Archive for the ‘ Um Reino Maravilhoso ’ Category

Amendoeiras em Flor

Amendoeiras em Flor – 2010 on Fotopedia

Amendoeira em flor



O Equinócio da Primavera!

ESPECTÁCULO DE SAUDAÇÃO AO NASCER DO SOL EM HONRA À DEUSA MÃE -TERRA
O SANTUÁRIO DA PEDRA DA CABELEIRA É UMA DAS PORTAS DA TERRA, ONDE O ANTIGO DEUS DO SOL, ESPELHO DO DEUS SUPREMO, REGRESSA DO ALTO DA SUA MORADA E FAZ A SUA ENTRADA TRIUNFAL!

Aldeia de Chãs – Maciço dos Tambores – Vila Nova de Foz Côa
Sábado, 20 de Março – 07.00 – 07.30 Horas

A entrada da estação mais florida do ano, momento em que a Terra é iluminada de igual forma no hemisfério sul e no hemisfério norte, vai ser celebrada no recinto amuralhado do Santuário Sacrificial da Pedra da Cabeleira, com um ritual de danças, música, poesia e cânticos, apresentado pela Amálgama – Companhia de Dança.

Devido à instabilidade do tempo, o espectáulo da Amalga Companhia de Dança, será apresentado à mesma hora( 07.00- 07.30) de Domingo. Porém, a organização não deixará de lá estar, frente à Pedra da Cabeleira (com sol ou tempo cinzento) para saudar a entrada da Primavera

O templo sacrificial está orientado no sentido nascente-poente, possui uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento, que é iluminada no seu eixo no momento em que o Sol se ergue no horizonte, proporcionando uma imagem deslumbrante!

O enorme penedo, eleva-se no topo de um amuralhamento circular, num planalto rochoso, próximo de um antigo castro, no perímetro do Parque Arqueológico. Tem, no interior da cripta que o atravessa, um nicho com uma pintura que sugere uma cabeleira negra e, na face frontal, perfeitamente lisa e em forma de leque, sobressai, incrustado, um pequeno círculo solar. Porém, visto por detrás do seu altar e da laje em que assenta, num claro desafio às leis da gravidade, configura um gigantesco crânio humano.

Adriano Vasco Rodrigues, o primeiro estudioso a debruçar-se sobre o referido templo, classificou a pedra e o recinto como “um local de sacrifícios ou de culto do crânio”, remontando ao período “de transição do paleolítico para o neolítico”. Hoje, o investigador, profundo conhecedor do passado histórico da região, não tem dúvida que:

“A identificação com uma entidade feminina, em consagração à Virgem Maria, acompanhada de lenda popular, sugere um culto inicial à Deusa-Mãe, símbolo da fertilidade, trazido do Médio Oriente para o Ocidente peninsular pelos primeiros povos agricultores”, e que “o culto do sol é fundamental nas sociedades primitivas e o conhecimento do calendário das estações para poderem fazer as sementeiras”.

Por sua vez, o autor da Sociologia das Religiões, Moisés Espírito Santo, num levantamento à toponímia da área envolvente, encontrou nos nomes dos vários sítios fortes associações ao culto solar. Num levantamento que fez sobre a toponímia da área envolvente, mostrou-se deslumbrado com a beleza e a singularidade da herança histórica que pôde testemunha

A curta distância do Santuário da Pedra da Cabeleira situa-se a imponente Pedra do Solstício, orientada com o pôr-do-sol, no Solstício de Verão, onde é saudado o dia mais longo do ano, ergue-se na vertente de uma vasta depressão rochosa, sobranceira à falha sísmica de Longroiva – um fértil vale que desemboca na Ribeira de Piscos, em cujo curso se situam um dos principais núcleos de gravuras rupestres classificadas como Património da Humanidade. O astrónomo Máximo Ferreira assistiu a uma dessas observações e pôde testemunhar o perfeito alinhamento solsticial.

Jorge Trabulo Marques, dinamizador do evento e autor da descoberta do fenómeno solar, acredita que:

“O altar sacrificial existente naquele local é um verdadeiro observatório astronómico primitivo, que os antigos povos sabiamente teriam aproveitado não só como calendário, mas também para ali realizarem os seus cultos, festividades e rituais, com uma forte ligação à agricultura, à fertilidade e às estações do ano. Trata-se de um local mágico, pleno de história e de misticismo, dos poucos lugares da terra onde a beleza e o esplendor solar se podem repetir à mesma hora e com a mesma imagem contemplativa de há vários milénios pelos povos que habitaram a área”.

Mensagem a Deus

Caro Deus,
escrevo-te estas breves linhas enquanto homem sem capacidade para te admirar, não por falta de doutrina ou por te negar, o que tornaria impossível esta carta, esperando ainda que não tomes estas palavras como um qualquer pedido de natureza pessoal.
Imagino que não tenhas qualquer intervenção sobre os recentes movimentos na crosta terrestre, dos quais certamente terás já tido notícia pela enorme falange de crentes, relatando milhares de mortos, muitos, teus fiéis.
Por todo o mundo se mobilizam meios, humanos e materiais, para acorrer aos sobreviventes e resgatar os corpos dos desaparecidos, pois o tempo urge. Estamos a fazer o que podemos.
Às muitas pessoas soterradas, a quem poucas forças restarão para pedir ajuda, bem como àquelas a quem vai faltando a esperança de encontrar familiares ou amigos ainda com vida, se lhes puderes aquecer um pouco a alma, estou certo que te ficarão reconhecidos.

Onde quer que estejas...

Templos do Sol – Chãs, Foz Côa (2009)

Arte Rupestre – Canada do Inferno

A Canada do Inferno, cujo estudo foi já iniciado, fica num troço em que o rio percorre um vale profundo, com um encaixe de cerca de 130 metros . Era nesta zona do vale, 400 metros a jusante, que estava em construção a barragem de Foz Côa. Foram já inventariadas trinta e seis rochas gravadas, a maior parte das quais está submersa a pouca profundidade desde 1983 em consequência da construção da barragem do Pocinho, cuja albufeira penetra pelo vale do Côa acima até cerca de 6 km a montante da confluência com o Douro.

Em criança (muito antes da Barragem do Pocinho) esta zona do Côa era uma ribeira que no verão se podia atravessar a pé...

Antes da submersão, existia aqui uma pequena praia fluvial dominada por imponentes escarpas de xisto cujas superfícies verticais viradas a nascente serviram de suporte às gravuras das diversas épocas. Entre as que datam do Paleolítico os motivos predominantes são as representações de auroques, cabras e cavalos. Como particularidade, assinala-se a existência de vários peixes gravados em duas das rochas deste núcleo, numa (submersa) por picotagem, noutra (emersa) por incisão filiformeVia.

Museu do Côa abre mesmo sem autarquias e sem privados

Administração Central assumirá a gestão do equipamento, com abertura prevista para Março

O Museu do Côa vai abrir mesmo que o modelo de gestão adoptado não inclua a participação de autarquias e privados.
A Administração Central pode assumir sozinha o equipamento, com abertura prevista para a Primavera de 2010.
“A questão do modelo de gestão é um falso problema”, disse, ao JN, Fernando Real, do Grupo de Trabalho do Museu de Arte e Arqueologia do Vale do Côa, que se extinguirá após a abertura do espaço museológico. “Esta dificuldade só se levantou porque estávamos num período pré-eleitoral, em que houve algum ruído”, realça o responsável, garantindo que a forma de gerir aquela estrutura “sempre esteve pensada” e que “há mesmo estudos de viabilidade económica e financeira”.
Fernando Real explica que
“a Administração Central tem responsabilidades na gestão financeira de um empreendimento desta natureza”, até porque o museu pertence ao Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC) e o Governo tem “um compromisso perante a região, o país e a UNESCO de de-senvolver este equipamento”.

Por isso, o também assessor da direcção do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) e que presidiu ao extinto Instituto Português de Arqueologia, diz que
não faz sentido continuar-se a falar na falta de um modelo de gestão para protelar a abertura do Museu do Côa. “Não percebo muito bem onde se quer chegar. Deve haver algum interesse que se me escapa”, enfatiza.
E foi por causa daquele alegado
“megaproblema” que também tem vindo a ser adiada a aprovação, em Conselho de Ministros, do Plano de Ordenamento do território que corresponde ao PAVC. E isto 13 anos após a sua criação. Fernando Real assegura que o documento “está concluído e pronto a ser aprovado”, e, segundo diz, “vai facilitar a vida às autarquias em termos de licenciamentos naquela área”.
A inauguração do Museu de Arte e Arqueologia do Vale do Côa é que
só deverá ocorrer em Fevereiro ou Março de 2010, coincidindo com o período em que no Douro Superior se fazem as festas das amendoeiras em flor. “Pessoalmente, acho que seria uma altura estratégica para o inaugurar”, opina Fernando Real, pois “não fará sentido abri-lo numa época baixa, em que faz frio e em que as estradas terão gelo”. E como “atrás de tempo, tempo vem”, a Primavera afigura-se-lhe como a estação do ano mais propícia para abrir ao público uma estrutura que custou 17,5 milhões de euros e que não teve derrapagens orçamentais.
Mas, antes de se cortar a fita, vai ser necessário colmatar algumas lacunas. O IGESPAR ainda tem de receber a obra do empreiteiro, uma vez que faltam pequenos acabamentos, que representam cerca de 2% do total da obra.
“O edifício não poderá ser recebido enquanto não estiver totalmente pronto”.
Dentro de duas semanas, deverá ficar resolvido um problema ligado à refrigeração da central de informática. Os trabalhos já foram adjudicados e só se aguarda pela sua execução. Falta ainda colocar um varandim no miradouro do museu para evitar quedas, a colocação de acessórios nos sanitários e resolver problemas de iluminação, entre outros. Ou seja, um somatório de pormenores que até ao final deste ano deverão estar concluídos.
Por Eduardo Pinto do JN.
%d bloggers like this: