Arquivo de Abril, 2009

Belshazzar’s Feast

A Inscrição na parede prenuncia a queda da Babilónia do Rei Belshazzar, filho de Nebuchadnezzar.
Na Bíblia, só Daniel é capaz de ler a inscrição em Aramaico. Em Belshazzar’s Feast, os caracteres hebreus da inscrição estão dispostos em colunas verticais, em vez da habitual disposição da direita para a esquerda.

Esta será a provável explicação para a incapacidade de o rei ler correctamente a que era uma  língua corrente na época. 

Rembrandt van Rijn - The Feast of Belshazzar, 1636-38. National Gallery, Londres

 

O Livro de Daniel descreve uma enorme festa, na qual o rei e os seus convidados comem e bebem de taças de ouro, parte do espólio trazido de um templo após a queda de Jerusalém em 597 AC , uma desonra para  Belshazzar e que contribuiu para a sua queda do poder.

Esta obra-prima de Rembrandt (impressionante, particularmente pelas pequenas dimensões) ilustra, simultaneamente, a fugaz natureza do poder terreno e o dramatismo do acontecimento. Quando a festa é interrompida pelo aparecimento de uma misteriosa inscrição na parede, todos se inclinam para trás, de espanto, mas Belshazzar – com tamanho sentimento de culpa aos olhos de Deus – mostra uma expressão mais carregada que a dos seus convidados.
Em antecipação a obras bíblicas posteriores, mais instrospectivas, Rembrandt dá menor importância à opulência do palácio para se focar essencialmente no rei, concentrando-se mais no aspecto das emoções que na precisão histórica.

Anúncios

Libertas.eu

Pode sempre votar nos suspeitos do costume mas, se não comprou o Tratado de Lisboa  e se sente mais cidadão de um estado-membro que cidadão da União, vote no candidato português da Libertas às Eleições Europeias, o deputado Pedro Quartin Graça, do MPT-Partido da Terra

Feira do Livro

Feira do Livro de Lisboa

Este ano, a Feira do Livro começa mais cedo e decorre de 30 de Abril a 17 de Maio.
Parece que vai ser mais funcional. E bonita, digo eu!
Horário: 2ª a 5ª Feira, das 12h30 às 20h30 – 6ª e véspera de feriados, das 12h30 às 23h00
Sábados, das 11h00 às 23h00 – Domingo, das 11h00 às 22h00

Com este calendário, é preciso ser muito optimista em relação à metereologia! A hora de almoço parece-me bem, desde que não haja só farturas e algodão-doce para enganar o estômago, pois o fecho às 20:30 significa jantar mais tarde. Sugiro assim a seguinte campanha: a quem comprar um livro às 13:00 e outro às 20:00, é oferecido um jantar num dos tascos do Jardim Amália. Não sou esquisito!

Quando os cidadãos “postam” a cidade

Por Rui Pedro Antunes, no Diário de Notícias.

25 de Abril – Páginas da História

Em 1974, tinha 13 anos. Lembro-me que lia os vespertinos Diário Popular e A Capital. Dois dias depois da Revolução, comprei a Edição Especial de O Século Ilustrado e retive, desde então, as palavras de alguém que estaria junto à banca dos jornais: “Guarda, que um dia vais mostrar aos teus netos”.
Embora esse dia ainda não tenha chegado, aqui fica o Documento, que está publicado na minha página do Issuu.

As reportagens fotográficas são de Eduardo Gageiro, Fernando Baião, Francisco Ferreira e  Afredo Cunha.

O Século Ilustrado - Suplemento ao Nº 1895, de 27 de Abril de 1974

 

verbo desapoquentar

“À la mode de chez nous” *

*Variação de " Joana Vasconcelos sobre Pomar"

 

Anúncios
%d bloggers like this: