‘Miles & Quincy Live at Montreux’

Na passagem do trigésimo aniversário da morte de Miles Davis [1926-1991], fica o standard Boplicity – tema de abertura do último álbum que o genial trompetista gravou em Julho de 1991, no Festival de Jazz de Montreux, acompanhado de um Ensemble dirigido por Quincy Jones.


‘Les Fêtes d’Hébé’, de Jean-Philippe Rameau

Entre 1986 e 2000, a Orquestra do Século XVIII, fundada em 1981 pelo maestro holandês Frans Brüggen [1934-2014], gravou oito suítes orquestrais extraídas da obra lírica do compositor e teórico musical francês Jean-Philippe Rameau [Dijon, 25 Setembro 1683 – Paris, 12 Setembro 1764].

Em 2020, a Glossa reuniu numa caixa de quatro discos o maior legado musical de Rameau; O conjunto Les fêtes d’Hébé (Orchestral Excerpts), dedicado à ópera-ballet “Les Fêtes d’Hébé” (1739), pertence ao terceiro cd.


‘Agnus Dei’, de Duarte Lobo

Na passagem dos 375 anos da morte de Duarte Lobo [c. 1565 – 24 Setembro 1646], compositor do período tardo-renascentista que foi, a par de Filipe de Magalhães (c. 1571 – 1652) e Frei Manuel Cardoso (1566 – 1650), um insigne representante da polifonia portuguesa, o Agnus Dei extraído da Missa Pro Defunctis para oito vozes.


Álbum: Agnus Dei · The Sixteen Orchestra · The Sixteen · Harry Christophers (2021)

‘Nature Boy’, de John Coltrane

No nonagésimo quinto aniversário do nascimento do saxofonista norte-americano John Coltrane [23 Setembro 1926 – 17 Julho 1967], a versão do standard ‘Nature Boy’ integrada no disco “Both Directions at Once: The Lost Album” (Impulse Records, 2018), cujo alinhamento partiu de uma sessão que o Quarteto Clássico, com Jimmy Garrison no contrabaixo, McCoy Tyner no piano e Elvin Jones na bateria, gravou nos Estúdios de Van Gelder em 6 de Março de 1963.
Coltrane voltaria ao tema no álbum The John Coltrane Quartet Plays em 1965, logo após o lançamento de A Love Supreme


‘Very Tall’, de Oscar Peterson & Milt Jackson

Oscar Peterson [1925-2007], um dos maiores pianistas de sempre na área do jazz, gravou a 18 de Setembro de 1961, há precisamente sessenta anos, o álbum Very Tall; Ao seu trio de então, que contava com Ray Brown no baixo e Ed Thigpen na bateria juntou-se o vibrafonista e fundador do Modern Jazz Quartet, Milt Jackson [1923-1999], naquela que seria a primeira de cinco colaborações entre Oscar Peterson e Milt Jackson, que compôs Reunion Blues, o último tema do álbum, lançado pela Verve em 1962.


‘Concerti Grossi’, de Francesco Geminiani

De Francesco Geminiani [1687 – 17 Setembro 1762] violinista e compositor do barroco italiano radicado nas Ilhas Britânicas, notabilizou-se pelos concerti grossi. Durante a  juventude, foi aluno de Alessandro Scarlatti e Arcangelo Corelli.


Álbum: Geminiani: Concerti Grossi Op.7 | Outhere Music, 2018
Café Zimmermann

‘Waltz For Debby’, de Bill Evans

Em finais de 1959, depois da participação em Kind of Blue, Bill Evans [16 Agosto 1929 – 15 Setembro 1980], abandonou o Sexteto de Miles Davis e formou um Trio com o baixista Scott LaFaro [1936-1961] e o baterista Paul Motian [1931-2011].
Em 1961, gravou dois álbuns ao vivo no clube de jazz Village Vanguard de Nova York , Sunday at Village Vanguard e Waltz for Debby, lançado em 1962 pela Riverside Records.


‘Eneias e a Sibila no Mundo Inferior’, de Jan Brueghel, o Jovem

Na passagem dos 420 anos do nascimento de De Jan Brueghel, o Jovem [13 Setembro 1601 – 01 Setembro 1678], a obra “Aeneas and the Sibyl in the Underworld”, dos anos 1630,  inspirada nas paisagens do inferno de Jan Brueghel, o Velho, que por sua vez remetia para a obra de Bosch. O tema pertence a Virgílio, Eneida, Livro VI. »


“Aeneas and the Sibyl in the Underworld”, 1630s –  The Metropolitan Museum of Art, New York.

‘A Queda dos Anjos Rebeldes’, de Jan Brueghel, o Velho

Expoente da pintura da Flandres Renascentista, Pieter Brueghel, o Velho [c. 1525 – 9 Setembro 1569] conduz-nos com a obra ‘La chute des anges rebelles’ (1562) numa visita ao universo de Hieronymus Bosch.


‘Responsórios de Trevas’ de Don Carlo Gesualdo

A par de Claudio Monteverdi, Don Carlo Gesualdo da Venosa [1566 – 8 Setembro 1613] representa o expoente do madrigal italiano.
Em 2013, o Musica Aeterna dedicou-lhe uma emissão aquando da passagem do quarto centenário da morte e em 2020 duas emissões intituladas ‘Responsórios de Trevas (parte I e parte II) , a propósito do lançamento do triplo cd Tenebrae, pelo agrupamento Graindelavoix. Do segundo cd, fica o primeiro responsório para Sexta-Feira Santa, Omnes amici mei.


%d bloggers like this: