Arquivo de Setembro, 2008

uma por dia

Ilustração de Michael Zichy

Ilustração de Michael Zichy

Gosto muito de ti. Gosto de ti
como nunca gostei de mais ninguém.
E as coisas que sinto e que senti
são tantas e tão boas que um harém

não me daria um prazer assim.
Tão forte, tão bonito, tão intenso
que, juro, ou não me chame Joaquim,
que de ti, mais que muito, gosto imenso!

Nem tu fazes ideia da alegria,
do bom que é poder dar uma por dia
e às vezes mais que uma, por atraso.

E são tantas por ano as alegrias
trezentos e sessenta e cinco dias,
E a do ano bissexto, se é o caso!

 

poema décimo dos Sonetos eróticos & irónicos & sarcásticos & satíricos & de amor & desamor & de bem & e de maldizer do poeta Joaquim Pessoa
Litexa Editora, 2008

Paul Newman – The Hustler 1961 Final Game

Escolho The Hustler, de Robert Rossen, para prestar homenagem a Paul Newman.

Tendo como ponto de partida um artigo  da Vanity Fair, tenho estado a inserir fotos e links nesta página, que continuará a ser actualizada.

Emerson, Lake & Palmer – Fanfare For the Common Man

Inspirado numa das mais famosas fanfarras de Copland, este Fanfare For the Common Man dos ELP entra directamente para as músicas que me acompanharão para sempre. Conheci os Emerson Lake & Palmer precisamente com a Trilogia Works, em 1977; Só depois tive contacto com os trabalhos anteriores, TarkusBrain Salad Surgery. Nessa altura, ouvia-se Led Zepelin, Deep Purple, Pink Floyd… the great ones 🙂

Outras músicas que imortalizaram a banda: o divertidíssimo Welcome Back My Friends to The Show That Never Ends, Lucky Man, a famosa interpretação Pictures at an Exhibition de Mussorgsky  e uma que gosto particularmente, From the Beginning.

Ponham os amplificadores a fritar para ouvir Keith Emerson no Moog e no Hammond… puta que pariu!

Tord Gustavsen Trio

Têm recebido os maiores elogios, estes rapazes que vêm juntar-se à notável galeria de jazzmen noruegueses da ECM, como Jan Garbarek, Karin Krog e Terje Rypdal. A descobrir.

Antes de ter uma carreira em nome próprio, Tord Gustavsen já era uma importante figura na cena jazz escandinava. Tord integrou projectos com alguns dos melhores intérpretes noruegueses como Silje Nergaard, Siri Gjære, Kristin Asbjørnsen e Maria Roggen. A história do jazz ganha dimensão com criatividade de Tord Gustavsen e a sua música acaba por, inevitalmente, atravessar fronteira.
Jarle Vespestad é um dos músicos mais requisitados da Escandinavia. A sua vasta experiência inclui a partipação em diversos projectos como os célebres Farmers Market, Supersilent e Silje Nergaard Band. Para além de uma técnica feroz, Jarle Vespestad tem um sentido único de minimalismo que se destaca no seio do trio de Tord Gustavsen.

 

Harald Johnsen é um músico multifacetado que estabelece uma ponte entre diferentes gerações do jazz norueguês, sentindo-se à vontade tanto em be-bop criativo e cool jazz como projectos vanguadistas. Já actuou com Bjørn Johansen, Sigurd Køhn, Christian Reim, Jan Erik Kongshaug e em digressão com Silje Nergaard Band. No trio de Tord Gustavsen, a música de Harald Johnsen destaca-se pelas origens sólidas, inventivas e surpreendentes.

Tord Gustavsen Trio

Futuro adiado

 

Refugiados no Darfur, Oeste do Sudão

Refugiados no Darfur, Oeste do Sudão

Por um momentâneo lapso de razão, pensei que o candidato McCain, num singular gesto de cidadania, pretendia adiar o debate televisivo de sexta-feira próxima, para centrar esforços no combate à crise mundial. Pareceu-me bem, pensando no auxílio aos milhões de refugiados e desesperadamente dependentes de ajuda alimentar no Burundi, Somália, Sudão, Haiti, Etiópia, Iraque

Afinal, era só para tentar obter a aprovação do Congresso para injectar uns biliões de dólares no Sistema Financeiro Americano.

A vida eterna seria uma tragédia

O mistério da vida, para além do bem e do mal de Nietzsche, é tão mais essencial quanto mais estiver para além das aparências. Contento-me pois com o espectáculo do mundo e, qual Dionísio, espero embriagado que a verdade aparente me seja revelada. Adivinha-se uma tragédia grega.

 

O Cerne da Questão

João Louro - Big Bang, 2007

João Louro - Big Bang, 2007

Renaissance – 40 anos

A primeira formação dos Renaissance, surgiu após o fim dos The Yardbirds em 1968, com Jim McCarty (bateria), Paul Samwell-Smith e Keith Relf (guitarista/vocalista); A eles se juntariam ainda o teclista John Hawken, Louis Cennamo (baixo) e a vocalista Jane Relf (irmã de Keith Relf).
Esta primeira formação gravou dois álbuns: Renaissance em 1969 e Illusion em 1971.

Após a formação original, passaram pela Banda os vocalistas Binky Cullom, seguido de Annie Haslam, John Tout (piano), Jon Camp (baixo), o bateria Terence Sullivan e o guitarrista/vocalista-compositor Michael Dunford.
Gravaram Prologue em 1972 e este magistral Ashes Are Burning em 1973.

Parte 1

Parte 2

O céu como limite

Nikolaus Kopernikus

Nikolaus Kopernikus

 

A Europa mostra esta semana ao mundo que está um passo à frente no serviço de tratamento de informação, através do Projecto GMES de monitorização dos dados de satélites.

Agora rebaptizado de Kopernikus, em homenagem ao astrónomo polaco Copérnico, o Projecto tem como missão coordenar a utilização das imagens de satélite, que fornecerá serviços de gestão de emergências, de monitorização do solo e do meio marinho a quem deles necessitar, em nome do bem comum.

 

 

Ligações úteis:

Equinócio – Nos Alinhamentos Sagrados dos Tambores

Vodpod videos no longer available.

Informação detalhada sobre a celebração deste ciclo da natureza, aqui.

%d bloggers like this: