Posts Tagged ‘ William Blake ’

Isaac Newton by William Blake

“Man has tasted of the fruit of the tree of knowledge, and now his intellect reveals to his astonished gaze the abstract reality of creation”.

“Isaac Newton”, born on 4 January 1643, by William Blake [1757-1827]

Newton 1795-c. 1805 William Blake 1757-1827 Presented by W. Graham Robertson 1939 http://www.tate.org.uk/art/work/N05058

É melhor reinar no inferno que servir nos céus

O peito do Imperador do doloroso reino saía, a meio, para fora do casaco;
e mais com um gigante eu me convenho,
que os gigantes não fazem com os seus braços (…);
Oh, quanto me pareceu grã maravilha
quando vi três faces com sua cabeça!
Uma por diante e era escarlate;
a outra eram duas que a esta se juntavam
sobre o meio de cada ombro (…)
e a direita parecia entre branca e amarela,
a esquerda tal se mostrava, quais
vêm lá de onde o Nilo se aparta.
Sob cada qual saíam duas grandes asas,
o que convinha a tamanha ave;
nunca eu vira no mar umas velas tais.
Não tinham penas, mas de morcego
era o seu modo; e agitava-as,
como se três ventos dele se movessem:
depois, Cocito todo se enregelava.
Com seis olhos plangia e por três queixos
gotejava o pranto e sanguinolenta baba.
Com cada boca rasgava com os dentes
um pecador, à guisa de ripanço, e tanto
que a três fazia mui dolentes.

Lúcifer em Dante – Inferno, XXXIV, 22-57 (século XIV)
William Blake – Satanás enche Job de chagas, Livro de Job – 1826

No Jardim do Bem e do Mal – entre a razão e a emoção

A UNIÃO DO CÉU E DO INFERNO (1)
Argumento

Rintrah(2) ruge e treme os seus fogos no ar carregado;
Nuvens famintas balançam sobre o abismo.

Submisso outrora e no caminho do perigo,
O justo percorria
O vale da morte.
Plantam-se rosas onde crescem espinhos
E na estéril charneca
Cantam as abelhas

Foi então plantado o caminho do perigo
E um rio e uma fronte brotaram
De cada penhasco e cada túmulo,
E nos ossos branqueados
Brotou barro vermelho.

Até que o vilão(3) deixou os caminhos do fácil
Para seguir os caminhos do perigo
E expulsar o justo para regiões estéreis.

A vil serpente anda agora
Em mole humildade
E o justo percorre em fúria os desertos
Onde erram os leões.

Rintrah ruge e treme os seus fogos no ar carregado;
Nuvens famintas balançam sobre o abismo.

William Blake (1757-1827)

(1) Sobre o texto: existem 9 cópias de A União do Céu e do Inferno, compostas por 24 pranchas (gravura e texto) seguidas de mais 3, correspondentes a Um Cântico de Liberdade.
Sobre o título: este adapta, unindo (casando) satiricamente os opostos, o título da talvez mais conhecida obra de Swedenborg, De Coelo et Inferno et ejus mirabilibus: ex auditis et visis, 1758, de onde o texto de Blake retira o impulso inicial e para o qual remete continuamente.

(2) Tal como Urthona, em Um Cântico de Liberdade, Rintrah é uma figura mítica e simbólica da poesia profética de Blake; A potência maléfica (vilão) expulsa o justo.

(3) O vilão simboliza o padre e a sua moral hipócrita e repressiva; O Argumento simboliza a escravidão e a revolta

Tradução e notas de João Ferreira Duarte
Editora – Relógio D`Água

Amor vivo

Amar! mas dum amor que tenha vida…
Não sejam sempre tímidos arpejos,
Não sejam delírios e desejos
Duma doida cabeça escandecida…

Amor que viva e brilhe! luz fundida
Que penetre o meu ser – e não só beijos
Dados no ar – delírios e desejos –
Mas amor… dos amores que têm vida…

Sim, vivo e quente! e já a luz do dia
Não virá dissipá-lo nos meus braços,
Com névoa da vaga fantasia…

Nem murchará do Sol à chama erguida…
Pois que podem os astros dos espaços
Contra uns débeis amores… se têm vida?

Poema de Antero de Quental
Desenho de William Blake – O Vendaval dos Amantes, 1824-27

A essência do Mal



William Blake

The Great Red Dragon and the Woman Clothed in Sun

c. 1806-1809 / Watercolor / 34.3 x 42 cm

Brooklyn Museum, New York

%d bloggers like this: