Archive for the ‘ História ’ Category

‘Melencolia I’, de Albrecht Dürer

Albrecht Dürer [21 May 1471 – 6 April 1528] – ‘Melencolia I’, 1514

Dürer’s Melencolia I is one of three large prints of 1513 and 1514 known as his Meisterstiche (master engravings). The other two are Knight, Death, and the Devil and Saint Jerome in His Study. The three are in no way a series, but they do correspond to the three kinds of virtue in medieval scholasticism moral, theological, and intellectual and they embody the complexity of Dürer’s thought and that of his age.

Melencolia I is a depiction of the intellectual situation of the artist and is thus, by extension, a spiritual self-portrait of Dürer. In medieval philosophy each individual was thought to be dominated by one of the four humors; melancholy, associated with glack gall, was the least desirable of the four, and melancholics were considered the most likely to succumb to insanity. Renaissance thought, however, also linked melancholy with creative genius; thus, at the same time that this idea changed the status of this humor, it made the self-conscious artist aware that his gift came with terrible risks.

The winged personification of Melancholy, seated dejectedly with her head reasting on her hand, holds a caliper and is surrounded by other tools associated with geometry, the one of the seven liberal arts that underlies artistic creation and the one through which Dürer, probably more than most artists, hoped to approach perfection in his own work. An influential treatise, the De Occulta Philosophia of Cornelius Agrippa of Nettesheim, almost certainly known to Dürer, probably holds the explanation for the number I in the title: creativity in the arts was the realm of the imagination, considered the first and lowest in the hierarchy of the three categories of genius. The next was the realm of reason, and the highest the realm of spirit. It is ironic that this image of the artist paralyzed and powerless exemplifies Dürer’s own artistic power at its superlative height. Via.

 

Anúncios

Rick Wakeman & Anne Boleyn

Dois pioneiros do Rock Progressivo entraram esta semana na casa dos setenta,  Bill Bruford a 17 e Rick Wakeman a 18 de Maio.

Rick Wakeman produziu em 1973  The Six Wives of Henry VIII, o primeiro trabalho a solo após a saída dos YES.

O penúltimo tema do album – Anne Boleyn ‘The Day Thou Gavest Lord Hath Ended’ –, é dedicado à segunda mulher de Henrique VIII, que neste dia 19 de Maio em 1536 foi decapitada na Torre de Londres e sepultada na Capela Real de São Pedro ad Vincula , onde tem um pequeno memorial.

Convento e Igreja do Desagravo do Santíssimo Sacramento do Louriçal

Para lá da beleza objetiva deste complexo religioso de finais do séc. XVII, ele vale por ter sido, ao longo dos últimos dois séculos, cenário da extraordinária capacidade de resistência da comunidade de Irmãs Clarissas que desde o início o habitaram.
Em 1810, a terceira invasão francesa obriga as Clarissas do Louriçal a sair do convento; em 1834, o decreto da extinção das ordens religiosas obriga as religiosas, durante décadas, as estratégias semi-clandestinas para manterem a comunidade e o seu convento; em 1910, na sequência da implantação da República, as Irmãs do Desagravo do Louriçal foram expulsas e expropriadas do convento.
Forçadas ao exílio durante 18 anos, as Clarissas do Louriçal conseguiram comprar o seu convento em 1927, quando foi a vender em hasta pública. Uma vez comprado o que sempre lhes pertencera, a comunidade regressou a casa em 1928.
As atribulações por que passou a comunidade de religiosas do convento do Louriçal a partir do início do séc. XIX são paradigmáticas do que sofreram as Ordens Religiosas em Portugal nos séculos XIX e XX. Este é um caso excecional de resiliência.
Visita guiada pela Irmã Maria de Fátima e pelo historiador Nelson Pedrosa.

Hospital Termal das Caldas da Rainha

A História Comparada diz-nos que é o mais antigo hospital termal do mundo. Construído a partir de 1485 por iniciativa visionária da Rainha D. Leonor, ainda antes de ter patrocinado a fundação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o hospital termal das Caldas da Rainha foi edificado sobre nascentes de águas curativas, numa região deserta. A povoação Caldas da Rainha nasce e cresce, por vontade da soberana, em torno do complexo termal. Três momentos históricos marcam as sucessivas feições desta instituição: o séc. XV, quando foi criada; o séc. XVIII, quando foi requalificada a mando de D. João V; e o séc. XIX, quando à sua vocação terapêutica e beneficente foi acrescentada a dimensão lúdica e cosmopolita. Uma visita guiada por Helena Gonçalves Pinto, investigadora em História da Arquitetura.

Hospital Termal Rainha D. Leonor – © Dias dos Reis, 2015

Francisco Xavier – A Rota do Oriente

«Encomendou el-Rei D. João o Terceiro a S. Francisco Xavier o informasse do estado da Índia, por via de seu companheiro, que era mestre do Príncipe; e o que o santo escreveu de lá, sem nomear ofícios, nem pessoas, foi que o verbo rapio na Índia se conjugava em todos os modos…» Padre António Vieira

Em 1498, Vasco da Gama [ca. 1469-1524] fez escala em Sofala, um dos numerosos portos cuja economia se baseava no comércio de escravos e ouro com os árabes-muçulmanos. Os portugueses começaram a estabelecer-se nas costas  África Austral em começos do século XVI e em 1515 foi criado um entreposto na pequena ilha coral de Moçambique, que viria a tornar-se um dos mais importantes na Rota da Índia.

Após uma longa e fatigante travessia pelo Atlântico, Francisco Xavier [1506-1553] chegou em Agosto de 1541 a Moçambique, a sua primeira grande escala no périplo pelo Oriente desde que saiu de Lisboa, a 7 de Abril de 1541.

Após sete difíceis meses de estadia, decidiu partir em Fevereiro de 1542 e a 6 de Maio alcançou Goa, então capital da Índia portuguesa.

Palácio Nacional de Queluz

Criado pelo Infante D. Pedro, irmão do Rei D. José, a partir da casa grande da velha quinta de Queluz, o Palácio de Queluz foi palco de intensas alegrias e tristezas para três gerações de reis da dinastia de Bragança: D. Maria I e D. Pedro III, D. João VI e D. Carlota Joaquina e D. Pedro IV e D. Miguel. Projectado como destino lúdico, de veraneio, o Palácio de Queluz apresenta-se, ainda hoje, como o mais luminoso e leve dos paços reais portugueses. Seduzido pelo encanto do palácio e dos seus jardins adornados com excelente estatuária, o general Junot, ainda enquanto embaixador em Lisboa, planeava alojar ali Napoleão. São muitas as histórias que as paredes do Palácio de Queluz nos conta. Histórias como a da morte de D. Pedro, ex-Rei de Portugal e ex-Imperador do Brasil, que ali se extingue, precocemente, a poucos dias de completar 36 anos. Uma visita guiada pela directora do palácio, a historiadora Maria Inês Ferro e por Anísio Franco, conservador no Museu Nacional de Arte Antiga.

Os Jesuítas e a Ciência em Portugal (séculos XIX e XX)

Apresentação do livro de Francisco Malta Romeiras “Ciência, Prestígio e Devoção” – Os Jesuítas e a Ciência em Portugal [séculos XIX e XX], com a presença do Professor Henrique Leitão (Prémio Pessoa 2014) e da Professora Ana Simões. | 10 de Fevereiro, às 18h30 na Livraria Ferin.

Os Jesuítas e a Ciência em Portugal

Quando a Companhia de Jesus foi restaurada em Portugal, em meados do século XIX, permanecia ainda a memória da forte campanha ideológica que o Marquês de Pombal lançara no século XVIII, segundo a qual os jesuítas teriam sido os principais responsáveis pelo atraso científico no nosso país. Conscientes da longevidade, da influência e da transversalidade absolutamente invulgares dos argumentos pombalinos, os jesuítas compreenderam que tinham de ultrapassar as acusações de obscurantismo para se estabelecerem com alicerces firmes em Portugal e, assim, reconquistarem a influência e o raio de acção que tinham tido nos séculos anteriores. Da vontade de recuperar a sua credibilidade científica acabaria por nascer um grande investimento no ensino e na prática das ciências naturais nos seus colégios, nomeadamente no Colégio de Campolide (1858-1910) e no Colégio de São Fiel (1863-1910). São Fiel foi ainda o berço da revista Brotéria (1902-2002), uma das mais importantes publicações científicas portugueses do século XX. Baseado nas histórias do Colégio de Campolide, do Colégio de São Fiel, e da revista Brotéria, este livro centra-se nas razões que levaram uma ordem religiosa como a Companhia de Jesus a empenhar-se tão ativamente no ensino e na prática das ciências, bem como no impacto profundo que esse empreendimento teve para a ciência e para a educação científica nos séculos XIX e XX. [Fonte]
Anúncios
%d bloggers like this: