menino venha 
Ouvir humanamente 
O lancinante crepitar da lenha? 

“Natal”, de Miguel Torga
“Adoração dos magos” (painel da esquerda – detalhe), de Hieronymus Bosch

In Memoraim – Antoine Sibertin-Blanc [1930-2012]

Concerto em memória de Antoine Sibertin-Blanc
Igreja de São Luís dos Franceses | Sexta-feira, 22 de Novembro de 2013 – 21h00
Órgão – Rute Martins
Canto Gregoriano – Capela Gregoriana Laus Deo
Polifonia – Agrupamento Vocal Sacra Musica

Professor Antoine Sibertin-Blanc

“Amália por Júlio Resende”

“No final, isto é um disco de música e espero que vá ter ao lugar que lhe pertence, que é o do coração, não o do intelecto.” —  Júlio Resende.

Este delicioso ‘negrume’ é desde já um dos acontecimentos musicais de 2013!

Anúncios
%d bloggers like this: