‘Empyrean Isles’, de Herbie Hancock (III)

No dia 17 de Junho de 1964 o pianista de jazz norte-americano Herbie Hancock contou com a colaboração de Ron Carter (baixo), Freddie Hubbard (corneta) e Anthony Williams (bateria)  para gravar o seu quarto álbum para a Blue Note, Empyrean Isles. Fica o primeiro tema do lado A, One Finger Snap.


Jaki Byard – 100 anos

Do multi-instrumentista norte-americano Jaki Byard [1922-1995], nascido neste dia 15 de Junho precisamente há 100 anos, ‘Searchlight’ – a terceira composição do álbum ‘Out Front!’, gravado em Maio de 1964 e editado pela Prestige Records no ano seguinte. Como side-man, Jaki Byard colaborou com Charles Mingus durante toda a década de sessenta.


Músicos: Jaki Byard – piano, saxofone alto; Richard Williams – trompete; Bob Cranshaw – baixo; Walter Perkins – bateria.

‘Nefertiti’, de Miles Davis

Pouco antes do início da transição para os registos eléctricos do jazz de fusão, ‘Nefertiti’ (1968) foi o quarto e penúltimo álbum do ‘segundo quinteto clássico’ de Miles Davis, com Wayne Shorter , Herbie Hancock , Ron Carter e Tony Williams.
Escrtita por Wayne Shorter, a composição que dá nome ao álbum foi gravada a 7 de Junho de 1967, na primeira de quatro sessões que tiveram lugar nos estúdios da Columbia entre Junho e Julho.


‘On the Corner’, de Miles Davis (II)

Produzido por Teo Macero, On the Corner (1972) foi gravado em três sessões: 1 e 6 de Junho e 7 de Julho, e lançado a 11 de Outubro pela Columbia Records. Pertencente ao período eléctrico de Miles Davis, iniciado em 1970 com Bitches Brew, este trabalho continua a explorar o jazz de fusão com a incorporação de instrumentos eléctricos como o baixo, a cargo de Michael Henderson, o piano e o sintetizador com Herbie Hancock e Chick Corea.
Gravada a 6 de Junho, a composição que fecha o lado B do álbum teve ainda a participação de nomes como Jack DeJohnette, Bennie Maupin, Paul Buckmaster, Don Alias, Carlos Garnett e John McLaughlin.


‘Dark Lights in a White Forest’, de Sun Ra

Na passagem do vigésimo nono aniversário sobre a morte do visionário compositor Sun Ra [1914-1993], a composição ‘Dark Lights in a White Forest’ do álbum Omniverse (El Saturn Records, 1979), interpretada pelo colectivo musical The Arkestra, com Sun Ra (piano), John Gilmore (sax tenor), Michael Ray (trompete), Charles Davis (sax barítono), Hayes Burnett (baixo) e Samarai Celestial (bateria).


‘Mancare Dio mi sento’, de Geminiano Giacomelli

Na passagem do trecentésimo trigésimo aniversário sobre o nascimento do compositor e teórico italiano Geminiano Giacomelli [1692-1740], a ária ‘Mancare Dio mi sento’, extraída da ópera em três actos Adriano in Siria (Veneza, 1733), tendo como solista a meio-soprano norte-americana Vivica Genaux.


Álbum: Arias for Farinelli (2002) · Akademie für Alte Musik Berlin · René Jacobs 

‘The Sheridan Theatre’, de Edward Hopper

De Edward Hopper [22 Julho 1882 – 15 Maio 1967], um dos principais representantes do realismo do século XX, ‘The Sheridan Theatre’ de 1937.


‘A Grande Onda’, de Hokusai

Hokusai [1760 – 10 Maio 1849], artista japonês activo durante o período de grande efervescência na literatura, filosofia e artes denominado Edo (1615–1868), ficou conhecido pela série “Trinta e seis vistas de Monte Fuji” (1831-34) , da qual fica a icónica xilogravura “A Grande Onda de Kanagawa” (ca. 1830–32).


Hokusai cleverly played with perspective to make Japan’s grandest mountain appear as a small triangular mound within the hollow of the cresting wave.
Via Met Museum

‘A Night in London’, de Mark Knopfler

Após deixar os Dire Straits (1977–1995), Mark Knopfler gravou o primeiro álbum solo em estúdio ‘Golden Heart’ em Março de 1996. No mês seguinte, a 16 de Abril, gravou um concerto ao vivo na BBC Radio intitulado ‘A Night in London’, do qual fica o tema ‘Brothers in Arms’.


‘Musicall Humors’, by Tobias Hume

How I became acquainted with the “Musicall Humors” – Jordi Savall (Prague, 28th of May 2004)
It was almost forty years ago, as the hot summer of 1964 drew to its close, that I made the fascinating discovery of the Musicall Humors of Tobias Hume [c.1579 – 16 April 1645]. I had just completed my cello and music studies at the Barcelona Conservatoire and was beginning to study and teach myself the viola da gamba, an instrument which at that time was extremely rare and played by only a handful of pioneers and enlightened enthusiasts scattered all over the world.


After the Trattado de Glosas by Diego Ortiz (Rome, 1553), the first published work essentially devoted to the art of improvisation (for viola da gamba and accompaniment), The First Part of Ayres, containing the Musicall Humors  of Tobias Hume (printed in London in 1605), was the first historical edition of works composed for the solo bass viol. With more than one hundred pieces for this instrument, it became a unique and major source for our understanding of the bass viol’s repertory and historical development.


I was eager to find an opportunity to study these collections with their fascinating titles and intriguing tablatures.  That opportunity came a few months later in London, in the magical silence of the British Library’s Reading Room. I can still remember my excitement in that venerable place as I imagined how Loves Farewell, Death & Life, and the various Souldiers March, Galliards and Resolutions might sound, and tried to crack the code of those old notation systems and tablatures.
%d bloggers like this: