Posts Tagged ‘ Rock Progressivo ’

‘Flags’, de Moraz & Bruford

Patrick Moraz, que neste dia 24 de Junho completa 72 anos, integrou os YES para substituir Rick Wakeman em 1974,  ano em que editaram Relayer; Bill Bruford havia saído da banda em 1972 para se juntar aos King Crimson. 
Durante a primeira metade da década de 80, o teclista suíço e o baterista inglês formaram a dupla Moraz & Bruford para gravar dois álbuns em estúdio, Music for Piano and Drum em 1983 e Flags em 1985, ambos com evidentes elementos de jazz.
A composição Flags, tema do álbum homónimo, foi composta por Moraz.

‘Journey to the Centre of the Earth’, by Rick Wakeman

[Narrator]:
The story begins on the 24th of May 1863 in Hamburg, when Professor Lidenbrock and his nephew Axel discover an old parchment in a 12th century book called ‘Heims Kringla’. A chronicle of the Norwegian princes who ruled over Iceland this parchment, when decoded into Latin and translated by Axel proved to be written by an alchemist of the 16th century and read as follows:
“Descend into the crater of Sneffels Yokul, over which the shadow of Scataris falls before the calends of July bold traveller, and you will reach the centre of the Earth I have done this. – Árni Signússon”
Sneffels is a five-thousand foot-high mountain in Iceland an extinct volcano, its last eruption having been in 1229…
And so the journey from Hamburg to Iceland begins.

‘The Red Planet’, de Rick Wakeman

Com apresentação programada para 4 Abril 2020 no National Space Centre em Leicester (entretanto cancelada por razões óbvias), o álbum Rick Wakeman & The English Rock Ensemble – The Red Planet é anunciado como uma experiência instrumental keyboard-heavy.  Acompanhado por Lee Pomeroy (baixo), Dave Colquhoun (guitarra) e Ash Soan (bateria), esta viagem a Marte representa para Wakeman o regresso às origens, inspirada em The Six Wives of Henry VIII de 1973.

‘Catherine Howard’, de Rick Wakeman

On this day Henry VIII’s fifth wife, young queen Catherine Howard [c. 1523 – 13 February 1542] was beheaded for adultery.


‘ Catherine Parr’, de Rick Wakeman

On this day in 1543 King Henry VIII of England marries his sixth and last wife, Catherine Parr.

‘Anne of Cleves’, de Rick Wakeman

On this day in 1540 King Henry VIII of England annuls his marriage to his fourth wife, Anne of Cleves.

‘Premonitions: The Charisma Recordings 1975-1983’, de Steve Hackett

Em 1 Julho 2015, o pioneiro do Prog-Rock Steve Hackett anunciou o lançamento de “Premonitions – The Charisma Recordings 1975-1983”, um ambicioso projecto de reedição que integrava os seus primeiros seis álbuns editados pela Charisma, incluindo um conjunto de remixes de Steven Wilson.
‘Premonitions’ chegou às prateleiras a 23 Outubro 2015, em edição da Universal Music / Virgin.
Dos 135 temas distribuídos na Set Box de 10 cds, destacar um é apenas uma opção pessoal, por isso fica o tema remasterizado Shadow Of The Hierophant, composto com Mike Rutherford (ainda nos Genesis), do primeiro álbum a solo de Hackett Voyage of the Acolyte (1975), gravado originalmente com a voz de Sally Oldfield.

‘Fish Out of Water’, de Chris Squire

De Chris Squire [4 Mar 1948 – 27 Jun 2015], compositor, membro fundador dos YES e um dos mais notáveis baixistas da segunda metade do século XX, ‘Hold Out Your Hand’ o tema de abertura do seu primeiro álbum a solo ‘Fish Out of Water’, de 1975.

Venerável Bill Bruford

Pioneiro do Rock progressivo, Bill Bruford completa hoje 70 anos.
Integrou em 1968 como baterista a formação dos YES, por onde passaram Rick Wakeman, Steve Howe, Chris Squire, John Anderson.
Em 1971 Fragile foi apresentado ao mundo (em Setembro de 1989, Anderson, Bruford, Wakeman e Howe juntaram-se para tocar ao vivo Heart of the Sunrise) e em 1972 Bruford gravou com os YES Close to the Edge, o seu último álbum antes de se juntar aos King Crimson, sendo substituído por Alan White.
Entretanto andou por aí, em 1976 integrou a tournée Genesis: In Concert (já sem Peter Gabriel), em 1983 gravou Music for Piano and Drums com Patrick Moraz, uma espécie de The Shape of Jazz to Come, ou, mais simplesmente a caminho de formar a sua própria banda de jazz – Earworks – em 1986.
Em 2009 escreveu uma autobiografia.

10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte

Por Mário Lopes, in Público de 23 Jan 2014
O álbum de rock progressivo editado em 1978 vai ser interpretado dia 11 de Abril na Aula Magna.
Em 1977, José Cid, então estrela da rádio e televisão com passado de destaque na história da pop portuguesa através da sua carreira com o Quarteto 1111, apareceu na sua editora com uma ideia. Queria gravar um álbum nos antípodas das suas canções que iam então escalando os topes e fazendo o caminho na inscrição na memória colectiva. Um álbum conceptual inspirado no rock progressivo dos Pink Floyd, King Crimson ou dos Genesis, história de redenção pós-apocalíptica contada ao sabor do som do Mellotron, um dos sintetizadores que fez o som da música de então.
10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte, assim se intitulou o álbum, gravado com Zé Nabo, na dupla função de baixista e guitarrista, com o guitarrista Mike Sergeant ou o baterista Ramon Galarza, e editado em 1978. À época, vendeu menos de mil exemplares. Passo a passo, porém, foi ganhando lugar de culto na melomania do progressivo (nacional e não só). Passo a passo, tornou-se uma espécie de mito na carreira de Cid – o álbum que gera mais curiosidade, o álbum que seria reeditado em 1994 pela editora especializada Art Sublime, crescendo em reconhecimento até surgir em listas de melhores de sempre na imprensa internacional.
10000 Anos Depois Entre Vénus e Marte - José Cid
Mais de três décadas depois da edição, 10.000 Anos Depois Entre Vénus e Marte vai ganhar nova vida. Em palco. Soubemo-lo quarta-feira, em post publicado no Facebook do cantor. Marque-se então a data: dia 11 de Abril, na Aula Magna, José Cid apresentará não só as canções nele contidas, como Mellotron, o Planeta Fantástico, mas também o anterior, porta de entrada naquela estética musical, Onde Quando Como Porquê (Cantamos Pessoas Vivas), editado em 1975, creditado ainda ao Quarteto 1111 e baseado num texto de José Jorge Letria. Cid aproveitará ainda para revelar algumas das canções que farão parte de Vozes do Além, um prometido novo álbum que recupera o género em que 10.000 Anos Entre Vénus e Marte foi composto.
%d bloggers like this: