Archive for the ‘ Breve Biografia ’ Category

‘Armonico Tributo’, de Georg Muffat

Georg Muffat [1 Junho 1653 – 23 Fevereiro 1704], compositor e organista do período barroco, nasceu em França, na região de Sabóia. Passou a adolescência em Paris, onde foi aluno da figura dominante na música francesa, Jean-Baptiste Lully. Após uma passagem por Praga em 1677, trabalhou como organista  e músico de câmara do Arcebispado de Salsburgo até 1680, onde foi contemporâneo de Heinrich Ignaz Franz Biber.

Nos dois anos seguintes esteve em Itália, onde conheceu Arcangelo Corelli e foi precisamente em 1682 que publicou o seu conjunto de sonatas Armonico TributoDesde 1690 até à data da morte, Georg Muffat foi Kapellmeister na Diocese de Passau, Alemanha.

Armonico Tributo – Sonata No.2 em Sol menor
Ensemble Barroco 415 | Chiara Banchini

Elvin Jones por Francis Wolff

Elvin Jones [September 9, 1927 – May 18, 2004] fotografado em 12 Agosto 1961 por Francis Wolff, durante os ensaios do album de Freddie Hubbard «Ready for Freddie».


Irmão do pianista Hank Jones, Elvin é um dos mais importantes bateristas da história do jazz.
Antes de integrar o Quarteto de John Coltrane na primeira metade da década de sessenta gravou, para citar apenas dois exemplos, Night at the Village Vanguard com Sonny Rollins em 1957 e Sketches of Spain com Miles Davis em 1959.

Crisis, o último tema do álbum de Freddie Hubbard – «Ready for Freddie», 1962.
Músicos: Freddie Hubbard (t), Bernard McKinney (e), Wayne Shorter (ts), McCoy Tyner (p), Art Davis (db), Elvin Jones (d)

‘Concerto para violino Nº 22’, de Giovanni Battista Viotti

Giovanni Battista Viotti [12 Maio 1755 – 3 Março 1824], compositor e talentoso violinista italiano, fixou-se durante uma década em Paris, onde se estreou no Concert Spirituel em 1782, mas a Revolução Francesa fê-lo viajar para Londres em 1792, ano em que escreveu este Violin Concerto No. 22 in A Minor, G. 97.



Durante os dois anos seguintes, Viotti obteve grande sucesso como violinista nos concertos organizados pelo compositor e empresário alemão Johann Peter Salomon, que dirigiu as «London symphonies» de Joseph Haydn.
Em 1813, Salomon e Viotti integraram a lista dos membros fundadores da Royal Philharmonic Society. O concerto inaugural incluiu obras de dois compositores que Viotti conheceu pessoalmente, Joseph Haydn e Ludwig van Beethoven.



Concerto Grosso, de Giuseppe Torelli

Giuseppe Torelli [22 Abril 1658 – 8 Fevereiro 1709], violinista e compositor italiano do período barroco, foi contemporâneo de Tomaso Albinoni e Antonio Vivaldi na Península Itálica entre os séculos XVII e XVIII.
Do seu contributo para o desenvolvimento do Concerto Intrumental, a orquestra barroca Collegium Musicum 90, dirigida pelo violinista Simon Standage gravou em 2005 um disco de Concertos, do qual destaco o Concerto Grosso para Violino em Fá Maior, Op. 8, No.11

‘Sleep’, de Max Richter

Em 2015, Max Richter lançou o seu projecto mais ambicioso até hoje – Sleep -, uma experiência sensorial de oito horas e meia.
O álbum conta com a participação do American Contemporary Music Ensemble e da soprano Grace Davidson.
Fica um excerto da performance na BBC Radio 3.

‘Da Pacem Domine’, by Arvo Pärt

Arvo Pärt, estonian composer born on this day in 1935, wrote the prayer of peace “Da pacem Domine” to fulfil a commission from Jordi Savall. He began to set this ninth-century Gregorian antiphon two days after the Madrid bombings on 11 March 2004 as his personal tribute to the victims. Since then Da pacem Domine has been performed every year in Spain to commemorate the victims of this terrorist attack. Even while originally composing this four-voice piece, Pärt made allowances for variable scorings. As a result, it exists in several versions, not only for voice but also entirely for instruments.

Performers: Ensemble Vocale Odhecaton, Paolo Da Col

‘Live At The Plugged Nickel’, Chicago

Ainda e sempre o standard “Stella by Starlight” (minuto 13:16), integrado na série de oito discos gravados ao vivo no Clube Plugged Nickel de Chicago, activo durante grande parte da década de sessenta.
Pouco antes do Natal de 1965, a composição do segundo Quinteto de Miles Davis, incluindo Herbie Hancock no piano acústico, Ron Carter no baixo, Tony Williams na bateria e Wayne Shorter (nascido neste dia 25 de Agosto em 1933) a substituir George Coleman no saxofone tenor, recupera os solos da explosão criativa de finais da década de 50.

‘Django’, de Modern Jazz Quartet

Fundado em 1952, o Modern Jazz Quartet teve em John Lewis [1920-2001] – piano e direcção musical – e Milt Jackson [1923-1999] no vibrafone os principais elementos da formação, que apresentava um jazz mais do que respeitável. Acompanhados pelo contrabaixo de Percy Heath [1923-2005] e pela bateria de Connie Kay [1927-1994], gravaram em 1959 o elegante álbum Pyramid, do qual fica aqui a composição Django (John Lewis) gravada em 22 Agosto 1959.

‘Lamento de Íole’, de Jacopo Peri

De Jacopo Peri [20 Agosto 1561 – 12 Agosto 1633], compositor pioneiro do estilo recitativo, com origem na Grécia Antiga e que se viria a transformar naquilo a que hoje chamamos ópera, o ‘Lamento de Íole’, com a voz de Montserrat Figueras e o cravo de Ton Koopman.


Héracles, que havia morto o Rei Eurytus e saqueado a cidade de Oechalia com intenção de levar a sua bela filha Iole como noiva, encarregou Filoctetes (então amante de Iole) de comunicar à Princesa a sua decisão de a desposar. Sabendo da relação entre Iole e Filoctetes, Hércules impõe o casamento como forma de poupar a vida ao desgraçado amante. Dejanira decide então ajudar Iole, oferecendo-lhe a túnica ensanguentada do centauro Nesso, trespassado por uma seta envenenadade de Héracles ao tentar violar Dejanira; Agonizante, Nesso dissera a Dejanira que a túnica com o seu sangue tinha poderes mágicos e que se Héracles a usasse,ser-lhe-ia novamente fiel. Porém, a túnica estava impregnada de um terrível veneno e, no dia do casamento, quando Iole oferece a túnica a Héracles, este, ao vesti-la, percebe que o veneno se infiltra no corpo. Desesperado, Héracles lança-se às chamas e sobe ao Monte Olimpo, onde se juntou a Zeus.

‘Silhouettes’, de Klaus Schulze

Foi no centro da explosão da electrónica Krautrock, onde pontificavam nomes como Kraftwerk, Neu! e Can, que surgiu a banda Tangerine Dream, em 1967.
Entre 1969 e 1970, Klaus Schulze, que neste dia 4 Agosto 2019 completa 72 anos, fez parte da formação liderada por Edgar Froese.
Em 1971, com o guitarrista Manuel Göttsching, formou a banda Ash Ra Tempel, colaborou ao longo da década de setenta com os grupo The Cosmic Jokers e Go.
Da carreira a solo de Schulze, que conta com mais de seis dezenas de trabalhos, o álbum “Silhouettes” (2018) tem um tema de que gosto particularmente, o segundo movimento Der lange Blick zurück.

%d bloggers like this: