Arquivo de Maio, 2008

Terramoto de 1755

Ao longo de 2005 fui publicando alguns posts no Luminescências, no âmbito da passagem simbólica dos 250 anos sobre o grande terramoto que modificou a paisagem da Lisboa setecentista.

Estão agregados nesta página.

Perfect Stranger – Whats the lineup

Doctor Rockit – Café de Flore [Charles Webster’s Mix]

Wanna Groove..?

SO FLUTE – ST. GERMAIN

Madrid – As execuções de 3 de Maio de 1808

Francisco Goya, 1814 - Museu do Prado

No início do século XIX, a expulsão dos invasores franceses inspirou Goya para executar esta obra.
Então perseguido por suspeição de simpatia para com o invasor, pretendeu assim afirmar a sua simpatia ao povo espanhol.
O protagonista é o povo anónimo, herói colectivo, numa demonstração romântica de ver a guerra.
A resistência dos madrilenos e suas consequências – os fuzilamentos pelos ferozes guardas egípcios que integravam o exército francês, é expressa pela forma como os que vão ser executados olham de frente a morte, uns aterrorizados e abrindo o peito às balas, outros ocultando o rosto, compondo uma galeria de horror.
Aos seus pés jazem corpos; Ao lado, outros esperam pela sua hora.
Os soldados perfilados – personagens secundarizadas pelo patriotismo, estão de costas, pois são meros executantes de ordens superiores.
A atmosfera tétrica é acentuada pela luz que invade o peito dos que vão morrer..

u are the people

Estava a torcer por eles! Assim que cheguei a casa e soube que tinham ganho nos penaltis aos italianos, enviei uma mensagem ao John (na foto com os meus óculos) que me ligou logo de seguida – imagine-se – bêbado e a cantar We are The People! Never Surrender! 🙂

Não só, mas também porque nos venceram, espero que levem a melhor contra os russos na Final da Uefa!

o meu peixinho é linnndo!

No Arquivo Municipal de Lisboa podemos ver até 17 de Maio a Exposição de Fotografias “Varinas de Lisboa”, de Joshua Benoliel.

Cresci junto ao Mercado da Ribeira e da Lota, por detrás da Estação do Cais do Sodré; Por isso convivia de perto com os pregões das varinas, que fazem parte da história da cidade.

Na foto, tirada no Largo de São Paulo, vê-se ao fundo o Arco sobre o qual passa a Rua do Alecrim; no prédio a seguir ao que tem o toldo, funcionou a Escola Primária nº 2 onde recebi parte da instrução, até nos mudarmos para a Rua das Gaivotas.

Greve das varinas, Início do Século XX [c.1913]

%d bloggers like this: