Archive for the ‘ Concerto ’ Category

‘Sleep’, de Max Richter

Em 2015, Max Richter lançou o seu projecto mais ambicioso até hoje – Sleep -, uma experiência sensorial de oito horas e meia.
O álbum conta com a participação do American Contemporary Music Ensemble e da soprano Grace Davidson.
Fica um excerto da performance na BBC Radio 3.

Concerto Dos 500 Anos Da 1ª Viagem De Circum-navegação

Teatro Municipal São Luiz, Lisboa | 16 e 17 de Dezembro de 2019
MÚSICA ANTIGUA (ESPANHA)
Eduardo Paniagua: flautas, saltério, percussão e direcção
Cesar Carazo: canto e viola | Luis Antonio muñoz: canto e viola da gamba
MÚSICOS DO TEJO (PORTUGAL)
Marcos Magalhães : cravo e direcção | Arthur Filemon: canto | Marco Oliveira: canto
Inserido na Mostra Espanha 2019

Uma viagem emocional pela maior aventura da Humanidade levada a cabo por um conjunto de homens de várias nações, liderados pelo português Fernão Magalhães e terminada pelo espanhol Juan Sebastián Elcano. Uma viagem que transformou completamente a percepção e a dinâmica do mundo em que vivemos até aos dias de hoje.

Música e sonoridades da época, acompanhadas da contextualização histórica e da visão humanista do professor Juan Marchena Fernandez, Professor Catedrático na Universidade Pablo de Olavide, em Sevilha, com realização de conteúdos multimédia por Miguel Osório – Valise d’Images, direcção artística de Carlos Gomes e produção da Transiberia.

Eborae Mvsica – Ensemble La Grande Chapelle

Fundado em 2005, o Ensemble La Grande Chapelle, conjunto vocal e instrumental de música antiga com vocação europeia, propõe uma nova leitura das grandes obras vocais espanholas dos séculos XVI e XVIII, estreitando a relação entre a música e a literatura do Siglo de Oro.
Sob direcção musical de Albert Recasens, apresentam-se em concerto a 11 e 12 de Outubro de 2019 em Évora e Vila Viçosa, respectivamente, com o programa Cantiones sacrae. Masterpieces of Iberian polyphony from the 16th and 17th centuries, integrado nas XXII Jornadas Internacionais “Escola de Música da Sé de Évora”.

 

Wim Mertens – A Melodia e o Silêncio

Presença regular em Portugal (Guimarães 2012, Casa da Música, Festival de Sintra), o compositor belga Wim Mertens, nascido neste 14 de Maio em 1953, vai estar em concerto no próximo 6 de Junho no Casino do Estoril para apresentar o último trabalho de uma ampla discografia, That Which Is Not – 2018.

“Do Tejo ao Tibre: músicos e artistas portugueses em Roma no século XVIII”

No âmbito das comemorações do Terceiro Centenário da chegada de Domenico Scarlatti a Lisboa (1719-2019), está patente até 31 Mai 2019 na Biblioteca Nacional de Portugal a Mostra “Do Tejo ao Tibre: músicos e artistas portugueses em Roma no século XVIII”, comissariada por Cristina Fernandes e Pilar Diez del Corral.

Hoje às 17:00 há Visita Guiada por Cristina Fernandes e às 17:30 um Ensaio aberto por Os Músicos do Tejo com Ana Quintans e Bruno Almeida, e a música de Francisco António de Almeida (1703-1754), Georg Friedrich Händel (1685-1759) e Giovanni Battista Pergolesi (1710-1736) – Entrada livre.

I Festival de Música Antiga de Torres Vedras

O I Festival de Música Antiga de Torres Vedras começa no dia 4 de Maio de 2019 às 21h30 na Igreja de Santa Susana – Maxial, com o concerto “Viagem com alaúde e flauta travessa”, por Vinicius Perez e Alexandre Andrade, acompanhados pelo grupo de música antiga Camerata Galante e direcção artística de Daniel Oliveira.

Próximos concertos:
11 de Maio | 21h30 – “Modinhas Luso-Brasileiras”, no Salão Nobre do Palácio de Runa.

18 de Maio | 21h30 – “A Sonata Barroca em Diálogo com Ária Sacra”, na Igreja/Seminário de Nossa Senhora da Graça de Penafirme, Póvoa de Penafirme.

25 de Maio | 21h30 – “Música e Pedagogia em torno do Novo Antigo”, na Igreja Matriz do Turcifal.

8 de Junho | 21h30 – “A sonata da Chiesa barroca e clássica”, na Igreja da Graça, Torres Vedras.

Música no Tempo de Shakespeare

O impacto do legado de William Shakespeare (1564-1616) ao longo dos últimos quatro séculos extravasa largamente os domínios do teatro e da literatura para se estender a outras artes e domínios da cultura e do imaginário colectivo. Nesse universo, a música constitui um elemento fundamental não só pela importância que tinha nas práticas teatrais da Inglaterra isabelina e no próprio discurso poético e teatral de Shakespeare, como pela influência e fascínio que a obra do grande dramaturgo inglês exerceu sobre compositores de todas as épocas. Este potencial inesgotável serve de fio condutor à edição de 2019 dos Dias da Música […]
Excerto do artigo de Cristina Fernandes para o Público (paywall)

Na programação divulgada pela Antena 2, destaco os concertos:
C6 – Tempestade (Divino Sospiro) – Henry Purcell (1659-1695) e as Broadside Ballads de Matthew Locke (1622-1677)
C7 – Time Stands Still (Ensemble Darcos) – Lute Songs de John Dowland (1563-1626)
C8 – Música do Tempo de Shakespeare (The Tallis Scholars) – Thomas Tallis (c. 1505-1585) e William Byrd (1543-1623)
C9 – Itália, Um Cenário para Shakespeare (Marco Beasley) – Dowland em Itália
C10 – Faire is The Heaven (The Tallis Scholars) – William Byrd (1543-1623) e Orlando Gibbons (1583-1625)
D4 – To Play Or Not Play (Os Músicos do Tejo) – William Lawes, Dowland, Byrd e Purcell
D7 – Ars Melancholiae: Sir Henry Umpton his consort (Accademia Del Piacere) – John Dowland (1563-1626)

Concerto «Stabat Mater – Salve Regina»

Viagem estilística entre Nápoles, Lisboa e São Paulo

No âmbito do Festival de Música Antiga de Lisboa / Lisbon Early Music Festival – 2019uma iniciativa do Americantiga Project, o Concerto da Orquestra Barroca de Mateus, com direcção de Ricardo Bernardes, tem lugar a 8 de Março de 2019 na Igreja das Chagas, Lisboa.

O programa inclui obras de:
Antonio Vivaldi (1678 – 1741)
Alessandro Scarlatti (1660 – 1725)
André da Silva Gomes (1752 – 1844)
Pedro António Avondano (1714 – 1782)
Giovanni Baptista Pergolesi (1710 – 1736)

O Festival pretende estimular a execução do reportório vocal e sacro das tradições musicais Luso- Brasileira, Hispano-Americana e Italiana do século XVI às primeiras décadas do XIX.

Lisbon Early Music FestivalCappella dei Signori
Igreja das Chagas, Lisboa – 01 Março 2019

 

From Baroque to Fado – A Journey Through Portuguese Music

“From Baroque to Fado – A Journey Through Portuguese Music”, é uma jornada através do tempo e do lugar, com elementos de música árabe e galega que vão da música medieval até ao fado tradicional, numa viagem musical desde o século XIII até aos nossos dias.
Este disco é o produto do concerto gravado ao vivo em 2016 no Grande Auditório da Gulbenkian.


Artigos no Público e no Diário de Notícias.

Makan, de Driss El Maloumi

Concerto no Grande Auditório da Culturgest | 13 de Março, 21h30
Oud, Driss El Maloumi | Percussão, Saïd El Maloumi e Lahoucine Baquir

Driss El Maloumi, nascido em 1970 em Agadir, Marrocos, licenciou-se em literatura árabe, estudou filosofia da música, seguiu uma muito sólida formação musical clássica árabe e ocidental, recebendo vários prémios. Trabalhou intensivamente com Jordi Savall e o Ensemble Hesperion XXI e com Monserrat Figueras, colaborou em muitos álbuns de música antiga, tradicional ou clássica, e de jazz. […] O disco, que está na base do concerto desta noite, Makan (Viagem), foi entusiasticamente recebido pela crítica. Com razão, porque é de uma beleza que nos deixa felizes.

Citando alguns dos comentários feitos na imprensa da especialidade, “El Maloumi é daqueles músicos miraculosos que é indispensável ouvir, porque nos tornam melhores.” (Les Inrockuptibles). “Enraizado na tradição harmónica e ornamental do Oriente, o mestre de Agadir sintetiza as cores berberes, árabes ou andaluzas, cultivando as tonalidades que fazem a diferença (…). Saboreia-se a variedade e a modernidade dos modos de tocar. Assim como a subtileza de uma música que se revela menos na demonstração do virtuosismo, do que na elegância do som, a volubilidade do swing.” (Telerama). “Não há nenhuma necessidade de se ser iniciado na música clássica árabe para apreciar estes preciosos momentos de serenidade e de delicadeza.” (Mondomix). Via Culturgest.

Ainda o artigo “Driss El Maloumi leva a magia do Oud à Culturgest” de Nuno Pacheco, PUBLICO.

%d bloggers like this: