Archive for the ‘ sociedade ’ Category

«1961 – O Ano que Mudou Portugal»

Um livro fundamental para os que nasceram em 1961! 🙂 Poderia fazer-se tal afirmação. Mas 1961 – O Ano que Mudou Portugal é também fundamental para os que viveram esse ano e para aqueles, mais novos, que querem hoje compreender o que representou esse momento irrepetível da história portuguesa. 1961 foi um ano surpreendente por várias razões: o desvio, com fins políticos, do paquete Santa Maria e de um avião da TAP; a oposição das Nações Unidas à política colonial de Salazar e a descoberta de que o governo de John Kennedy financiava os movimentos independentistas do Ultramar; o massacre de brancos em Angola, que deu início a treze anos de guerra que afetaram diretamente mais de um milhão de portugueses. Um ano que terminaria ainda com a invasão de Goa pela União Indiana, que deixou no terreno 3500 prisioneiros. […]Via http://www.clubedoslivros.org

1961 foi um ano estranho na História de Portugal. Decisivo também, pois originou o fim de quinhentos anos de império ultramarino. Radical ainda, porque a orientação política isolou o país a nível internacional, enquanto a maioria do povo português apoiava Salazar nas decisões contrárias ao que sopravam os ventos da contemporaneidade.
Foi um ano inaugurado com um protesto inédito realizado por um ex-homem de mão do regime, Henrique Galvão, que desviou o Paquete Santa Maria, e encerrado com uma rebelião liderada por outro ex-homem de confiança do regime, Humberto Delgado. Pelo meio, um general de topo da hierarquia militar encontra-se com o embaixador dos Estados Unidos em Lisboa para debaterem o modo de derrubar o presidente do Conselho do primeiro e, no dia seguinte à intentona falhada, o próprio Salazar cunha a frase «Para Angola e em força».
O que apegava de modo tão forte Salazar ao poder? Que sentimentos inspirava nos oito milhões de cidadãos sobre os quais reinava? Como contrariava o desenvolvimento do país de modo a fazer com que, a partir deste ano, mais de um milhão de portugueses emigrasse? De que modo planeava as actividades da polícia política na repressão aos que se lhe opunham? O que fez para que a Índia não recuperasse os três enclaves que Portugal aí mantinha? Porque foi obrigado a abrir o caminho ao envio de mais de um milhão de jovens para a guerra de África, sem aceitar negociar soluções económicas ou políticas que salvassem o último grande império do planeta? Como suportou um diferendo perigoso com as Nações Unidas, os Estados Unidos e a União Soviética?
São respostas a estas perguntas que se vão encontrar numa viagem ao quotidiano de um ano que mudou Portugal para sempre e que moldou todo o pensamento e a realidade social que ficou até aos dias de hoje.
Este olhar aconteceu através da leitura de três jornais da época, que refectem igual número de visões sobre a realidade nacional. Os primeiros quatro meses são observados no noticiário do Diário de Notícias; de Maio a Agosto no do Diário de Lisboa e, nos últimos quatro meses de 1961, no do jornal República. Via http://www.portoeditora.pt/
Sobre autor:
Depois de cinco retratos biográficos sobre escritores portugueses – Uma Longa Viagem com Álvaro Cunhal (2005), Uma Longa Viagem com Miguel Torga (2007), Uma Longa Viagem com José Saramago, Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes (2009) e Uma Longa Viagem com Manuel Alegre (2010) – o autor decidiu agora viajar no tempo e dar-nos um retrato dos 365 dias que decidiram o fim do Império Português.
João Céu e Silva nasceu em Alpiarça, em 1959, licenciou-se em História durante os anos em que viveu no Rio de Janeiro e é, desde 1989, jornalista do Diário de Notícias. Publicou também um livro de viagens (Caravela Tropical) e um romance (28 Dias em Agosto).
Título: 1961 – O Ano que Mudou Portugal
Autor: João Céu e Silva
Editora: Porto Editora, 2011

Inseminação Artificial ou Adopção?

O Tema do DN de ontem é sintomático da ineficácia dos nossos legisladores:
No momento de registar o filho, Joana dirá que não se recorda do momento em que engravidou, não sabe ou que estava embriagada!
O ministério Público abrirá um inquérito, Joana pasará por devassa, a criança será registada em nome da mãe e o processo será arquivado.

Se deseja ter um filho, deverá ser obrigada a recorrer à adopção?

Isto acontece em Portugal, devido ao vazio legal existente sobre a matéria. Joana não tem possibilidade de escolha e vê-se empurrada para uma clínica em Barcelona, onde ninguém lhe pergunta se é casada ou onde vive..
Por outro lado, se Joana integrasse um projecto parental, a questão não se colocaria nestes termos.
Sendo solteira, ou lésbica, é eticamente aceitável que queira ter um filho?
Pode – e deve discutir-se a questão, mas o primado da vontade individual deve prevalecer. Isto para mim é um valor absoluto!
A ausência de legislação – e mais importante, a discussão sobre a matéria, resulta no paradoxo de Joana poder deslocar-se a um dos vários países europeus que permitem este tipo de fertilização.
Seria desejável que o dador fosse anónimo – parece-me a perspectiva mais coerente, que a produção de embriões fosse em número estritamente necessário à fertilização e em igual número para investigação.

INICIATIVA COMPROMISSO PORTUGAL

Dizem que acreditam que é possível transformar o país em dez anos, aproximar a nosso nível e qualidade de vida da média europeia…

Se inicitivas da sociedade civil como esta não conseguirem ser catalizadoras da tal revolução que precisamos, então, nem daqui a 50 anos lá estaremos.

Compromisso Portugal, dia 10 de Fevereiro de 2004, Convento do Beato, 9:30

I – A OPORTUNIDADE

Agora que uma nova geração de políticos chega ao poder, é também importante que uma nova geração de empresários, gestores e académicos da área económica assuma as suas responsabilidades e dê o seu contributo e apoio à concretização das medidas necessárias para promover um novo modelo económico que retire Portugal da cauda da Europa.

Diversas iniciativas e medidas têm sido lançadas em termos da criação dum novo modelo económico que seja instrumental e decisivo para a melhoria do nível e da qualidade de vida dos nossos cidadãos.

A grave situação económica actual e as deficiências estruturais da nossa economia exigem crescentemente medidas profundas, determinadas, bem geridas e coordenadas entre si.

É necessário aprofundar as reformas e concretizá-las no terreno, sem o que a maior parte dos benefícios não serão materializados. Tal exigirá uma grande mobilização de competências e recursos humanos, nomeadamente a nível governamental, do Estado e da Sociedade Civil.

O resultado prático das reformas que já foram iniciadas ainda só parcialmente se sentiu, mantendo-se a despesa pública a um nível elevado, sendo cada vez mais premente concretizar a renovação e reestruturação do Estado e a identificação das actividades que este deverá deixar de exercer directamente, melhorando ao mesmo tempo a qualidade dos serviços públicos.

O Estado e as políticas governamentais devem promover um enquadramento estimulante e saudável para as actividades empresariais que permita incrementar e consolidar investimentos de qualidade em Portugal.

Também não devemos iludir as responsabilidades dos nossos gestores e empresários melhorando drasticamente as capacidades e o nível da gestão das nossas empresas. Tal passa desde logo pela interiorização e aceitação das regras da concorrência e implica uma maior visão estratégica, uma maior orientação para o cliente, competências nas áreas de gestão de projectos e processos, investimento e aproveitamento das novas tecnologias, desenvolvimento e motivação dos colaboradores, etc.

O papel das empresas, gestores e agentes económicos em geral não é o de solicitar qualquer proteccionismo ou favorecimento ao Governo e ao Estado, mas antes pressionar para que as condições de enquadramento sejam positivamente alteradas e que os incentivos certos existam em benefício dos investidores, da iniciativa privada, das empresas, dos trabalhadores e da Sociedade em geral.

É desejável que se estabeleça um consenso mínimo sobre o novo modelo económico que mereça o apoio duma parte relevante das forças empresariais, dos trabalhadores, do aparelho do Estado e das principais entidades políticas e sociais.

A iniciativa COMPROMISSO PORTUGAL pretende discutir o novo modelo Económico e de Desenvolvimento para o nosso país e em particular a sua concretização, por forma a contribuir para o estabelecimento dum consenso mínimo sobre o que pretendemos alcançar e o surgimento duma vaga de fundo na nossa Sociedade que leve à realização das mudanças necessárias.

%d bloggers like this: