Arquivo de Dezembro, 2009

Entre as galerias de ferro e a Art Deco: O Odéon

Fachada do Cinema Odeon

O Odéon situa-se na Rua dos Condes, em frente ao lisboeta Olympia e ao lado do antigo Condes, agora Hard-Rock Cafe. Inaugurado em 1027, deve ter sido modernizado com as galerias metálicas, em 1931. Estas, salientes da fachada, muito decorativas com os seus rendilhados de vidros coloridos, quase apagam o desenho em clássico do edifício.
O interior é notável pela sua grande cobertura em madeira escura, pelo palco de frontão Art Deco, pelos bojudos volumes dos camarotes, pelo lustre central, irradiando néons.
Recordo um impressivo filme sul-americano sobre os célebres sobreviventes da queda de um avião andino. Depois de milhões de fitas de Sarita Montiel, e de deslizar para o inevitável porno, detém um recorde notável: ainda hoje funciona como cinema! José Manuel Fernandes, in Cinemas de Portugal, 1995

Dedicado ao meu amigo Paulo Ferrero!

Interior do Cinema Odeon

Nikolaus Harnoncourt – 80 anos

Tendo nascido a 6 de Dezembro de 1929 em Berlim, o maestro austríaco Nikolaus Harnoncourt completa hoje 80 anos, com um percurso de praticamente seis décadas dedicadas à música. É obra!
Entre 1952 e 1969,  Harnoncourt foi violoncelista na Orquestra Sinfónica de Viena, dirigida por Herbert von Karajan. Em 1953 fundou o agrupamento Concentus Musicus de Viena, dedicado a interpretações com instrumentos de época do Barroco. Neste período, gravou a integral das Cantatas de Bach, durante a década de 70 atirou-se a Claudio Monteverdi e na década de 80 a Wolfgang Amadeus Mozart. Para se ter uma ideia da ampla discografia de Harnoncourt, recomenda-se uma visita a esta página.

Claudio Monteverdi | Vespro della beata Vergine | Nicolaus Harnoncourt
Opera “Armida”, de Joseph Haydn | Dueto: Cara, sarò fedele Armida: Cecilia Bartoli, Rinaldo: Christoph Prégardien
Orquestra: Concentus Musicus | Maestro: Nikolaus Harnoncourt

Musica Aeterna – Franz Xaver Richter

O Palácio de Schönbrunn, em Viena, o cerimonial de corte da casa de Áustria durante os séculos XVII e XVIII e as criações sacras, concertantes e camerísticas de Franz Xaver Richter, docente e teórico alemão que viveu de 1709 a 1789 e de quem se assinalaram no passado dia 1 os trezentos anos do seu nascimento, para ouvir no Musica Aeterna de hoje.

Aplicando-se a premissa quer ao Norte e ao Oeste protestantes, quer ao Centro e Sul católicos, do mundo Barroco europeu, foram, basicamente, as obras pertencentes ao universo das artes plásticas que marcaram, de forma indelével, o património intelectual e espiritual do Velho Continente. Por outro lado, e com excepção da francesa, a literatura de finais do século XVII e inícios do XVIII iria cair num esquecimento quase absoluto, apenas se encontrando vestígios da alemã no canto litúrgico e em algumas peças oriundas da tradição popular. Também na música, durante um longuíssimo período de tempo, não se prestou a devida atenção ao espólio de muitos dos criadores da época e fruto do talvez mais fecundo movimento artístico das últimas décadas, que nos tem proporcionado, ano após ano, a redescoberta de um património que oitocentos deturpou ou, simplesmente, negligenciou, pôde, pouco a pouco, começar a ser redescoberto na sua contextualização histórica. As artes continuaram, pois, a difundir-se apenas no seio da grande tradição arquitectural, à qual se sujeitaram, incluindo a escultura e a pintura, a totalidade das expressões decorativas. Tendo em conta o facto de se manterem como testemunhos vivos de culturas prestigiadas e de uma forma de viver pertencente ao passado, os monumentos mais visitados e admirados por esse mundo fora são, de um modo geral, os templos coroados por grandiosas cúpulas, as imponentes casas senhoriais e, fora das cidades, integrados num panorama adequado, os mosteiros e os castelos. Além disso, também o palácio real representa um ponto de atracção particular, devido à circunstância de, na sua história, a harmoniosa aliança entre a arquitectura e o paisagismo, ou melhor, entre a ciência e a natureza, continuar a agradar e a interessar as populações hodiernas. João Chambers

Happy Birthday, Mr. Jeff Bridges!

Jeff Bridges completa hoje 60 anos, mas as prendas são para nós! De todas as projecções em 70mm que vi no antigo Cine-Teatro Monumental, A Guerra das Estrelas-1976 e TRON-1982 (Tron Legacy está em pós-produção) são inesquecíveis! 🙂

_______________________________________

Em Starman – O Homem das Estrelas (1984) de John Carpenter, foi nomeado para o Óscar de Melhor Actor.

______________________________________

Em Thunderbolt and Lightfoot – O Último Golpe (1974) de Michael Cimino, foi nomeado para o Óscar de Melhor Actor Secundário.

______________________________________

Em The Contender (2000) de Rod Lurie, foi nomeado para o Óscar de Melhor Actor Secundário.

O Banho Turco

Nesta obra-prima realizada nos últimos anos de vida, Jean-Auguste-Dominique Ingres ( 1780-1867) retoma as banhistas e odaliscas dos primeiros anos. Os motivos para estas formas femininas idealizadas que vivem apenas para a beleza e prazer, são baseados em relatos pormenorizados do oriente – descrições sobre os banhos no harém de Maomé – e as cartas onde Lady Montagu descreve os banhos turcos.

Pela beleza abstracta, a magnífica pele branca como leite, as formas graciosas dos seus corpos e os seus cabelos e pela sua sensualidade, as banhistas possuem uma inocência paradisíaca, sem gestos ou comportamentos indecorosos entre si.
A beleza intangível das mulheres – suspensa no tempo – é obtida com grande economia de meios, através dos subtis jogos de luz que lhes moldam as formas e a pele.

“Quanto mais simples forem as formas, maior a beleza e a força.”

Jean Auguste Dominique Ingres - O Banho Turco, 1862

Mensagem – 75º Aniversário

Para comemorar o 75º aniversário da “Mensagem de Fernando Pessoa, reproduzo aqui as ligações para as entradas com os capítulos que fui publicando ao longo primeiro semestre de 2004 no Luminescências.
Neste dia enevoado, em que se comemora uma independência nacional inexistente e em que, apesar de tudo, é melhor estar na Europa que fora dela, sabe bem reler a exaltação de Pessoa aos grandes portugueses da nossa História. Sem sebastianismo messiânico… 🙂

Há exactamente 75 anos, no dia 1 de Dezembro de 1934, a editora Parceria António Maria Pereira, de Lisboa, publicava o volume de poemas “Mensagem”. O autor, Fernando Pessoa, tinha então 46 anos – morreria quase exactamente um ano depois, a 30 de Novembro de 1935 – e, em formato de livro, descontado um folheto, depois repudiado, no qual defendia uma ditadura militar para Portugal, editara apenas alguns opúsculos de poesia inglesa.

Lançamento de uma edição fac-similada marca 75 anos da “Mensagem” de Fernando Pessoa

1ª Parte – O Brasão
I- Os Campos – Primeiro: O dos Castelos / Segundo: O das Quinas
II – Os Castelos – Primeiro: Viriato / Segundo: Ulisses / Terceiro: O Conde Dom Henrique / Quarto: Dona Tareja / Quinto: Dom Afonso Henriques / Sexto: Dom Dinis / Sétimo (I): Dom João I; Sétimo(II): Dona Filipa de Lencastre
III – As Quinas: Primeira – Dom Duarte, Rei de Portugal / Segunda – Dom Fernando, Infante de Portugal / Terceira – Dom Pedro, Regente de Portugal / Quarta – Dom João, Infante de Portugal / Quinta – Dom Sebastião, Rei de Portugal

IV – A Coroa, Nun`Álvares Pereira / V – O Timbre, A Cabeça do Grifo – O Infante Dom Henrique
2º Parte – Mar Português – Possessio Maris
I – O Infante / II – Horizonte / III – Padrão / IV – O Mostrengo
V – Epitáfio de Bartolomeu Dias / VI – Os Colombos / VII – Ocidente / VIII – Fernão de Magalhães
IX – Ascensão de Vasco da Gama / X – Mar Português / XI – A Última Nau / XII – Prece
3ª Parte – O Encoberto

I – Os Símbolos – Primeiro: Dom Sebastião / Segundo: O Quinto Império / Terceiro: O Desejado / Quarto: As Ilhas Afortunadas / Quinto: O Encoberto
II – Os Avisos – Primeiro: O Bandarra / Segundo: António Vieira / Terceiro

III – Os Tempos – Primeiro: Noite / Segundo: Tormenta / Terceiro: Calma / Quarto: Antemanhã / Quinto: Nevoeiro

%d bloggers like this: