Posts Tagged ‘ Amália ’

“Amália por Júlio Resende”

“No final, isto é um disco de música e espero que vá ter ao lugar que lhe pertence, que é o do coração, não o do intelecto.” —  Júlio Resende.

Este delicioso ‘negrume’ é desde já um dos acontecimentos musicais de 2013!

Anúncios

Histórias de Amor

As mãos que trago – Vida e obra de Alain Oulman em exposição no Museu do Fado, até 31 de Dezembro.

Que sentiria Oulman ao verter a poesia de Mourão-Ferreira e de Homem de Mello (entre tantos outros), para Amália cantar? Talvez que se vertia ele próprio, em sangue que corria nas veias de sua amada. Mas que certamente nos condenou a ouvi-la, até que a noite eterna nos liberte da sua voz.

Por teu livre pensamento
foram-te longe encerrar.
Tão longe que o meu lamento
não te consegue alcançar.
E apenas ouves o vento.
E apenas ouves o mar. 

Levaram-te, a meio da noite:
a treva tudo cobria.
Foi de noite, numa noite
de todas a mais sombria.
Foi de noite, foi de noite,
e nunca mais se fez dia.

Ai dessa noite o veneno
persiste em m`envenenar.
Oiço apenas o silêncio
que ficou em teu lugar.
Ao menos ouves o vento!
Ao menos ouves o mar!

nascimento dos mitos

No princípio do século XX Portugal tem cinco milhões de habitantes.
É um país essencialmente rural, pobre e atrasado.
Quarenta mil portugueses emigram por ano. A taxa de analfabetismo ronda os 70%.

A 5 de Outubro de 1910 Portugal torna-se numa das primeiras repúblicas da Europa.
O novo regime mobiliza o país e apaixona a opinião pública.
Escolas e educação, prioridade.
A legislação consagra os novos direitos de liberdade e cidadania.
A prática do exercício desses direitos engendra grandes contradições.
Comportamentos restritivos e repressivos da parte do Partido Republicano no poder.
Portugal participa na I Guerra Mundial (1914 -1918).
Agravamento das tensões dentro da sociedade portuguesa estão na origem da Ditadura de Sidónio Pais.
Em 1917 Portugal sofre o desastre da batalha de La Lys, em França.
Agudizam-se as tensões entre a sociedade urbana, em vias de industrialização e o mundo rural tradicional e arcaico.

Em Fátima, três miúdos afirmam ter visto Nossa Senhora em cima de uma oliveira.
Em Lisboa, na Estação do Rossio, Sidónio Pais é assassinado a 14 de Dezembro de 1918.
Bento Gonçalves, dirigente anarco-sindicalista, visita a Rússia durante a revolução bolchevista.
Em 1921 fundará do Partido Comunista.
Em 1920 a Igreja recusa a imagem de Nossa Senhora de Fátima do escultor Teixeira Lopes pela sua sensualidade.
Na Serra da Gardunha, um tocador de cornetim é cobiçado pelas duas bandas do Fundão:
«música nova» e «música velha».
A vida de músico é insegura, ele tem que assegurar o sustento dos três filhos e da mulher novamente grávida.
É sapateiro, mas por causa do cornetim, poucos sapatos fizera.
Sai dos confins da Beira Interior e resolve tentar a sorte na capital.
É o tempo das cerejas (Maio e Junho) e em Lisboa, na Rua Martim Vaz, a mulher dá à luz uma criança do sexo feminino: Amália da Piedade Rodrigues.

A vida está má e o sapateiro-músico não arranja trabalho.
Voltam todos para o Fundão mais pobres do que nunca.
Excepto Amália que, com 14 meses, fica em Lisboa com os avós.

Anúncios
%d bloggers like this: