Posts Tagged ‘ Visita Guiada ’

Convento e Igreja do Desagravo do Santíssimo Sacramento do Louriçal

Para lá da beleza objetiva deste complexo religioso de finais do séc. XVII, ele vale por ter sido, ao longo dos últimos dois séculos, cenário da extraordinária capacidade de resistência da comunidade de Irmãs Clarissas que desde o início o habitaram.
Em 1810, a terceira invasão francesa obriga as Clarissas do Louriçal a sair do convento; em 1834, o decreto da extinção das ordens religiosas obriga as religiosas, durante décadas, as estratégias semi-clandestinas para manterem a comunidade e o seu convento; em 1910, na sequência da implantação da República, as Irmãs do Desagravo do Louriçal foram expulsas e expropriadas do convento.
Forçadas ao exílio durante 18 anos, as Clarissas do Louriçal conseguiram comprar o seu convento em 1927, quando foi a vender em hasta pública. Uma vez comprado o que sempre lhes pertencera, a comunidade regressou a casa em 1928.
As atribulações por que passou a comunidade de religiosas do convento do Louriçal a partir do início do séc. XIX são paradigmáticas do que sofreram as Ordens Religiosas em Portugal nos séculos XIX e XX. Este é um caso excecional de resiliência.
Visita guiada pela Irmã Maria de Fátima e pelo historiador Nelson Pedrosa.

Anúncios

Hospital Termal das Caldas da Rainha

A História Comparada diz-nos que é o mais antigo hospital termal do mundo. Construído a partir de 1485 por iniciativa visionária da Rainha D. Leonor, ainda antes de ter patrocinado a fundação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, o hospital termal das Caldas da Rainha foi edificado sobre nascentes de águas curativas, numa região deserta. A povoação Caldas da Rainha nasce e cresce, por vontade da soberana, em torno do complexo termal. Três momentos históricos marcam as sucessivas feições desta instituição: o séc. XV, quando foi criada; o séc. XVIII, quando foi requalificada a mando de D. João V; e o séc. XIX, quando à sua vocação terapêutica e beneficente foi acrescentada a dimensão lúdica e cosmopolita. Uma visita guiada por Helena Gonçalves Pinto, investigadora em História da Arquitetura.

Hospital Termal Rainha D. Leonor – © Dias dos Reis, 2015

Palácio Nacional de Queluz

Criado pelo Infante D. Pedro, irmão do Rei D. José, a partir da casa grande da velha quinta de Queluz, o Palácio de Queluz foi palco de intensas alegrias e tristezas para três gerações de reis da dinastia de Bragança: D. Maria I e D. Pedro III, D. João VI e D. Carlota Joaquina e D. Pedro IV e D. Miguel. Projectado como destino lúdico, de veraneio, o Palácio de Queluz apresenta-se, ainda hoje, como o mais luminoso e leve dos paços reais portugueses. Seduzido pelo encanto do palácio e dos seus jardins adornados com excelente estatuária, o general Junot, ainda enquanto embaixador em Lisboa, planeava alojar ali Napoleão. São muitas as histórias que as paredes do Palácio de Queluz nos conta. Histórias como a da morte de D. Pedro, ex-Rei de Portugal e ex-Imperador do Brasil, que ali se extingue, precocemente, a poucos dias de completar 36 anos. Uma visita guiada pela directora do palácio, a historiadora Maria Inês Ferro e por Anísio Franco, conservador no Museu Nacional de Arte Antiga.

Visita Guiada: Casa-Museu Anastácio Gonçalves

Visita Guiada à Casa-Museu Anastácio Gonçalves – RTP2 – 9 de Fevereiro, 23h00.
“Uma nostálgica ilha no coração das Avenidas Novas, em Lisboa, esta casa-museu com as suas colecções de arte, é o testemunho de um mundo que se extinguiu. Encomendada pelo pintor José Malhoa a Norte Júnior que com este projecto ganhou o seu primeiro Prémio Valmor em 1905, a casa foi preparada para vir a ser museu a partir de 1933, quando o médico republicano Anastácio Gonçalves a comprou. Construídas por Anastácio Gonçalves, as colecções de pintura portuguesa, porcelana chinesa e mobiliário europeu têm reputação internacional.
A historiadora de arte Ana Mântua é a guia desta visita.”

aba-20100207-cmag-5317

Anúncios
%d bloggers like this: