Arquivo de 17 de Fevereiro, 2012

«Memórias da Politécnica – Quatro séculos de Educação, Ciência e Cultura»

O Museu Nacional de História Natural e da Ciência inaugura hoje a exposição «Memórias da Politécnica – Quatro séculos de Educação, Ciência e Cultura».
Um dos pontos altos da mostra é o túmulo seiscentista de Fernão Telles de Menezes (1530–1605), com 6,5 metros de altura, que depois de ter sido redescoberto é pela primeira vez exposto ao público.
Ao Ciência Hoje, Fernando Pereira, comissário da exposição, explica que o túmulo “esteve instalado num arco aberto na capela-mor do que foi a igreja desse Noviciado e do Colégio dos Nobres e que foi depois transformada no Átrio da Escola Politécnica e hoje é o Átrio do Museu Nacional de História Natural e da Ciência. Com essa reconstrução, em meados do século XIX, o túmulo foi desmontado e colocado numa cavalariça do Picadeiro do Colégio dos Nobres que mais tarde foi transformada em casa de função, o que levou ao emparedamento do mesmo. Assim ficou dezenas de anos até que foi desentaipado em Abril de 2011 e agora restaurado e recolocado num lugar próximo da implantação original”.
Desde o início do século XVII que o local conhecido como Politécnica, onde hoje se encontra o Museu Nacional de História Natural e da Ciência, alberga ininterruptamente instituições de ensino, ciência e cultura.
A primeira instituição foi o Noviciado da Cotovia (1603-1759), cujo fundador foi Fernão Telles de Menezes, seguindo-se o Colégio dos Nobres (1761-1837), a Escola Politécnica (1837-1911) e a Faculdade de Ciências (1911-década de 1990).
A exposição que hoje inaugura para todos os públicos, desde nacionais a estrangeiros e em particular para os públicos escolares, “chama a atenção para a importância das sucessivas instituições de educação, ciência e cultura que habitaram no local e por onde passaram, ao longo de quatro séculos, grandes vultos da cultura e da ciência portuguesas”, refere Fernando Pereira.
Pontos altos da mostra
«Memórias da Politécnica – Quatro séculos de Educação, Ciência e Cultura» integra importantes obras artísticas, documentos históricos e originais de colecções científicas que se estendem do século XVII ao XX, como os quadros setecentistas «Panorama da Cidade de Lisboa antes do terramoto de 1755» e «Visão perspética de Goa», um raro frontal de altar sino-português do séc. XVIII, objectos do Real Museu e Jardim Botânico da Ajuda, um raro telescópio de mesa setecentista, espécimes do Real Museu das Necessidades, uma carta manuscrita de Charles Darwin ao naturalista português Arruda Furtado e objectos queimados pelo grande incêndio da Faculdade de Ciências em 1978.
Susana lage, in Ciência Hoje
%d bloggers like this: