Posts Tagged ‘ Eleições 2009 ’

A partir de Segunda-Feira…

  • Como é com o Campo das Cebolas? Há concurso público? Há estacionamento subterrâneo?
  • Os edifícios classificados IIP e/ou inventariados no PDM passam a ser preservados de facto e o seu esventramento impedido?
  • Avançam ou não avançam as obras de reabilitação do Capitólio?
  • Acaba-se o esventramento de Monsanto e o rumo passa a ser o aumento da zona verde?
  • E o clube de tiro, sai ou não sai?
  • Os edifícios classificados IIP e/ou inventariados no PDM passam a ser preservados de facto e o seu esventramento impedido?
  • A CML vai, finalmente, impor-se ao Metro e à Carris, ou tudo vai continuar como sempre foi?
  • Contentores vs. cruzeiros, quem fica com Alcântara?
  • Uma nova Feira Popular é para valer ou para esquecer de vez?
  • Vai haver mais zonas da cidade com trânsito condicionado, ou retrocede-se, abrindo as cancelas e fazendo vista grossa?
  • Vai haver coragem para restringir o trânsito a montante da Baixa?
  • Vai haver um plano integrado de recuperação dos logradouros públicos, sem ser com vista a estacionamento automóvel?
  • Vai-se falar menos do Plano Verde e mais do PDM e da necessidade de rever este “em alta” e não “em baixa”?
  • Lisboa vai ficar a saber o que de facto vai ser feito na Boa Hora, na Penitenciária e nos ex-Hospitais Civis de Lisboa?
  • A CML vai ter de facto uma Política Cultural?
  • Vai-se continuar no equívoco de que para cada lisboeta tem que haver um lugar de estacionamento?
  • Os projectos arquitectónicos vão estar disponíveis para consulta pública antes de serem votados em reunião de CML?
  • Vai haver respeito pelo mobiliário urbano de época (candeeiros, bancos, chafarizes)?
  • A CML inicia ou não o resgate do Odéon para os lisboetas?
  • Vai haver túneis na Duque de Loulé? E no Saldanha?
  • Haverá alguém que se lembre, finalmente, que a Linha de Cintura é, já de si, a melhor rede possível de metro de superfície?
  • O Largo do Rato irá finalmente ser reformulado, estética e funcionalmente?
  • O eléctrico 24 irá ser finalmente reaberto, circulando do Cais do Sodré às Amoreiras, com extensão ao Carmo?
  • O Campo Grande vai ou não vai ser intervencionado, de cima a baixo?
  • Alguém fará um quadro comparativo dos custos de oportunidade de IPO na Praça de Espanha vs. IPO em Chelas?
  • Será tornada pública a análise custo/benefício de uma TTT em ponte e em túnel?
  • O Intendente deixará de ser uma das chagas de Lisboa?
  • Haverá mais força para se finalizar o Palácio da Ajuda?
  • Vão mudar os arquitectos do regime?
  • As Zonas 30 vão fazer parte do dia-a-dia da maior parte dos bairros, ou não se vai passar de experiências-piloto?
  • A Rua de São José vai ser intervencionada ou não?
  • Alguém consegue fazer ver à Frente Tejo que os 2 degraus do Terreiro do Paço ainda são demais?
  • Alguém consegue fazer ver à Frente Tejo que as “cartas de marear” nos passeios laterais serão um elemento espúreo?
  • Será que a CML vai, finalmente, corrigir o poço de ventilação no Rossio e apresentar a factura ao Metro?
  • Quantas mais suspensões ao PDM vão ser efectuadas?
  • Será possível conhecer quem são os donos da esmagadora maioria dos prédios abandonados e dos terrenos expectantes em Lisboa?
  • Lisboa vai ter as esplanadas disciplinadas, os “mupis” corrigidos e a calçada portuguesa arranjada?
  • Vai ser tornado público o cronograma de intervenções no Nó de Alcântara?
  • Vai haver bom senso na questão dos Coches?
  • A CML vai decidir o que fazer às piscinas municipais de Areeiro, Campo Grande e Olivais, cujos concursos ficaram desertos?

Twittes coligidos @cidadanialx

Anúncios

Por uma Junta de Freguesia ao serviço das pessoas

Devo confessar que a visita ao Edifício da Junta de Santa Isabel foi, para mim, foi uma revelação!
Não tenho experiência destas coisas, tão só alguma sensibilidade enquanto cidadão interessado com o que de bom e menos bom acontece com o meu semelhante.
O edifício é extraordinário. Não conheço a história porque nunca morei em Santa Isabel, mas o edifício é enorme.
Em potencial de utilização e de problemas para resolver.
Tenho muita dificuldade em entender como foi possível ter chegado a um tão deplorável estado de degradação. A incúria de quem tido responsabilidades na Junta ao longo dos anos deve ser penalizada.
Não faz qualquer espécie de sentido outra coisa que não seja o atendimento no rés-do-chão. Obrigar os utentes a subir dois andares de um edifício antigo é desumano (o elevador, segundo fui informado, funciona mal).

Ainda no rés-do-chão:
– na esquina do edifício há um espaço magnífico (mas vazio) que inclui uma mezzanine e que faz todo o sentido ser uitilizado pelos jovens, quer da freguesia, quer das escolas, pois existem recursos humanos para o dinamizar.
– entrámos no Centro de Dia em plena hora de almoço. Vê-se que os idosos se sentem bem e que convivem. Serve almoços e lanches e presta algum apoio domiciliário, mas tem debilidades: a cozinha, asseada, tem poucos recursos, as funcionárias têm deficientes condições de trabalho e das casas de banho só uma funciona. Faltam valências como espaços de lazer e convívio.

Junta de Freguesia de Santa Isabel, Lisboa - Painel de Azulejo

No primeiro andar, o único espaço ocupado está bem cuidado  e é composto por 3 salas bem organizadas mas um delas é o salão nobre.
Não faz sentido, mas do meu ponto de vista não é a primeira prioridade desalojar a CPJR (Comissão de Protecção de Jovens em Risco)
O resto do interior do primeiro piso é inenarrável – salas abandonadas (pelo Grémio), cheias de entulho. Dói só de imaginar a quantidade de serviços de apoio ao freguês que podem ser potenciados neste edifício onde, pura e simplesmente, vemos salas e salas vazias.
Na parte traseira existe um páteo com potencial, um armazém onde já funcionou o ginásio e que tem potencial para actividades e um anexo onde um colaborador muito interessado promove algumas actividades para crianças até aos 12 anos. O anexo tem fracas condições e um acesso com algum risco para os miudos.

No segundo piso estão a sala de atendimento e a dos 3 funcionários, com boas condições. A sala do Executivo e do Presidente são contíguas. As restantes salas estão vazias e sujas. Não se compreende!

O terceiro piso tem duas salas de arquivo, uma sala com uma “biblioteca” começada, uma sala com sapatos velhos, roupas velhas empilhadas no corredor, uma sala de estudo para miudos que mais parece a sala de castigo e mais uma sala para música.
As restantes, “ao contrário” das do segundo piso, estão sujas e vazias.

Em resumo:
Do enorme edifício teremos, no máximo, uma taxa de ocupação de 25%.
Imaginar o potencial desperdiçado é criminoso!
É fundamental criar uma equipa pluridisciplinar para explorar todo o potencial do edifício e criar condições para fazer deste edifício um espaço verdadeiramente ao serviço da população.

Palacete do Visconde Ferreira de Lima - segunda metade do século XIX

Acesso – Rua Saraiva de Carvalho, n.º 4 – 10; Rua de São Joaquim

Protecção – Incluído, parcialmente, na Zona de Protecção do Antigo Liceu de Pedro Nunes (v. PT031106300502)
Enquadramento – Urbano, rematando quarteirão (definido pela Rua Saraiva de Carvalho e Rua de São Joaquim) correspondendo a um alargamento de uma artéria principal do bairro. Na proximidade da Igreja de Santa Isabel (v. PT031106300652) e em posição fronteira do Palácio do Barão de Linhó (v. PT031106300653)
Descrição – Planta rectangular, massa simples paralelepipédica, cobertura efectuada por telhado a 3 águas, e por janelas trapeiras, do lado SO.. De 4 pisos (um deles ao nível da cobertura), o edifício exibe alçados mais visíveis integralmente revestidos a azulejo policromo de padrão de fabrico industrial (alçado principal e lateral NO.) e os alçados lateral SE. e posterior, em reboco pintado, com cunhais de cantaria. Marcado pela abertura de vãos com emolduramento simples de cantaria, a ritmo regular, alçado principal a SO., com piso térreo rasgado pela abertura de 2 portais, sensivelmente a eixo (e um outro no extremo O.) e janelas de peito de verga curva. Separado por friso de cantaria, o andar nobre diferencia-se pela morfologia dos vãos, aqui definidos por janelas de sacada de verga recta (servidas por varandins com base em cantaria e guarda metálica em ferro fundido) intercaladas com 2 janelas rectangulares de peito. O último andar é assinalado por janelas de peito, também observadas no alçado lateral NO.(com embasamento reforçado por contraforte). O edífício é superiormente rematado por cornija, acima da qual se eleva platibanda em muro (interrompida ao nível do alçado principal por 2 trapeiras). O alçado posterior, articula com terraço de planta rectangular, podendo reconhecer-se parte do antigo terraço, composto por zona delimitada por muro revestido a azulejo oitocentista de padrão, com conversadeiras, disposta contiguamente ao referido alçado *1. Com acesso principal coincidente com o portal mais a E., no INTERIOR reconhecem-se como principais elementos de distribuição e organização da compartimentação interna *2, vestíbulo de planta rectangular articulado, por meio de arco de volta perfeita em cantaria, com caixa de escada, que integra escadaria conducente aos pisos superiores.Ao nível do 3º andar, no extremo No. regista-se escada de serviço articulada com clarabóia, que assegura o acesso aos compartimentos localizados ao nível da cobertura. Do conjunto destaca-se a caixa da escada, com clarabóia, cujos muros se apresentam animados por pintura decorativa em trompe l’oeil e de marmoreados. Nos 2 pisos superiores, articulados por meio de escadaria de lanços rectos opostos com patamares intermédios e guarda metálica, merecem atenção os compartimentos orientados para o alçado principal e alçado lateral NO., pelas decorações dos tectos – ora pintados ora com estuques de baixo relevo.
Cronologia – Séc. 19, 2ª metade – contrução do edifício, destinado a residência de José António Ferreira de Lima (1808 – 1883), 1º visconde de Ferreira de Lima desde 1880, e de sua esposa, D. Amélia Augusta de Campos; 1883 – por falecimento do 1º visconde, o imóvel passa para a posse de seu filho primogénito e herdeiro, Francisco de Campos Ferreira de Lima (1860 – 1946), 2º visconde; 1946 – por falecimento do 2º visconde, o palacete torna-se propriedade de seu filho e herdeiro, José de Amorim Ferreira Lima (1893 – 1967?), 3º visconde; 1966 – por doença do proprietário é instalado um ascensor no interior do edifício; década de 80 – funciona no edifício o Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique; década de 90 – instala-se no imóvel a Junta de Freguesia de Santa Isabel.
Tipologia – Arquitectura civil, romântica. Palacete urbano oitocentista burguês, definido por massa compacta paralelepipédica, com 4 pisos (um deles ao nível da cobertura). O palacete constitui-se como paradigma do típico palacete urbano oitocentista burguês, cuja tipologia concilia soluções ainda características do palácio setecentista, com outras dos prédios de rendimento, entretanto em expansão e específicos do século 19.
Características Particulares – Esta edificação resulta da conjugação de elementos característicos do palácio setecentista – especialmente no que respeita à presença de uma escadaria enquantoprincipal elemento plástico, decorativo e gerador da distribuição interna, ou de cocheiras ao nível do piso térreo *3 – com outras dos prédios de rendimento – observáveis ao nível da organização dos alçados (que exibem revestimento a azulejo policromo de produção industria ) e do interior que, dado o desenvolvimento do edifício sobretudo no sentido vertical, obriga à distribuição dos principais compartimentos pelo 1º e 2º andar, diferenciados por um tratamento mais elaborado dos tectos, com recurso ora à pintura decorativa ora a estuques de baixo relevo.
Dados Técnicos – Paredes autoportantes.Materiais – Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira, vidro, azulejos.

Intervenção Realizada – PROPRIETÁRIO: 1926, Novembro – reparações interiores e exteriores de um muro do quintal; 1938, Abril – reparação da cobertura; 1941, Fevereiro – recolocação de azulejos na fachada; 1943, Julho – obras gerais de beneficiação; 1947, Junho – projecto de alterações exteriores e interiores; 1957, Julho – alteração de vãos de porta e de janela; 1958, Junho – pintura exterior das portas de acesso; 1960, Maio – obras de beneficiação e limpeza geral; 1966, Dezembro – montagem de ascensor; 1967, Maio – obras simples de conservação; 1968, Julho – obras gerais de beneficiação e limpeza.

Observações
*1 – neste existe ainda um lago que se encontra entaipado, dadas as actuais funções do mesmo, destinado a zona para crianças. *2 – na sequência da demolição de algumas paredes e construção de outras, bem como da necessidade de adaptação à actual ocupação do imóvel, é difícil reconhecer com clareza, o tipo primitivo de organização do mesmo. *3 – ainda existentes na década de 70 e entretanto demolidas.

Asfixia Democrática

Que pensarão europeus destes ao lerem notícias deste calibre, ou deste?!
Que não aprendemos nada com a história e que devemos precisar ser normalizados!

Museu do Comunismo - Praga, República Checa

Museu do Comunismo - Praga, República Checa

Lisboa Com Sentido – #BlogTulia

A partir das 19h00, o Martinho da Arcada – Terreiro do Paço, acolhe a conferência de Bloggers, uma iniciativa da Coligação Lisboa com Sentido.
O candidato a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Manuel Falcão, participará ao lado do candidato à presidência da CML, Pedro Santana Lopes, na #BlogTuliaPSL, que terá transmissão online no Portal do candidato, no Sétima Colina,  e poderá ser seguida no Twitter.
Contamos com a vossa participação e sugestões!

Lista de Blogs participantes na #BlogTulia

Corta-Fitas Duarte Calvão
Portugal dos Pequeninos João Gonçalves
Psicolaranja Margarida Balseiro Lopes
CafédoAntónio Carlos Sousa
Loja de Ideias José Reis Santos
Confraria Laranja João Mota Lopes / Nuno Vitoriano
O Valor das Ideias Carlos Santos
Cidadania Lx Jorge Santos Silva / António Branco de Almeida
Jardim de Micróbios João Campos
Amor nos Tempos da Blogosfera João Gomes de Almeida
Clube dos Pensadores Joaquim Jorge
Olhar Direito Francisco Castelo Branco
Câmara de Comuns João Ribeiro / Vitor Palmilha
31 da Armada Vasco Campilho
Campo de Santana Diogo Agostinho

COMPROMISSO SANTA ISABEL

O COMPROMISSO SANTA ISABEL 2009 – (CSI) tem como objectivo promover as ideias da candidatura independente de cidadãos eleitores à Assembleia de Freguesia de Santa Isabel – Lisboa, nas próximas eleições autárquicas, que irão realizar-se no dia 11 de Outubro de 2009.

Colocamos os interesses de Santa Isabel em primeiro lugar
Não nos candidatamos em representação de interesses partidários, económicos ou de qualquer outra natureza. Apenas e tão só, para trabalhar em prol da Freguesia e dos seus fregueses.

“A cidadania não vai a votos. A cidadania exerce-se”

Santana Lopes considera que os acordos que Costa celebrou com Roseta e com Sá Fernandes representam também uma “desconsideração” para com os lisboetas. “Ao falarem, como falaram, de lugares, de listas, de números uns e números dois, de vice-presidências, de lugares elegíveis, sem fazerem a mínima alusão a causas e objectivos de programa, revelaram aquilo que os preocupa: tudo fazerem para manter o poder, sem se dedicarem aos aspectos que poderiam implicar mudanças nas condições de vida dos lisboetas”.


“O que mudou, em e para Helena Roseta, nestes últimos dois anos? Nada de substancial, além de Santana Lopes ter regressado do além.” Raul Vaz, Económico

Uma questão de promiscuidades, artigo de opinião por António Sérgio Rosa de Carvalho, Historiador de Arquitectura, no Público de 19.07.2009 – sublinhados meus.

“A cidadania não vai a votos. A cidadania exerce-se”! Num texto anterior publicado no PÚBLICO, afirmava isto, motivado pela necessidade de defender “um cordão sanitário” entre a jovem e frágil democracia participativa e a erodida e desprestigiada democracia representativa.
Algo mais, já então, me motivava. A consciência intuitiva de que Helena Roseta pertencia àquele grupo de políticos profissionais que, conscientes do cansaço, erosão e de um progressivo distanciamento dos votantes, encontrava nos “cidadãos” participativos uma fórmula “refrescante” e uma oportunidade de “reformatar” o discurso. A máscara caiu. A razão diz-nos que não é supreendente, mas o sentimento exalta uma indignação, perante um sentimento de manipulação, ou mesmo, e é preciso dizê-lo, de traição.
A enorme bofetada que Helena Roseta dá em todos aqueles que seguiram o seu discurso de independência implica também uma enorme machadada na jovem e frágil democracia participativa, e, consequentemente, directa e indirectamente, na credibilidade da já tão doente democracia representativa.
Ela, de forma brutal, projecta todos aqueles que acreditaram numa plataforma de participação transversal aos ciclos políticos, num espaço ecléctico e pluralista de manifestação de individuos-cidadãos, unidos apenas pela urgência dos temas, novamente, na polarização dos blocos políticos e dos aparelhos ideológicos.
Ela mata, assim, uma dialéctica estimulante e melhoradora da própria democracia ao, de forma facciosa e oportunista, querer monopolizar a cidadania para um campo da “esquerda”, como se tal fosse possivel…
Esta atitude é comparável à afirmação de que o humanismo do séc. XXI, a consciência ambiental, a ecologia e a consciência urgente da necessidade imperativa da salvaguarda ecológica do planeta são exclusivos da “esquerda”.
É por isto que eu afirmo claramente aqui que já sei em quem não vou votar… E, ao contrário do prof. Carmona, digo-o: não vou votar no triunvirato Costa-Zé-Roseta.
Em quem vou votar, como muitos, não sei…
Portanto, apelos aos restantes para me convencerem, dizendo desde já que:
– não quero mais trapalhadas urbanísticas com histórias de permutas, trocas, baldrocas;
– não quero, pelo menos no primeiro mandato, mais obras públicas com orçamentos “em derrapagem”;
– não quero mais encomendas a arquitectos do star system, a cobrarem fortunas por “maquetas” feitas de caixas de sapatos;
– não quero mais destruição do património arquitectónico, através da especulação imobiliária ou da “criatividade” corporativa dos arquitectos, não só nas avenidas românticas, mas em toda a Lisboa. Isto implica Largo do Rato, Terreiro do Paço, etc, etc.
Quero:
– reabilitação, reabilitação, reabilitação… urbana, com responsabilidade técnica e grande rigor na perspectiva da salvaguarda do património;
– a Baixa classificada como Património Mundial e a respectiva carta de valores e regras que isso implica;
– repovoamento do centro histórico;
– estratégia e planeamento na área do urbanismo comercial;
– gestão equilibrada na estratégia do trânsito e do estacionamento, incluindo uma Autoridade Metropolitana de Lisboa e um Regulamento de Cargas e Descargas;
– gestão dos espaços verdes;
– ao menos, a existência de uma política cultural e museológica para a cidade de Lisboa.
Bem, não tenho mais espaço… Acima de tudo, viva Lisboa! Lisboa merece mais.

Anúncios
%d bloggers like this: