Arquivo de Outubro, 2011

As “95 teses contra as indulgências” de Martinho Lutero

O gesto faz parte da lenda e, dizem os historiadores, provavelmente nem sequer terá assim acontecido. Mas ficou o símbolo: a 31 de Outubro de 1517, em pleno debate com o delegado do Papa Leão X sobre as indulgências, Martinho Lutero, até então um monge agostinho quase desconhecido, afixa as “95 teses contra as indulgências” à porta da igreja do castelo de Wittenberg.
Provavelmente, o ex-monge, que estava a iniciar, sem o saber, a Reforma Protestante, ter-se-á limitado a redigir as teses nas quais contestava a compra (literal) do perdão dos pecados: os fiéis pagavam uma soma, com ela obtendo o perdão eterno.
O dinheiro recolhido permitia financiar a construção da Basílica de São Pedro, em Roma: o Papa era um Médicis, filho de Lourenço, o Magnífico, que nem sequer era padre quando foi eleito, em 1513. Leão X nomeava cardeais o primo e o sobrinho e estava mais interessado em encarregar Rafael da decoração das Lógicas e da construção da Basílica e em entregar a Miguel Ângelo a construção do túmulo da família do que em preocupar-se com a revolta de um monge alemão.
Para Lutero, só Deus podia perdoar as pessoas e as ‘obras’ que cada um fizesse – leia-se: o que cada um pagasse – não asseguravam a salvação eterna. Com as 95 teses, rapidamente distribuídas por toda a Alemanha, nascia o escândalo. Lutero iniciava a Reforma.
António Marujo, Caderno P2 do Público de 31-10-2011

Lucas Cranach the Elder – Martin Luther as an Augustinian Monk, 1520

Sinais do Tempo

“Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem. Cada um é como é. “
Alberto Caeiro

O dia de hoje foi pintado em tons de cinzento carregado, entrecortado por sorrisos da mãe que já não reconhece o filho e uns vislumbres de sol a lembrar que ainda há uns dias era verão.

Regressado à Lisboa de morada, uma aula pela Professora Maria Calado no GEO e o inesperado reencontro com um antigo vizinho, jornalista de profissão, a quem pedi ajuda para uma Causa também de Lisboa. Da palestra ‘Cultura artística e produção arquitectónica na Lisboa de Ressano Garcia’, grande urbanista que trouxe um pouco do glamour de Paris para Lisboa, sobrou-me uma dúvida: o porquê de o termo ‘gaveto‘ (de que Lisboa tem magníficos exemplares), ter adquirido ao longo do tempo alguma conotação depreciativa. A professora disse-me para consultar pelo menos três dicionários!


Gustave Caillebotte – Dia chuvoso, 1877

Domenico Scarlatti

Giuseppe Domenico Scarlatti, virtuoso compositor do barroco tardio, nasceu em Nápoles neste dia 26 de Outubro, no ano de 1685, vindo e morrer em Madrid em 1757.

Johann Sebastian Bach [1685-1750], George Frideric Handel [1685-1759] e Domenico Scarlatti [1685-1757] foram três personalidades fundamentais do Barroco Tardio que, por coincidência, nasceram no mesmo ano. Em comum, possuem também o facto de terem sido exímios intérpretes e improvisadores, e compositores de génio no domínio da música de tecla, ainda que a produção que destinaram a instrumentos como o órgão, o cravo ou o clavicórdio ocupe lugares bem diversos no seu percurso individual. Se hoje recordamos Scarlatti como um compositor indissociável do repertório para cravo (posteriormente adoptado pelos pianistas), a música de tecla ocupa um lugar relativamente circunscrito na produção de Handel e assume-se como um dos pilares centrais no desenvolvimento de Bach enquanto compositor. […]
[…]Scarlatti, na sua passagem pelo nosso país após ter sido contratado para o cargo de compositor da corte por D. João V em 1719, foi professor de cravo da infanta D. Maria Bárbara, que acompanharia após o casamento desta com o futuro rei espanhol, Fernando VI. Intérprete de grandes recursos, a princesa marcaria profundamente a evolução artística do compositor. A simbiose professor-aluna foi tão estreita que Scarlatti passou o resto da vida ao seu serviço, mantendo igualmente laços com Portugal – a primeira colecção de peças que publicou, os “Essercizi per Gravicembalo”, foi dedicada a D. João V em agradecimento pelo título de cavaleiro da Ordem de Santiago. Esta colecção, editada em Londres em 1739, deu-lhe fama internacional.[…]
Excerto de Bach, Handel e Scarlatti:Três Mestres da Música de Tecla do Barroco,
Cristina Fernandes, em catálogo da 7.ª edição do Festival Terras sem Sombra.

Machina Lirica Duo

Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves continua a oferecer-nos excelentes programas musicais. No passado domingo 22 tivemos a estreia em Portugal da deliciosa cravista francesa Élisabeth Joyé, num recital intimista e sem mácula, com um programa impressionista de pouco mais de uma hora. Tocou peças da escola francesa do século XVIII (posterior aos anos do Rei Sol), nomeadamente François Couperin, François Dagincourt e Jacques Duphly. De registar ainda que Elisabeth Joyé estudou em Amesterdão com Bob van Asperen, Gustav Leonhardt e Jos van Immersel.

Enquanto aguardamos com expectativa as 6 Sonatas em trio BWV 525 a 530o de Johann Sebastian Bach (1685-1750) pelo Ludovice Ensemble a 18 de Novembro, temos já no próximo dia 2 de Novembro às 19:00 o Programa “Iberia” com o Machina Lirica Duo (Monika Streitová, Flauta – Pedro Rodrigues, Guitarra), cujo programa pode ser consultado no site da Antena Dois, que transmitirá ambos os concertos.

CORTEX- II Festival de Curtas-Metragens de Sintra

A segunda edição do Córtex – Festival de Curtas-Metragens de Sintra, acontecimento produzido pela Associação Cultural e Teatral Reflexo, realiza-se  entre 27 e 30 de Outubro no Centro Cultural Olga Cadaval. O Festival tem como principal objectivo estimular os Jovens Realizadores e Produtoras de Cinema!

/ / / Programação / / /

 27 de OutubroUm Dia Longo, de Sérgio Graciano | Desassossego, de Lorenzo Innocenti | Justino, de Carlos Amaral | Infinito, de André Santos, Marco Leão | A Cova, de Luís Alves | O Voo da Papoila, de Nuno Portugal | Viagem a Cabo Verde, de José Miguel Ribeiro

_____________________________________________________

 
28 de Outubro – Carne, de Carlos Conceição | Homenagem a quem não tem onde cair morto, de Patrick Mendes | Conto do Vento, de Cláudio Jordão | Vicky and Sam, de Nuno Rocha | O Tenente, de Rafael Martins | Nocturnos, de Aya Koretsky

_____________________________________________________

 29 de Outubro – Verónica, de António Gonçalves, Ricardo Oliveira | Pickpocket, de Joáo Figueiras | O Universo de Mya, de Miguel Clara Vasconcelos | Lisboa – Província, de Susana Nobre | Os Milionários, de Mário Gajo de Carvalho | Mariana, de Maria João Carvalho | Broken Clouds, de Yuri Alves

_____________________________________________________

30 de Outubro – Competição InternacionalLe frére, de Jullien Darras | Ctin!, de Cyrelle Trevon | Yoni e Tádeo, de Rómeo Martins

_____________________________________________________

Editado em 31 de Outubro. Via.
E os vencedores da segunda edição do Córtex são:
– Prémio para melhor Curta Internacional: “Yoni & Tadeo” de Rómeo de Melo de Martins.
– Prémio para Melhor Curta Nacional votação do público: “Viagem a Cabo Verde” de José Miguel Ribeiro.
– Prémio para Melhor Curta Nacional escolhida pelo júri: “Infinito” de André Santos e Marco Leão.

«1961 – O Ano que Mudou Portugal»

Um livro fundamental para os que nasceram em 1961! 🙂 Poderia fazer-se tal afirmação. Mas 1961 – O Ano que Mudou Portugal é também fundamental para os que viveram esse ano e para aqueles, mais novos, que querem hoje compreender o que representou esse momento irrepetível da história portuguesa. 1961 foi um ano surpreendente por várias razões: o desvio, com fins políticos, do paquete Santa Maria e de um avião da TAP; a oposição das Nações Unidas à política colonial de Salazar e a descoberta de que o governo de John Kennedy financiava os movimentos independentistas do Ultramar; o massacre de brancos em Angola, que deu início a treze anos de guerra que afetaram diretamente mais de um milhão de portugueses. Um ano que terminaria ainda com a invasão de Goa pela União Indiana, que deixou no terreno 3500 prisioneiros. […]Via http://www.clubedoslivros.org

1961 foi um ano estranho na História de Portugal. Decisivo também, pois originou o fim de quinhentos anos de império ultramarino. Radical ainda, porque a orientação política isolou o país a nível internacional, enquanto a maioria do povo português apoiava Salazar nas decisões contrárias ao que sopravam os ventos da contemporaneidade.
Foi um ano inaugurado com um protesto inédito realizado por um ex-homem de mão do regime, Henrique Galvão, que desviou o Paquete Santa Maria, e encerrado com uma rebelião liderada por outro ex-homem de confiança do regime, Humberto Delgado. Pelo meio, um general de topo da hierarquia militar encontra-se com o embaixador dos Estados Unidos em Lisboa para debaterem o modo de derrubar o presidente do Conselho do primeiro e, no dia seguinte à intentona falhada, o próprio Salazar cunha a frase «Para Angola e em força».
O que apegava de modo tão forte Salazar ao poder? Que sentimentos inspirava nos oito milhões de cidadãos sobre os quais reinava? Como contrariava o desenvolvimento do país de modo a fazer com que, a partir deste ano, mais de um milhão de portugueses emigrasse? De que modo planeava as actividades da polícia política na repressão aos que se lhe opunham? O que fez para que a Índia não recuperasse os três enclaves que Portugal aí mantinha? Porque foi obrigado a abrir o caminho ao envio de mais de um milhão de jovens para a guerra de África, sem aceitar negociar soluções económicas ou políticas que salvassem o último grande império do planeta? Como suportou um diferendo perigoso com as Nações Unidas, os Estados Unidos e a União Soviética?
São respostas a estas perguntas que se vão encontrar numa viagem ao quotidiano de um ano que mudou Portugal para sempre e que moldou todo o pensamento e a realidade social que ficou até aos dias de hoje.
Este olhar aconteceu através da leitura de três jornais da época, que refectem igual número de visões sobre a realidade nacional. Os primeiros quatro meses são observados no noticiário do Diário de Notícias; de Maio a Agosto no do Diário de Lisboa e, nos últimos quatro meses de 1961, no do jornal República. Via http://www.portoeditora.pt/
Sobre autor:
Depois de cinco retratos biográficos sobre escritores portugueses – Uma Longa Viagem com Álvaro Cunhal (2005), Uma Longa Viagem com Miguel Torga (2007), Uma Longa Viagem com José Saramago, Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes (2009) e Uma Longa Viagem com Manuel Alegre (2010) – o autor decidiu agora viajar no tempo e dar-nos um retrato dos 365 dias que decidiram o fim do Império Português.
João Céu e Silva nasceu em Alpiarça, em 1959, licenciou-se em História durante os anos em que viveu no Rio de Janeiro e é, desde 1989, jornalista do Diário de Notícias. Publicou também um livro de viagens (Caravela Tropical) e um romance (28 Dias em Agosto).
Título: 1961 – O Ano que Mudou Portugal
Autor: João Céu e Silva
Editora: Porto Editora, 2011

Musica Aeterna – 750 anos do nascimento de D. Dinis

Nove dias andados do mês de Outubro de 1261: os 750 anos do nascimento de D. Dinis, o qual, para além de admirado pela perfeição técnica e pela imaginação literária, ficou para a História como o grande responsável por um longo período de paz e de prosperidade tardo-medieval. A transmissão de poesia alusiva de Luís de Camões, Dante Alighieri e Fernando Pessoa, de uma citação de Franco Sacchettie de repertório de Afonso X, “o Sábio”, Frei Manuel Cardoso, Arnaut Daniel, Duarte Lobo, Martin Codax e autores anónimos da província de Aragão, quase todos contemporâneos do também incluído monarca na Ibéria e na Península Itálica dos séculos XIII e XIV. João Chambers.
8 de Outubro de 2011 | 14:00 – 16:00 | Antena 2.
%d bloggers like this: