Arquivo de Janeiro, 2012

As Idades do Mundo #4

quarto programa da série As Idades do Mundo, de  Ana Mântua e João Chambers, é dedicado aos “movimentos pós-impressionistas e o caminho da modernidade: o simbolismo, uma nova apreensão da realidade visível e a música de Maurice Ravel, Claude Debussy, Gabriel Fauré, Camille Saint-Saëns, Hector Berlioz, Gustav Mahler e Jean Delibes.”

Paul Gauguin – Be Mysterious, 1890
Anúncios

“O Espírito do Jazz”

Vítima das so-called  restrições orçamentais na Antena 2, foi no passado domingo para o éter a última edição do programa “O Espírito do Jazz”. Esperemos que o acesso ao arquivo não seja alvo da mesma generosidade! 😉

Obrigado e até jazz, Joao Moreira Santos!

Festival Internacional de Órgão Ibérico

A 4ª edição do Festival Internacional de Órgão Ibérico, coordenado pelo organista italiano Giampaolo Di Rosa, Organista Titular e Director Musical da SCMG, organizadora do Festival, está incluída na programação da Capital Europeia da Cultura, vendo o número de concertos passar dos habituais sete para doze, um por mês.

Do compositor valenciano Juan Cabanilles comemoram-se os 300 anos da sua morte e do compositor holandês Jan Pieterszoon Sweelinck os 450 anos do seu nascimento. Estes dois compositores têm, de facto, fundamentado o repertório para instrumento de tecla de raiz europeia, cuja concepção máxima encontra Bach, de quem vai ser executado o célebre Ricercare sobre o tema real, em abertura da oferta musical, uma das maiores obras de todo os tempos. Via SCMG.
Programa
27 de janeiro: Giampaolo Di Rosa
17 de fevereiro: Daniel Ribeiro
23 de março: Eric Dalest
20 de abril: Jean-Cristophe Geiser
25 de maio: Merethe L.K. Hansen
22 de junho: Roland Muhr
20 de julho: Federica Iannella
31 de agosto: Elmar Lehnen
28 de setembro: Roman Perucki, Maria Perucka
31 de outubro: Jan Lehtola
23 de novembro: Josep Vicente Giner
21 de dezembro: Giampaolo Di Rosa, Carlos Miranda

Homenagem a Maria Helena Pires de Matos (1938-2011)

O Coro Gregoriano de Lisboa apresentou-se na noite de 28 de Janeiro na Sé Patriarcal de Lisboa para homenagear a memória da sua fundadora, a Prof. Maria Helena Pires de Matos.  Tradicionalmente dedicado à Liturgia da Apresentação do Senhor, o concerto incluiu excertos do seu último cd, “Os Apóstolos”. A procissão das velas, naquele espaço, possui uma dimensão espiritual que me tocou particularmente…

Crónica de Ana Madalena Bach

Homenagem a Gustav Leonhardt
Projecção no Nimas, 28 de Janeiro às 21h30
Título original: Chronik der Anna-Magdalena Bach
De: Danièle Huillet, Jean-Marie Straub
Com:Christiane Lang, Ernst Castelli, Gustav Leonhardt, Paolo Carlini
Outros dados: Guiné-Bissau/POR, 1968, Cores, 95 min.
Diário íntimo (possivelmente apócrifo) da segunda mulher de Johan Sebastian Bach, que conta o dia a dia e o trabalho do genial compositor, filmado de uma forma que recusa os métodos da clássica “reconstituição” histórica no cinema. O famoso cravista Gustav Leonhardt interpreta a figura de Bach, de quem se evocam os 250 anos da sua morte.
Texto: Cinemateca Portuguesa

Musica Aeterna – Frederico II, “o Grande”, da Prússia (1712-1786)

Comemorada no passado dia 24, a efeméride dos três séculos da nascença de Frederico II, “o Grande”, da Prússia (1712-1786), o qual, na política interna, personificou a imagem do “despotismo iluminado”, realçada, para além de obras do próprio, através de repertório dos contemporâneos Franz Benda, Ludwig Christian Hesse, Johann Gottfried Müthel, Carl Heinrich Graun, Carl Philipp Emanuel Bach, Christoph Schaffrath, Georg Anton Benda e Johann Philipp Kirnberger. Por João Chambers.
Parte IParte II

Adolph von Menzel (1815-1905) – A Flute Concert of Frederick the Great at Sanssouci, 1852

Dante Alighieri condenado ao exílio

Quando Dante nasceu, por volta de 1265, persistia o conflito entre guelfos e gibelinos. Florença, a sua cidade natal, era guelfa, fiel ao Papa, e combatia uma liga de cidades toscanas partidárias dos gibelinos, apoiados pelo Sacro Império Romano.
O próprio poeta combateu na batalha de Campaldino (1289), na qual os guelfos florentinos bateram os gibelinos de Arezzo. Após a sua vitória, os guelfos florentinos dividiram-se em duas correntes: os negros, que apoiavam o Papa, e os brancos, que exigiam mais autonomia face a Roma. Dante apoiava os primeiros, e integrou uma embaixada que foi negociar com o Papa Bonifácio VIII. Estava ainda em Roma quando, no final de 1301, Charles de Valois, apoiado pelos guelfos negros, invadiu Florença.
A 27 de Janeiro de 1302, o novo governo condena-o a um exílio de dois anos e ao pagamento de uma avultada multa. Dante, cujos bens tinham já sido saqueados, não paga, e é então sentenciado a um exílio permanente, durante o qual escreve a célebre Divina Comédia, ficando sujeito a ser queimado vivo, se regressasse a Florença. Virá a morrer em 1321 sem voltar a ver a sua cidade.
O decreto que o exilou só veio a ser revogado mais de 700 anos depois, em 2008. A moção foi votada no Conselho Municipal de Florença e ganhou com 19 votos contra 5. Os que se opuseram apresentaram o curioso argumento de que a poesia de Dante nunca teria existido sem os sofrimentos que o seu autor padecera no exílio.
Texto de Luís Miguel Queirós para o P2 de 27-01-2012

BARTOLOMEO DI FRUOSINO – Inferno, from the Divine Comedy by Dante (Folio 3v), 1430-35
Tempera, gold, and silver on parchment, 365 x 265 mm | Bibliothèque Nationale, Paris
Anúncios
%d bloggers like this: