Posts Tagged ‘ Renascimento Italiano ’

‘Virgem dos Narcisos com o Menino Jesus e doadores’, de Jan van Scorel

Na passagem do quadringentésimo sexagésimo aniversário da morte de Jan van Scorel [1 Agosto 1495 – 6 Dezembro 1562], relevante pintor da escola holandesa e um dos artistas que introduziram o Renascimento italiano nos Países Baixos, a composição Virgem dos Narcisos com o Menino Jesus e doadores, ca. 1535.
Nomeado pintor para o Vaticano pelo Papa Adriano VI, van Sorel beneficiou da influência de Michelangelo Buonarroti [1475-1564] e sucedeu a Raffaello Sanzio [1483-1520] como Guardião do Pátio do Belvedere, conhecido como o Palácio dos Museus Vaticanos.


Jan van Scorel [1495 – 1562]
‘Madonna of the Daffodils with the Christ Child and Donors’, ca. 1535
Museo Nacional Thyssen-Bornemisza, Madrid

‘Toccata dell’ottavo tono’, de Paolo Quagliati

Do compositor italiano tardo-renascentista Paolo Quagliati [cerca de 1555 – 16 Novembro 1628], activo durante a transição para o período barroco e organista na Basilica di Santa Maria Maggiore em Roma, possivelmente durante as duas últimas décadas de vida, a Toccata dell’ottavo tono escrita para órgão ou cravo, aqui interpretada pela cravista Federica Bianchi.


Álbum: Aquila altera (Early Keyboards)  – Passacaille, 2022

‘Responsori per la Settimana Santa’, de Francesco Corteccia

Na passagem do quingentésimo vigésimo aniversário do nascimento de Francesco Corteccia [1502-1571], compositor e Maestro di cappella activo em Florença ao serviço dos Medici, que tem como obra maior os Responsórios para a Semana Santa, de 1527.


Álbum: Corteccia: Responsories for the Holy Week ℗ 1999 Dynamic Records
Coro: I Cantori di Lorenzo · Direcção: Filippo Maria Bressan

Unus ex discipulis meis tradet me hodie

‘Madrigali’, de Alfonso Fontanelli

No quadringentésimo sexagésimo quinto aniversário sobre o nascimento de Alfonso Fontanelli [1557-1622], compositor, escritor e diplomata do Renascimento italiano, que, a par de Carlo Gesualdo foi uma das principais figuras da renovação musical da Escola de Ferrara em finais do século XVI e um dos primeiros compositores do estilo apelidado de Seconda pratica, na transição para o barroco, o madrigal Colei che già si bella.


Álbum: Gesualdo: Terzo libro di madrigali – ℗ 2016 Glossa
Ensemble: La Compagnia del Madrigale

‘Adoração dos Magos’, de Jacopo Bassano

De Jacopo Bassano [ca.1515-1592], expoente do maneirismo veneziano, cuja obra revela influências de Lorenzo Lotto e de Ticiano, a obra “Adoração dos Magos” (ca. 1563-1564), que pertence ao acervo do Museu Kunsthistorisches em Viena.


‘Le Nuove Musiche’, de Giulio Caccini

De Giulio Caccini [8 Outubro 1551 – 10 Dezembro 1618], compositor do final do Renascimento, a quem o Musica Aeterna dedicou uma emissão nos 400 anos da morte e que, a par de Jacopo Peri, foi um dos pioneiros do estilo recitativo, a composição Amarilli Mia Bella para voz solo e baixo contínuo, extraída da colecção “Le Nuove Musiche” (1602), composta por 12 madrigais e 10 árias.


Álbum: Caccini: Amor Che fai? – Madrigali e Arie – Pavane Records, 2005
Stephan Van Dyck, tenor | Christina Pluhar, harpa e tiorba

‘Magnificat du quatriesme ton’, de Jean Mouton

Jean Mouton [ca. 1459 – 30 Outubro 1522] foi um compositor e eclesiástico francês que adquiriu notoriedade em Itália fruto da amizade com Josquin DesPrez.
Escreveu aproximadamente vinte missas, cem motetos e dez magnificats.


Ensemble Diabolus in Musica|Ensemble Clément-Janequin
Album: “1515 – Œuvres sacrées de Jean Mouton, maître de chapelle de François Ier” (ADF-Bayard Musique, 2015)
Magnificat du quatriesme ton

‘Responsórios de Trevas’ de Don Carlo Gesualdo

A par de Claudio Monteverdi, Don Carlo Gesualdo da Venosa [1566 – 8 Setembro 1613] representa o expoente do madrigal italiano.
Em 2013, o Musica Aeterna dedicou-lhe uma emissão aquando da passagem do quarto centenário da morte e em 2020 duas emissões intituladas ‘Responsórios de Trevas (parte I e parte II) , a propósito do lançamento do triplo cd Tenebrae, pelo agrupamento Graindelavoix. Do segundo cd, fica o primeiro responsório para Sexta-Feira Santa, Omnes amici mei.


‘Madonna of the Carnation’ de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci [15 Abril 1452 – 2 Maio 1519]
“Senhora da Carnação”, por volta de 1475.

Os gestos concentrados de mãe e filho dão à representação uma emocionalidade incomumente profunda. O menino Jesus alcança um cravo, símbolo da sua morte sacrificial e do amor divino que Maria lhe oferece.


‘As Quatro Alegorias do Amor’, de Paolo Veronese

Com Ticiano [ca.1490 –  1576] e Tintoretto [1518 – 1594], Paolo Veronese [Verona , 1528 – Veneza , 19 Abril 1588] integra  “o grande trio que dominou a pintura veneziana do século XVI”.

O último quartel do século XVI foi de intensa actividade para a oficina de Veronese, com um conspícuo trabalho para a igreja e aristocracia veneziana, expresso em grandes retratos e também formatos menores dedicados a temas mitológicos ou alegóricos, retirados da literatura clássica, com claras alusões eróticas e sensuais. Exemplos dessas produções são a Criação de Eva ( Art Institute of Chicago ), O Rapto de Europa (Palácio Ducal em Veneza) e Moisés salvo das águas (Museu do Prado em Madrid).

Também desse período são as famosas Quatro Alegorias do Amor (ca. 1575) , inicialmente fazendo parte de um único conjunto decorativo de um tecto, ou vários, e que actualmente pertencem à National Gallery em Londres.


%d bloggers gostam disto: