Posts Tagged ‘ Cristiano Holtz ’

Cris­tiano Holtz – Suites de pièces pour le clavecin (II)

No ducentésimo sexagésimo segundo aniversário da morte de George Frideric Handel [1685-1759], o terceiro andamento Allemande da Suite nº 3 em Ré menor HWV 428, com Cris­tiano Holtz no cravo.


Álbum: Handel: Suites de pièces pour le clavecin, 2011 | ℗ Outhere

C.P.E. Bach por Cristiano Holtz

Na passagem do ducentésimo trigésimo segundo aniversário da morte de Carl Philipp Emanuel Bach [8 Março 1714 – 14 Dezembro 1788], a Sonatina em sol maior (In 2 Sonaten), Wq. 63/7 , extraída do conjunto “Seis Sonatine Nuove, Hamburgo 1786.

Álbum: Cristiano HoltzCPE Bach: Essai sur l’art véritable de jouer les instruments à clavierHORTUS, 2014


“A Verdadeira maneira de tocar instrumentos de teclado”, por Cristiano Holtz

No próximo dia 14 pelas 19h00, a  Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves recebe Cristiano Holtz para a apresentação do seu novo CD “A Verdadeira maneira de tocar instrumentos de teclado” – Integral – de Carl Philipp Emanuel Bach. Registado em clavicórdio e em cravo.
Programa: Peças extraídas de “Dezoito Probe-Stücke em seis sonatas, Berlim 1753” e de “Seis Sonatine Nuove, Hamburgo 1786”

 

300 anos do nascimento de Carl Philipp Emanuel Bach

A emissão do Musica Aeterna dedicada aos hoje assinalados 300 anos do nascimento de Carl Philipp Emanuel Bach pode ser escutada na Antena 2 no próximo domingo 9 de Março, entre as 10h00 e as 12h00.

CLIQUE NA IMAGEM PARA OUVIR O PODCAST
Músico e compositor alemão, segundo filho de Johann Sebastian Bach e Maria Barbara Bach, Carl Philipp Emanuel Bach [8 Março 1714 – 14 Dezembro 1788] ingressou com dez anos na Escola de São Tomé em Leipzig, onde o pai em 1723 se havia tornado cantor. Continuou depois a sua educação como estudante de jurisprudência nas universidades de Leipzig, mas em 1738, depois da sua graduação, passou a dedicar-se definitivamente à música.
Foi um dos compositores mais influentes em sua geração. De 1740 a 1768 esteve em Berlim, a serviço da corte de Frederico, o Grande.
Em 1768, C.Ph.E. Bach sucedeu ao seu padrinho Georg Philipp Telemann como mestre de capela em Hamburgo, e, em consequência do seu novo ofício, passou a dedicar-se com mais atenção à música sacra. A sua obra inclui oratórias, pelo menos três volumes de canções, várias sinfonias e música de câmara. Durante o período que esteve em Berlim escreveu um conjunto de Magnifcat em que aparecem traços da influência de seu pai, uma Cantata de Páscoa e algumas cantatas seculares. Nessa época ele era um dos mais habilidosos e reconhecidos executantes de instrumentos de teclas da Europa. O clavicórdio, o instrumento da sua preferência, sofreu uma breve queda na sua popularidade na Alemanha, em meados do século XVIII, antes de ser de facto suplantado gradualmente pelo pianoforte.

Durante a segunda metade do século XVIII, a reputação de C.Ph.E. Bach permaneceu muito alta. Mozart disse a seu respeito, “Ele é o pai, nós somos os filhos”. A maior parte da formação de Haydn derivou de um estudo da sua obra. Beethoven expressou acerca dele a mais cordial admiração e respeito. Isto deve-se principalmente às suas Sonatas para cravo, que marcam uma época importante na história da forma musical.
Carl Philip Emanuel Bach participou intensamente do movimento musical de seu tempo, contribuindo para a criação de um estilo musical que se foi afastando cada vez mais do Barroco.
Considerado o fundador e precursor do estilo clássico na música erudita, C.Ph.E. Bach morreu em Hamburgo em 14 de dezembro de 1788.
Texto de Luís Ramos

Cris­tiano Holtz – Suites de pièces pour le clavecin

O cravista brasileiro residente em Portugal Cristiano Holtz decidiu dedicar o seu último CD à música de Handel, seleccionando as suites nºs 3, 7 e 8 do primeiro volume das “Suites de Pièces pour le Clavecin” (1720-25), a suite V do segundo volume (1727) e peças como o “Air” HWV 471 (da colecção de minuetos de 1729), o encantador Minueto em Sol menor HWV 434 e a Sonatina HWV 582.
Um recital ao vivo na Casa-Museu Anastácio Gonçalves, em Maio, serviu de apresentação ao projecto, que vem confirmar a segurança do intérprete, bem como o seu espírito criterioso em matéria de repertório, tendo em conta que a excelente música para cravo de Handel ocupa um lugar mais reduzido na discografia do que a obra dos seus contemporâneos J.S.Bach, Domenico Scarlatti ou Rameau.

O cravo com graves poderosos (graças ao registo de 16 pés) construído por Matthias Kramer a partir de modelos de Christian Zell (c.1683-1763) e Johann Christoph Fleischer (1676-c.1728) contribui para a riqueza da imagem sonora de um registo que proporciona uma diversificada amostra em termos de técnicas de composição, estilos e recursos expressivos.
As suites de Handel nem sempre seguem o modelo convencional na sucessão de danças, contendo por vezes prelúdios e andamentos em escrita fugada como os “Allegri” HWV 433 e 428, que Holtz executa com uma “toucher” brilhante e uma polifonia clara. Nas Gigas ou o “Presto” da Suite HWV 428, mostra agilidade e desenvoltura, contrastando com a profunda introspecção expressiva do “Air” da mesma Suite e a elegância das “Allemandes”. Mesmo na exuberante Suite nº 7, HWV 432, Holtz prefere a dimensão majestosa da música, a arquitectura da construção, em detrimento de um virtuosismo superficial que apenas realçasse a vertente lúdica da composição.
A partir do texto de Cristina Fernandes para o Público de 12 de Agosto de 2011

Cris­tiano Holtz semble pré­fé­rer à une in­té­grale (ou à son amorce) de la mu­sique pour cla­ve­cin de Haen­del une an­tho­lo­gie com­po­sée comme un menu dé­gus­ta­tion : entre chaque Suite, issue du pre­mier ou du se­cond vo­lume, fi­gure en effet une pe­tite pièce, ici un air, là un me­nuet, comme un en­tre­met. Le choix des to­na­li­tés des quatre Suitesre­te­nues, toutes en mi­neur, et ac­ces­soi­re­ment la photo de cou­ver­ture, une four­chette cui­vrée du XVIIIe siècle, donnent une idée de la sa­veur du repas : raf­finé mais so­lide et sé­rieux, peu pro­pice aux mé­langes fan­tai­sistes.
Le cla­ve­ci­niste bré­si­lien sert en effet un Haen­del ma­jes­tueux et grave, fier de ses mou­ve­ments amples et me­su­rés dès le pré­lude de la Suite HWV 433 qui ouvre le pro­gramme. Dans ces épi­sodes d’al­lure im­pro­vi­sée (le sty­lus phan­tas­ti­cus de HWV 428) comme les al­le­gros fu­gués, l’ar­tiste avance avec as­su­rance, gui­dée par une main gauche d’une rare sta­bi­lité. La vo­lonté d’in­ves­tir l’es­pace acous­tique et de pro­fi­ter d’un cla­ve­cin so­nore, aux basses d’orgue, conçu d’après des ins­tru­ments de Chris­tian Zell et Chris­toph Flei­scher s’illustre dans chaque pièce, y com­pris les gigues, plus pré­oc­cu­pées de sur­face que de jeu de jambes. Vo­lon­tiers or­ches­tral (presto de HWV 428) voire lul­liste (ou­ver­ture de HWV 432) par son port royal, le jeu de Cris­tiano Holtz sait aussi évo­quer le chant dou­lou­reux (l’in­tense Air de HWV 428 ju­di­cieu­se­ment placé au centre du disque) ou se lais­ser aller à la dé­sin­vol­ture nar­quoise (Me­nuet en sol mi­neur HMV 434).
Pierre Han­taï dé­clare que son an­cien élève ap­pré­hende “l’œuvre pour cla­ve­cin de Han­del avec une vraie pro­fon­deur, comme une grande et noble mu­sique.” On ne sau­rait le contre­dire. Cette pa­ru­tion s’ajoute aux ré­fé­rences : Oli­vier Bau­mont (Erato) et Ot­ta­vio Dan­tone (Arts).
PAR PHILIPPE VENTURINI | LE RÉPERTOIRE DES CD DE A À Z | 21 JUILLET 2011 | Via http://www.qobuz.com/

Cristiano Holtz

Concerto Aberto Antena 2 – Transmissão em directo hoje às 19:00
Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves | Cristiano Holtz, recital de cravo

Apresentaçao do CD
G. Haendel | Suites de pieces pour le clavecin
J.S. Bach | Phantasie
G. Haendel | Allemande, air con variatios, minuet, suite en mi, passacaglia en sol.
Cravo: G.Silbermann, Saxonia circa 1740, construido por M.Kramer -Rosengarten 2010
Cristiano Holtz
Cristiano Holtz nasceu no Brasil em 1972. Inspirado por J. S. Bach, iniciou o estudo do cravo aos 12 anos. Aos 15, foi para os Países Baixos, onde viveu 10 anos, estudando sob a orientação de vários professores, tais como Jaques Ogg e Gustav Leonhardt. Frequentou também masterclasses com Miklós Spanyi (clavicórdio) e Pierre Hantaï (cravo).
Desde 1989 que toca regularmente em salas na Europa, América Latina, Ásia e em festivais internacionais, sobretudo como solista. Orientou masterclasses em Portugal, Brasil e Singapura. Para além do cravo e do clavicório, dá também recitais em órgãos históricos. Em 1995 ganhou um prémio no Concurso Eldorado em São Paulo.
Participou em diversas gravações para a rádio e televisão portuguesa e brasileira. Em 2002 gravou um disco com obras para teclado de J.S. Bach e música de câmara de G. F. Händel e A. Vivaldi, no âmbito da «Porto – Capital Europeia da Cultura», em associação com o jornal Público. Em 2006 Cristiano Holtz gravou as suites de J. Mattheson (estreia mundial) para a editora RAMÉE. Este disco obteve vários prémios internacionais como o “Preis der Deutschen Schallplattenkritik” e as 5 estrelas da revista especializada em música antiga – Goldberg.
Actualmente vive em Lisboa e lecciona no Instituto Gregoriano e no Conservatório Nacional de Música. Via.
%d bloggers like this: