‘Paixão segundo São Marcos’ (atribuída a Reinhard Keiser)

Jesus Christus ist um unsrer Missetat willen verwundet
Jesus Cristo está ferido pela nossa iniquidade

A Paixão de São Marcos, escrita por volta de 1705 e atribuída a Reinhard Keiser [1674-1739] , foi apresentada na Catedral de Hamburgo em 1707 sob direcção de Friedrich Nicolaus Bruhns [1637-1718], que entre os musicólogos disputa a autoria da obra por via da ambiguidade do libreto impresso.

Nas palavras de Joël Suhubiette, que em 2015 dirigiu a gravação do álbum Keiser: Markuspassion, a particularidade desta Paixão reside no facto de o manuscrito que hoje existe ser de Johann Sebastian Bach, que o copiou do original.


Ensembles Jacques-Moderne e Gli Incogniti  · Amandine Beyer, violino · Joël Suhubiette, direcção

‘Concerto grosso’, de Arcangelo Corelli

Na passagem do trecentésimo nono aniversário sobre a morte de Arcangelo Corelli [1653–1713], compositor e violinista do barroco italiano cujo contributo para o desenvolvimento da música instrumental foi fundamental, em particular a sonata a três e o concerto grosso, o Concerto grosso No. 2 em Fá maior, Op. 6: I.
O estilo introduzido por Corelli, disseminado na Europa por músicos que com ele contactaram, como Georg Muffat, Francesco Gasparini  e Francesco Geminiani, foi de enorme importância para a consolidação da linguagem orquestral e do violino no início do século XVIII em toda a Europa.


Álbum: Corelli: The Complete Concerti Grossi – ℗ Outhere Music, 2013
Ensemble Gli Incogniti · Amandine Beyer, direcção · Flavio Losco, violino

‘Adoração dos Magos’, de Jacopo Bassano

De Jacopo Bassano [ca.1515-1592], expoente do maneirismo veneziano, cuja obra revela influências de Lorenzo Lotto e de Ticiano, a obra “Adoração dos Magos” (ca. 1563-1564), que pertence ao acervo do Museu Kunsthistorisches em Viena.


‘Requiem’, de Antonio Lotti

Antonio Lotti [Veneza, 5 Janeiro 1667 – Veneza, 5 Janeiro 1740], compositor italiano do barroco tardio,  foi maestro di cappella na Basílica de São Marcos nos últimos anos de vida. Da produção musical de Lotti, que inclui música sacra e profana, o Requiem aeternam em fá maior, extraído do Requiem (ca. 1733), interpretado pelos Coro e Ensemble Balthasar-Neumann, dirigidos por Thomas Hengelbrock.


‘Salve Regina’, de Giovanni Battista Pergolesi

Em mais um aniversário do compositor barroco Giovanni Battista Pergolesi, que nasceu neste dia 4 de Janeiro em 1710 e faleceu com apenas 26 anos em 17 de Março de 1736, partilho a tocante abertura da “Salve Regina” em Dó maior, aqui interpretada pela soprano Emma Kirkby, acompanhada pela Academy of Ancient Music, fundada em 1973 e dirigida por Christopher Hogwood.


Álbum: Pergolesi: Stabat Mater; Salve Regina (1989)

‘Os Mercados da Tunísia’, de August Macke

De August Macke [3 Janeiro 1887 – 26 Setembro 1914], a aguarela Marché à Tunis II, fruto da experiência na Tunísia – para onde viajou na Primavera de 1914, na companhia de Paul Klee [1879-1940] e Louis Moilliet [1880-1962], poucos meses antes de morrer.


August_Macke_-_Market_in_Tunis_II_1914

‘Uma Alegoria da Civilização’, de Piero di Cosimo

De Piero di Cosimo [2 Janeiro 1462 – 12 Abril 1522], pintor do Quattrocento italiano de quem se assinala este ano o 500º aniversário da morte, o óleo Vulcano ed Eolo maestri dell’umanità (ca. 1500–1505), inspirado numa alegoria da Genealogia deorum gentilium de Boccaccio [1313-1375].


Piero di Cosimo - Alegoria da Civilização

Pisendel – Concerto para violino em Lá Menor

Johann Georg Pisendel [26 Dezembro 1687 – 25 Novembro 1755], insigne violinista e compositor alemão do século XVIII, foi primeiro violino e director da célebre orquestra da corte de Dresden.
Fica o primeiro andamento do Concerto para violino em Lá Menor, com arranjo de Antonio Vivaldi [4 Março 1678 – 28 Julho 1741], de quem Pisendel foi discípulo.


Álbum – Vivaldi: – Il Grosso Mogul: Violin Concertos & Sonatas, 2018.
Musica Alchemica, Lina Tur Bonet

‘Daphnis et Chloé, Op. 102’, de Boismortier (II)

De Joseph Bodin de Boismortier [23 Dezembro 1689 – 28 Outubro 1755], compositor do barroco francês, contemporâneo de Mondonville e Rameau [1683-1764], a abertura (II) do Prólogo de Daphnis et Chloé, pastoral em três actos sobre libreto de Pierre Laujon, cuja première teve lugar no Concert Spirituel em 1747.


Álbum: «Boismortier: Daphnis et Chloé, Op. 102» – Pastorale. Paris, 1747
Le Concert Spirituel · Hervé Niquet

‘Leisure Time in an Elegant Setting’, de Pieter de Hooch

Tal como o contemporâneo Johannes Vermeer, também Pieter de Hooch cultivou a designada pintura de género de estética realista, que elegia a vida quotidiana, nomeadamente através da manipulação da luz na representação de interiores.


Pieter de Hooch [1629-1684] – “Leisure Time in an Elegant Setting”,ca. 1663-65 – The Metropolitan Museum of Art
%d bloggers like this: