Arquivo de Agosto, 2009

Sketches of Spain – 50th Anniversary

HE CAN READ MY MIND AND I CAN READ HIS – Miles Davis sobre Gil Evans

Sketches of Spain was the third collaboration (after Miles Ahead, 1957, and Porgy and Bess, 1958) between Miles Davis and Gil Evans for Columbia Records, and reunited the charismatic trumpeter with Gil Evans (1912-1988) following the 1959 recording of Kind of Blue. It is in these late ’50s recordings that Miles Davis (1926-1991) emerged as one of the supreme lyric-expressive players in jazz, representing as well a high point in his career and the culmination—at least temporarily—of a decade-long artistic/stylistic journey.

The centerpiece of the five tracks that comprised the original 1960 LP release of Sketches of Spain is “Concierto de Aranjuez,” originally written for guitar and orchestra by Joaquin Rodrigo in 1939. A masterpiece of its kind, it seemed tailor-made for Gil’s and Miles’s purposes, and provided their inspiration for the album’s all-Spanish/Andalusian flamenco theme. What attracted both men to this rather melancholy music, filled with a sense of longing and loneliness, was its intrinsic kinship with the blues. Both idioms flow from the same emotional bloodlines, as expressions of resistance to oppression and inhumanity. In this context, Miles was able to further discover his own distinctive voice and sound, and Evans was the one arranger/composer who could provide him with the appropriate complimentary orchestral settings that would accommodate Miles’s unique talents. The rest is history.

This historic edition presents the original album augmented by alternate and extra tracks, illustrating how this synergy developed. “The Maids of Cádiz” (from the 1957 album Miles Ahead) is the first example of Gil Evans adapting a composition of Spanish origin for an orchestral collaboration with Miles. The live performance of “Concierto de Aranjuez,” the only such ever given, took place in Carnegie Hall in 1961, offering a rare, heightened performance of this centerpiece. “Teo,” (from the 1961 album Someday My Prince Will Come) a small group piece dedicated to Producer Teo Macero, is simpatico with “Solea”—the other jewel from the original album, with its orchestral palette that is, in a word, sublime.

Anúncios

Museu e Vale do Côa

Os políticos (ver artigos mais baixo) brindam-nos com conversas redondas:  Pinto Ribeiro tira coelhos da cartola sem explicar como faz o truque, o que é normal num ilusionista; Carrilho brinca ao toque e foge, quando em tempo útil teve os meios e o tempo necessário para evitar que o Parque fosse votado ao abandono, como agora refere. Resta-me o conforto de saber que no próximo fim-de-semana vou disfrutar daquelas montanhas e, se conseguir, ver como ficou o Museu 🙂

Vídeo com imagens das obras do Museu, Julho de 2008

Vila Nova de Foz Côa, Guarda, 29 Ago (Lusa) – O ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, desafiou sexta-feira à noite, à chegada a Foz Côa, os municípios do Vale do Côa a criarem uma sociedade anónima juntamente com ministérios para gestão do Museu e Vale do Côa.
O modelo que gostaria que fosse aplicado é um modelo que envolvesse todos os municípios do Vale do Côa“, disse Pinto Ribeiro, que falava na sessão de boas-vindas no salão nobre da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa e à Agência Lusa.
O governante defendeu que todos os 10 municípios que compõem a Associação de Municípios do Vale do Côa “fizessem provavelmente uma sociedade anónima com um terço, onde outros 33 por cento sejam do Ministério do Ambiente e outros 33 por cento do Ministério da Cultura, formando três parceiros com uma gestão que seja feita sobretudo a partir daqui“.
José António Pinto Ribeiro considerou até a possibilidade da incluir na sociedade anónima o Ministério da Economia e do Turismo, encontrando assim uma solução de “30 por cento para os municípios, 30 por cento para o Ministério da Cultura e 20 para o Ministério do Ambiente e outros 20 para o Ministério da Economia e do Turismo“.
Isto é, vamos encontrar uma solução em que estejam envolvidas todas as entidades que podem dar o apoio a este movimento, mas que ao mesmo tempo estejam as pessoas que garantam que esta sociedade seja, de facto, um instrumento e um motor de construção e discurso de identidade e uma solução para que as pessoas que daqui saíram possam voltar“, salientou.
O ministro da cultura acredita que é possível partir desse ponto “para depois fazer uma rede ainda maior com o Museu do Douro, com Zamora, Valadolid e com outras entidades que possam sustentar esse crescimento“.
Segundo José António Pinto Ribeiro, vai ser definido um prazo de seis meses para se constituir uma sociedade de gestão do Museu e do Vale do Côa e dotá-la com os capitais necessários, pelo que está convencido que, “se isso puder ser feito“, a região do Vale do Côa conseguirá “resolver sistematicamente os seus problemas“.
Pinto Ribeiro chegou já ao romper da noite a Vila Nova de Foz Côa com “grande curiosidade“, sobretudo “para ver“, porque quando chegou ao ministério “a primeira reunião de trabalho e serviço foi acerca do atraso das obras do Museu do Côa“.
Isto é vosso“, frisou, e “se não for feito por vocês e apropriado pelas pessoas daqui não será nada“, sublinhou.
Uma das coisas que vim fazer foi ouvir localmente o meu aluno – Emílio Mesquita, presidente da autarquia de Vila Nova de Foz Côa -, que um dia foi a Lisboa pedir-me para prestar mais atenção a este território“, acrescentou, recordando sempre ouvir dizer que neste território «são nove meses de Inverno e três de Inferno». Via.

Vista do Côa, a partir da Foz. O museu está situado do lado direito da encosta, por cima do meu Portal

Manuel Maria Carrilho, o ex-ministro da Cultura que lançou o projecto do Parque do Côa e a sua bem-sucedida candidatura a Património Mundial, mostra-se perplexo com as medidas que o seu sucessor ontem anunciou. “O momento parece-me impróprio, atendendo ao contexto quase eleitoral em que estamos, os objectivos são insólitos, à luz das exigências de protecção de um património mundial, e toda essa conversa das percentagens parece-me também um bocado obscura”, afirmou Carrilho. O actual embaixador de Portugal na UNESCO recorda ainda que “o Estado português assumiu compromissos muito claros em relação ao raríssimo e valiosíssimo património paleolítico do Côa” e sublinha que a maior parte dos sítios que hoje correm riscos de desclassificação o devem, justamente, a questões relacionadas com os respectivos modelos de gestão.
Carrilho reconhece que o Côa tem “problemas evidentes”, mas assaca-os ao “abandono a que o projecto foi votado a partir de 2001”, lembrando que “o parque tem hoje metade dos guias de que dispunha nessa data, quando o que estava previsto era ter o quádruplo”, e que a sua frota de jipes nunca foi renovada. “É isso que deve ser alterado”, diz, “mas sem que o Estado se demita de responsabilidades que em exclusivo lhe cabem”. Via.

Europa dos Remediados

headerleague-europe1

Um duriense superior

Proponho um brinde com um vinho nascido na zona de Almendra, onde o Francisco perdeu a vida num estúpido acidente há 30 anos. Tenho saudades do Francisco e estou certo que hoje celebraríamos com alegria a bonita idade de 80 anos do Francisco com este Quinta da Leda que, imagino, seria o seu eleito. Claro que discutiríamos os porquês de o Callabriga ser o meu preferido, entre outras minudências como a próxima abertura do Museu do Côa. Parabéns, Pai!

Quinta da Leda
Na região Este do Douro, situa-se a Quinta da Leda, a jóia mais recente da Ferreira. Com ela, nasce no inóspito Douro Superior uma nova dimensão para os vinhos do Douro. Com ela, a Casa Ferreirinha faz jus ao nome e recria-se em vinhos de grande complexidade e estrutura, portentosos mas plenos de frescura e vigor. Aqui, onde o Douro se renova, confirma-se a excelência dos vinhos que criam o mítico Barca Velha e juntam-se-lhe novos valores como os recentes Quinta da Leda e Callabriga.
A Quinta da Leda configura todo um novo desafio enológico para a região, possuindo os mais modernos sistemas de plantação e vinificação do Douro
Os seus 85 ha de vinha estão separados por castas sendo que as plantações mais recentes de Touriga Nacional estão mesmo plantadas por clones.

Galileu na China

Foi a 25 de Agosto de 1609. Há precisamente 400 anos, Galileu Galilei apresentava o seu telescópio ao dodge e aos outros elementos das esferas mais poderosas da cidade de Veneza.

Aproveitando a efeméride, aqui ficam os apontamentos recolhidos na aula do Professor Henrique Leitão, no Museu do Oriente.

Em Setembro de 1608, o holandês Hans Lipperhey anuncia um artefacto revolucionário em forma de tubo, que combinava um par de lentes gémeas e permitia ver com nitidez pessoas e coisas situadas a várias centenas de metros de distância e que, por isso, teria grande utilidade para fins militares; Duas semanas mais tarde, outros dois holandeses, Jacob Metius e Zacharias Janssen, apresentaram objectos semelhantes.
As notícias chegaram a Galileu que, engenhoso como era, se documentou devidamente e não se limitou a copiar, fez muito melhor. Galileu passou os três anos seguintes a efectuar observações telescópicas, período em que escreveu Sidereus Nuncius (1610).

Ptolomeu estava errado!
” A Lua é uma pedra! Nós até aqui não sabíamos nada! Júpiter tem satélites! Saturno não é nada redondo! Vénus anda à volta do Sol!

Galileu em Portugal
Importa recuar algumas décadas para perceber a importância da Rede Administrativa da Companhia de Jesus enquanto veículo de transmissão do conhecimento científico da época, nomeadamente na divulgação das descobertas de Galileu entre os Chineses. Os jesuítas portugueses eram em número muito inferior em relação aos outros jesuítas europeus, mas tinham de missionar áreas muito mais vastas, como o Brasil.

No Colégio de Santo Antão (1553), onde é hoje o Hospital de São José, era leccionada a famosa Aula da Esfera, onde se revia aprofundadamente a cosmologia da época. Ora, os professores jesuítas, em contacto constante com o Colégio Romano e os centros científicos da época, não podiam deixar de estar a par das grandes polémicas cosmológicas da altura. Devido à situação de Lisboa no trânsito de missionários, alguns dos mais competentes professores do Colégio Romano, tais como Christopher Grienberger, vieram por algum tempo para Portugal, com o objectivo de ensinar no Colégio de Santo Antão.

Para se ter um ideia da importância da instituição na época em Portugal, note-se que em 1759 havia 20 mil alunos jesuítas, o que, depois de Pombal, só voltou a verificar-se cerca de 150 anos mais tarde; Em Coimbra, não havia professores de matemática capazes, enquanto que o Colégio acolhia dos melhores professores estrangeiros.

A missionar na Índia, o Padre Giovanni Antonio Rubino, que partira de Lisboa para Macau em 1602, dizia em Novembro de 1612 sobre os famosos telescópios:

“Mandem-me as instruções, que aqui arranjarei quem os produza!”

Galileu na China (1609-1618) – Tribunal das Matemáticas conta com a presença de jesuítas com treino avançado:

O grande objectivo das missões dos jesuítas era a evangelização da China, iniciada por Matteo Ricci (1552-1610), um italiano de famílias nobres que tinha partido para o Oriente em 1578, equipado de uma vasta cultura científica. Ricci percebera o grande interesse chinês pelos conhecimentos científicos que os ocidentais possuíam e foi o primeiro europeu a conseguir conquistar a confiança de altos dignitários do Império do Meio. Na sua esteira, os missionários jesuítas, muitos dos quais portugueses, conseguiram pouco a pouco ter uma posição influente em Pequim, chegando a presidir ao Tribunal das Matemáticas, que era um conselho imperial para matérias científicas, nomeadamente para a organização do calendário, para a previsão de eclipses e para a observação astronómica. Na sua correspondência com o Vaticano, Ricci e os seus companheiros insistiam frequentemente na importância da ciência.
«Enviem-nos matemáticos!», pedia Ricci, «enviem-nos livros!»

Manuel Dias – Pequim, 1614: As primeiras notícias sobre Saturno, contadas na China por um português, abriram uma notável discussão sobre astronomia.

O padre Manuel Dias publicou na China o «Tien wen lueh», descrevendo já as observações astronómicas que Galileu tinha feito em 1609 e 1610. Numa altura em que as cartas de Pequim para Roma chegavam a demorar oito anos a chegar ao destino, quatro anos bastaram, mesmo com os longos meses da carreira da Índia, somados à paragem em Goa e aos meses da viagem até Macau, para que a Companhia de Jesus tivesse feito chegar ao Oriente as mais recentes e mais polémicas observações científicas da época.

Giovanni Paolo Lembo (1570?-1618), que ensinou no Colégio de Santo Antão a Aula da Esfera entre 1615 e 1617, promoveu a discussão das observações das Fases de Vénus, no sentido de provar que Vénus girava em torno do Sol.
G. P. Lembo tinha construído em 1610 os telescópios do Colégio Romano e tinha subscrito o célebre parecer de quatro matemáticos de 1611, documento que tinha confirmado às autoridades eclesiásticas a justeza das observações de Galileu.
Deixou-nos instruções sobre como se construir um telescópio, ou longemira, como se designava na época.
Enquanto que no resto da Europa a comunidade científica pouco ênfase ia dando ao assunto, na China e no Japão o telescópio acolhia grande entusiasmo.
Em 1759, os Jesuítas foram expulsos de Portugal…

COMPROMISSO SANTA ISABEL

O COMPROMISSO SANTA ISABEL 2009 – (CSI) tem como objectivo promover as ideias da candidatura independente de cidadãos eleitores à Assembleia de Freguesia de Santa Isabel – Lisboa, nas próximas eleições autárquicas, que irão realizar-se no dia 11 de Outubro de 2009.

Colocamos os interesses de Santa Isabel em primeiro lugar
Não nos candidatamos em representação de interesses partidários, económicos ou de qualquer outra natureza. Apenas e tão só, para trabalhar em prol da Freguesia e dos seus fregueses.

Dia Mundial da Fotografia

Fundació Joan Miró, Barcelona

Anúncios
%d bloggers like this: