Arquivo de 1 de Maio, 2004

Atrás da cortina



Está uma senhora jornalista que se chama Felícia Cabrita, que até veio do Expresso, que até acabou de aterrar na Grande Reportagem, que até deve conhecer o significado de ética, mas que tem atitudes que o Jorge Van Krieken do Repórter X relata na primeira pessoa!

Sugiro a leitura, bem como a audição da mensagem que a senhora lhe deixou no telemóvel.

AMAR!

Eu quero amar, amar perdidamente!

Amar só por amar: Aqui… além…

Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…

Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!…

Prender ou desprender? É mal? É bem?

Quem disser que se pode amar alguém

Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:

É preciso cantá-la assim florida,

Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada,

Que me saiba perder… pra me encontrar…

Florbela Espanca

SER POETA

Ser Poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…

É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…

É seres alma e sangue e vida em mim

E dizê-lo cantando a toda gente!

Florbela Espanca

luminescente eterno





” O dia que chegar chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa é que ela vai chegar”

tácticas de guerrilha

%d bloggers like this: