Archive for the ‘ Exposições ’ Category

‘Notre-Dame-de-la-Garde (La Bonne-Mère), Marseilles’, de Paul Signac

Paul Signac [11 Novembro 1863 – 15 Agosto 1935]
Notre-Dame-de-la-Garde (La Bonne-Mère), Marseilles, 1905–6


Notre-Dame-de-la-Garde (La Bonne-Mère), Marseilles 1905–6
Metropolitan Museum of Art New York Collection
On view at The Met Fifth Avenue in Gallery 825

‘Les Baigneuses’, de Pablo Picasso

No dia do centésimo trigésimo nono aniversário do nascimento de Pablo Picasso [25 Outubro 1881 – 8 Abril 1973], a obra ‘Les Baigneuses’, produzida no Verão de 1918 em Biarritz, durante a de lua-de-mel com Olga Khokhlova, bailarina russa e uma das musas do artista.

Relacionado – «Picasso. Baigneuses et baigneurs», Exposição no Museu de Belas-Artes de Lyon, até 3 Janeiro 2021


Pablo Picasso[1881-1973] – Les Baigneuses, Biarritz, été 1918
Musée Picasso – Paris

300 anos do nascimento de Giovanni Battista Piranesi

Giovanni Battista Piranesi [Veneza, 4 Outubro 1720 – Roma, 9 Novembro 1778], um dos maiores expoentes da Gravura europeia de quem se assinala, precisamente hoje, o terceiro centenário do nascimento, foi arquitecto, teórico, arqueólogo, restaurador de peças antigas e proprietário de uma importante oficina de arte em Roma.

Da sua extensa produção como gravador, suscitam o maior entusiasmo as espectaculares Vedute di Roma, bem como o conjunto Carceri d’invenzione ou ‘Prisões Imaginárias’ (1.ª ed. 1749-50; 2.ª ed. 1761), extraordinária produção de 16 gravuras a água-forte.
A sua abordagem da Antiguidade Clássica, cuja influência perdura até hoje, tem um excelente exemplo em Metropolis de Fritz Lang.


Exposição Piranesi em Milão  – 1 Outubro a 14 Novembro 2020 na Biblioteca Braidense.


«A Torre Redonda», de Carceri d’invenzione (Prisões Imaginárias) – ca. 1749–50

‘La botella de anís’, de Juan Gris

Juan Gris [23 Mar 1887 – 11 Mai 1927]

Juan Gris [1887-1927] – «La bouteille d’anis (La botella de anís), 1914
Museo Reina Sofía, Madrid


En La bouteille d’anis (La botella de anís), Juan Gris rinde homenaje a los líderes del movimiento cubista, Picasso y Braque, e incluso a sí mismo como partícipe de los hallazgos surgidos en el seno de esta corriente. Así, en el motivo que da nombre a esta composición (una botella de este particular tipo de bebida espirituosa) aparecen los nombres de tres localidades ligadas por una u otra razón a los tres grandes cubistas (Picasso, Braque y el propio Gris): Badalona, cercana a Barcelona, París y Madrid. Cerca de los nombres de las tres ciudades se lee la palabra «premio» inscrita en sendos medallones de la etiqueta de la botella, término que Gris asocia con los triunfos de los creadores del movimiento, identificados, a su vez, con las tres localidades de referencia.
De otro lado, el tema en sí, la botella de anís, con su múltiple y facetada superficie, había sido representado frecuentemente por los pintores españoles del cambio de siglo, como Ramón Casas, que en 1898 había realizado un cartel de la conocida marca de Anís del Mono, o Picasso, que la incluyó en 1909 en una de sus composiciones cubistas de Horta. Incluso el mexicano Diego Rivera, en su etapa parisina, llegó a utilizar este mismo motivo en diversas ocasiones.
Paloma Esteban Leal, Museo Reina Sofía

 

‘Human Proportion’, by Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci [15 April 1452 – 2 May 1519]
Text adapted from Leonardo da Vinci: A life in drawing, London, 2018


A nude man standing, facing the spectator, with arms outstretched. Another is kneeling beside him, to his right, so that his head just fits under the standing man’s arm; to the left of the main figure is a third man, seated, measured for proportion; with notes on human proportion on the left side of the sheet.


A four line note on human proportion c.1490


The system of human proportions in the central drawing on this sheet follows that set out in the treatise On Architecture by the Roman architect Vitruvius (first century bc). Accordingly, the height of the man is equal to the span of his outstretched arms; a quarter of his height is the cubit, marked off horizontally at the knees, pubis and between the armpits, and vertically at the elbows and down the centre of the chest. The same proportions are seen in Leonardo’s most famous drawing, the ‘Vitruvian man’ standing with arms outstretched in a square and circle (Venice, Accademia). The notes explain the two subsidiary diagrams: ‘if a man kneels he will diminish by a quarter part of his height’, and ‘the umbilicus is [then] the middle of his height’; and ‘the middle of a man who sits […] is below the breast and below the shoulder’. Via.

‘O Casamento da Virgem’, de Rafael

No dia em que passam 500 anos da morte de Rafael, a par de Leonardo da Vinci e de Miguel Ângelo, um dos grandes mestres do Renascimento, escolho o retábulo que o genial artista executou em 1504, Lo Sposalizio della Vergine – O Casamento da Virgem.
A encomenda da Família Albizzini para a igreja de San Francesco em Città di Castello, pertence actualmente à Pinacoteca di Brera, em Milão.


‘Raffaello 1520-1483’

Para assinalar os 500 anos da morte de Rafael, foi organizada uma grandiosa exposição na Scuderie del Quirinale, em Roma. Uma vez que se encontra suspensa, no canal do YouTube da Gallerie degli Uffizi está disponível a visita guiada possível. Meno male
#Raffaello500

‘Passeio à Beira-Mar’, de Joaquín Sorolla

O pintor valenciano Joaquín Sorolla y Bastida [27 Fevereiro 1863 – 10 Agosto 1923], considerado um mestre da luz intensa, teve dedicada à sua obra uma grande exposição antológica no Museu do Prado em 2009. Entre Outubro 2012 e Janeiro 2013 esteve representado na Exposição “As Idades do Mar” na Gulbenkian com a obra Figura de Branco. Mais recentemente, entre Outubro 2018 e Março 2019, o Museu Nacional de Arte Antiga organizou, em parceria com o Museu Sorolla, a Exposição Terra Adentro.


“Paseo a la orillas del mar”, 1909 – Museo Sorolla | Zoom na Google Arts & Culture.


 

‘Parnassus’, de Nicolas Poussin

Na passagem do 354º aniversário da morte de Nicolas Poussin [Jun 1594 – 19 Nov 1665], genial artista do barroco francês no século XVII, a representação de Parnassus, em exibição no Museu do Prado, que neste dia celebra o bicentenário da abertura.

El Parnaso, 1630 – 1631. Óleo sobre lienzo, 145 x 197 cm.
Sala 003 del Museo Nacional de Prado, Madrid


Representación del Parnaso, monte mitológico consagrado a Apolo y las Musas. Es una celebración de las Artes, especialmente de la Poesía. Apolo ofrece el néctar de los dioses a un poeta, probablemente Homero, coronado de laurel por Calíope, la musa de la poesía épica. En primer plano dos amorcillos ofrecen a los poetas el agua inspiradora que mana de la Fuente Castalia, personificada por la mujer desnuda. Inspirado en el fresco de Rafael en el Vaticano, es quizás un homenaje al poeta italiano Giovanni Battista Marino (1569 1625), mecenas de Poussin. Se conserva un dibujo preparatorio de esta obra en la colección G. Wildenstein y un grabado realizado por Jean Dughet antes de 1667. Via Museu do Prado.

 

‘O Canal da Giudecca e a Igreja de Santa Marta’, de Francesco Guardi

Adquirida por Calouste Gulbenkian em 1920, esta obra do pintor veneziano Francesco Guardi [5 Out 1712 – 1 Jan 1793] pertence à colecção permanente do Museu.

O Canal da Giudecca e a Igreja de Santa Marta
Francesco Guardi [1712-1793]
Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa

Francesco Guardi representa nesta composição, na qual se avista a ponta de Santa Marta e o canal da Giudecca, uma Veneza periférica povoada de pormenores que narram a vida quotidiana da população local, motivo através do qual o pintor exprimiu de forma particularmente conseguida a sua imensa sensibilidade artística. Este distanciamento relativamente ao lado faustoso de outras pinturas da sua autoria, das quais o Museu Calouste Gulbenkian possui excelentes exemplos (as Feste, sobretudo), proporcionou a Guardi, pela óbvia informalidade do tema, concentrar-se na representação de um amanhecer enevoado, onde a atmosfera feérica do canal toma posse de toda a superfície pictórica.

Na cena prevalecem tonalidades prateadas e azuladas, surgindo as formas mais distantes, embarcações e silhuetas de edifícios, diluídas em leves pinceladas monocromáticas. A humidade da lagoa e o céu acinzentado fazem lembrar a arte do holandês Jan van Goyen. Francesco Guardi faz ainda uso do sfumato, uma concepção de luz com interferência directa na intensidade do contraste existente entre os objectos representados e o espaço envolvente, produzindo-se a partir desse artifício técnico um fenómeno óptico através do qual cor e contornos se atenuam e se dissolvem.
Via Museu Calouste Gulbenkian.

%d bloggers like this: