Arquivo de Novembro, 2006

Desconstruindo a Santa Inquisição

1. Sede do CDS-PP vandalizada
Os responsáveis pelos actos de vandalismo rasgaram os quadros, destruíram as maquetas e as esculturas e ainda pintaram as paredes exteriores com grafitis insultuosos.
Não têm suspeitos pese embora “as tintas usadas para pintar as paredes sejam de cor vermelha”. Os grafitis deixados nas paredes continham vários insultos políticos a dirigentes do partido com palavrões.

Não fique zangado, Luis, pois eles sabem o que fazem.


2. Deus nos livre dos católicos
Sabia que a deputada Ana Manso, do PSD, é “católica” e por isso a favor do aborto? Eu também não.

Não há nada como “falar claro”. Senão, leia-se o fascínio da estigmatização segundo Pedro Picoito. E havia necessidade de meter o Bosch ao barulho?

Sem culpa formada, ou As mãos de Pilatos


Na coluna de ontem do DN, Pedro Rolo Duarte fala de martírio!

Com alguma graça, a referência que não há trânsito a favor, no IC19.
Porém, não refere que o martírio significa um glorioso sinal de desenvolvimento, pelo menos na perspectiva dos responsáveis do poder autárquico e central, que nas últimas décadas deram aos Pimentas & Rendeiros e quejandos a possibilidade de construir monumentais aberrações urbanísticas como Reboleira, Amadora, Massamá, Cacém e Mercês.
Que definitivamente contribuiram para o suplício dos mártires do IC19!
Bem podem alargá-lo para 4 faixas em cada sentido que, se não revolucionarem as acessibilidades, as pessoas vão continuar a sair de casa e entrar na fila!
Continua portanto sem solução, o martírio!

Lisboa assistiu impotente à debandada da malta nova que, ao casar, se viu empurrada para a periferia! E todos os dias os vê atravessar o martírio das obras do túnel do Marquês….

E aqui chegado, PRL afirma: Ora, essa condição natural portuguesa é a mesma que por mim passa diariamente quando atravesso o martírio criado pela “invenção” do túnel do Marquês (a abertura do túnel acabará com o martírio do trânsito no eixo Amoreiras/Marquês?)

Que rotunda observação , meu caro!
O martírio da entrada em Lisboa não foi criado pela invenção do túnel. O túnel foi inventado para acabar com o martírio.
Não fôra o Torquemada-Sá Fernandes, pelo menos nesta altura já o sofrimento não seria tão grande…

“The Soul of Fado”


Tributo de Guus Slauerhoff ao universo do Fado, entendido no quadro da sua plena universalidade.
O fascínio pelo fado levou-o a visitar Lisboa por várias vezes, nos anos de 2004 e 2005.
Alfama, bairro repleto de segredos históricos, e o Museu do Fado que aí se encontra, ganharam para ele um interesse primordial.
Durante as suas estadas em Lisboa, desenhou fadistas nas casas de fado e vagueou quotidianamente por Alfama, cuja ambiência conseguiu assim encontrar mais de perto.

A arte plástica de Guus Slauerhoff quer representar aquela vivência e experiência do fado, tocando-as, explorando-as, tornando-as palpáveis e visíveis como uma nova dimensão do fado.

“Os meus quadros contam uma história. São uma espécie de ícones de esperança”, diz o artista no vídeo que acompanha a exposição. “Nunca houve um artista como eu que manifestasse desta forma este interesse pelo fado. Gosto de calcorrear as ruelas, de ouvir os intérpretes do fado vadio. Há sempre uma lua no céu, um cão que ladra, um galo a cantar.. Acho isto uma experiência muito valiosa. Eu sou fado, deambulo aqui como o fado, a minha vida é fado”.

Paralelamente às suas pinturas, Guus Slauerhoff criou objectos com materiais que “são uma espécie de atributos da vida”.

Exemplo disso são uns sapatos, que comprou por um euro na feira da ladra, e que o artista deu nova vida caligrafando neles uma letra de fado e baptizando-os de “sapatos de fado”. Porque, como confessa, “o fado possibilita-nos, enquanto seres humanos, contar a poesia intensamente profunda da vida”.

A Exposição The Soul of Fado (a alma do fado) inclui 18 pinturas, 14 desenhos, cinco esculturas e ainda trabalhos de colagem e de ensemblage.
De 16 de Novembro a 16 Janeiro de 2007, no Museu do Fado

fonte: JN

“The Soul of Fado”

Tributo de Guus Slauerhoff ao universo do Fado, entendido no quadro da sua plena universalidade.
O fascínio pelo fado levou-o a visitar Lisboa por várias vezes, nos anos de 2004 e 2005.
Alfama, bairro repleto de segredos históricos, e o Museu do Fado que aí se encontra, ganharam para ele um interesse primordial.
Durante as suas estadas em Lisboa, desenhou fadistas nas casas de fado e vagueou quotidianamente por Alfama, cuja ambiência conseguiu assim encontrar mais de perto.


A arte plástica de Guus Slauerhoff quer representar aquela vivência e experiência do fado, tocando-as, explorando-as, tornando-as palpáveis e visíveis como uma nova dimensão do fado.

“Os meus quadros contam uma história. São uma espécie de ícones de esperança”, diz o artista no vídeo que acompanha a exposição. “Nunca houve um artista como eu que manifestasse desta forma este interesse pelo fado. Gosto de calcorrear as ruelas, de ouvir os intérpretes do fado vadio. Há sempre uma lua no céu, um cão que ladra, um galo a cantar.. Acho isto uma experiência muito valiosa. Eu sou fado, deambulo aqui como o fado, a minha vida é fado”.

Paralelamente às suas pinturas, Guus Slauerhoff criou objectos com materiais que”são uma espécie de atributos da vida”.


Exemplo disso são uns sapatos, que comprou por um euro na feira da ladra, e que o artista deu nova vida caligrafando neles uma letra de fado e baptizando-os de “sapatos de fado”. Porque, como confessa, “o fado possibilita-nos, enquanto seres humanos, contar a poesia intensamente profunda da vida”.

A Exposição “The Soul of Fado” (a alma do fado) inclui 18 pinturas, 14 desenhos,. cinco esculturas e ainda trabalhos de colagem e de ensemblage. De 16 de Novembro a 16 Janeiro de 2007, no Museu do Fado

preso pelo amor

Se é sem dúvida Amor esta explosão
de tantas sensações contraditórias;
a sórdida mistura das memórias,
tão longe da verdade e da invenção;

o espelho deformante; a profusão
de frases insensatas, incensórias;
a cúmplice partilha nas histórias
do que os outros dirão ou não dirão;

se é sem dúvida Amor a cobardia
de buscar nos lençóis a mais sombria
razão de encantamento e de desprezo;

não há dúvida, Amor, que te não fujo
e que, por ti, tão cego, surdo e sujo,
tenho vivido eternamente preso!

gravura de Ruth Rosengarten, poema de David Mourão-Ferreira

in utero


Através da combinação de scans de ultra-som tridimensionais, computação gráfica e micro-câmaras , a Pionner Productions realizou uma série de vídeos que permitem acompanhar o processo de desenvolvimento dos fetos de animais… e não só!

Podemos ver um minúsculo e perfeito elefante de 16 semanas – cujo período de gestação é de dois anos, um golfinho a aprender a nadar na barriga da mãe e como um feto de cachorro com apenas 63 dias possui já olfacto e audição apurados .
Passa no National Geographic Channel em Dezembro.

A Intervenção Surrealista

Espero que os meus auditores compreendam que não sou um erudito nem um filósofo, mas, sim, um longo diálogo. Outro factor também antipelagroso é o centro sobre o qual se move o perpétuo turbilhão da poesia. Não devem esperar, tão-pouco, de mim, frutos colhidos num vasto campo de investigação científica. Por felicidade minha, o tema da Poesia ganha em valor, e em interesse, conforme a experiência dos indivíduos que seriamente crêem nas suas capacidades. – Mário Cesariny, 9-Agosto-1923 / 26-Novembro-2006

 

pessoal e transmissível


O blog Geração Rasca lança o desafio para a eleição dos melhores blogues de 2006, mas com certas e determinadas regras!

Entre os méritos da simpática iniciativa está a possibilidade de descobrir novas paisagens, bem como vencer alguma (muita) preguiça em deambular pela blogosfera nos últimos tempos.

Na impossibilidade de conhecer todos os nomes-próprios e/ou perífrases da bloga, esta escolha resulta unicamente de afinidades e gostos pessoais.

MELHOR BLOG INDIVIDUAL FEMININO
Abrigo de Pastora
Blogzira
Divas & Contrabaixos
Eclético
Erotismo na Cidade
Pecola

MELHOR BLOG INDIVIDUAL MASCULINO
Blue Lounge
Estação Central
Je Maintiendrai
Ma-Schamba
Sobre o tempo que passa
Uma sandes de atum

MELHOR BLOG COLECTIVO
Blasfémias
Bitaites
Dias com árvores
O Futuro Presente
O Insurgente
Tugir

MELHOR BLOG TEMÁTICO
Divulgando Banda Desenhada
Noite Americana
Coisas de outros tempos
Estrela Cansada
Leituras
O Século Prodigioso

MELHOR BLOG 2006
Almocreve das Petas
Câmara Corporativa
Da Literatura
Educação Sentimental
french kissin`
Miniscente

MELHOR BLOGGER
Eduardo Pitta
José Manuel Fonseca
Jorge Ferreira
Rodrigo Adão Fonseca
Rui Albuquerque
Paulo Ferrero

Frei Carlos e o Belo Portátil

De origem flamenga e tendo professado em 1517 no antigo Convento do Espinheiro, junto a Évora, o monge-pintor Frei Carlos foi uma das mais proeminentes e lendárias figuras da pintura retabular em Portugal nas primeiras décadas do século XVI e alguns dos grandes painéis que a sua oficina pintou para os altares daquele convento jerónimo são das obras mais apreciadas na colecção do Museu Nacional de Arte Antiga.

Mas se é nestes grandes formatos que a pintura do Espinheiro revela desde logo especial originalidade, demonstrando em tais registos uma invulgar capacidade de integração espacial dos elementos da imagem em situações narrativas, não deixa de ser nos pequenos painéis devocionais que se afirma com especial nitidez uma sedutora técnica de utilização da própria matéria pictural, sendo também por aí que melhor se reconhece a sua ascendência na inconfundível tradição flamenga.

Esta exposição considera essa particular vertente da produção criativa da Oficina do Espinheiro, a das imagens religiosas para contemplação, meditação e oração individual ou privada, pinturinhas portáteis ou de oratório privativo que, na cela monástica, estimulavam uma piedade afectiva na contemplação de figuras de Cristo, da Virgem com o Menino ou de S. Jerónimo no deserto.

O ponto de partida e fulcro do percurso expositivo é uma obra inédita de Frei Carlos recém-adquirida para a colecção do MNAA, uma belíssima representação do Ecce Homo (39,5 x 31 cm). Submetida a exames fotográficos e radiográficos, essa documentação sobre a peça é apresentada em termos comparativos com documentação congénere de outras pinturas de tipo devocional produzidas no Espinheiro.
A exposição procura assinalar, através de 30 pinturas de pequeno formato mas de grande qualidade, a extraordinária procura de imagens devocionais na Europa do final da Idade Média e início do Renascimento, correspondendo a uma certa expressão do sentimento religioso e a um incremento do pietismo individual nessa época. As obras são de autoria predominantemente flamenga e portuguesa e algumas das pinturas mais qualificadas provêm de colecções privadas, nunca ou muito raramente tendo sido expostas ao público.

Jesus Cristo está a chorar. Várias lágrimas, oito, escorrem-lhe pela cara. A luz incide sobre elas. Algum sangue surge entre os lábios. O novo Ecce Homo do Museu de Arte Antiga, uma pequena pintura, com 40 centímetros de altura e 30 de largura, é uma obra para se ver muito de perto.
Frei Carlos, o pintor monge do século XVI, fê-la exactamente a pensar nessa proximidade. Fê-la também a pensar que a pudessem levar de um lado para o outro, como um Livro de Horas. “As pessoas meditam, rezam, oram em frente a estas imagens. É uma devoção mais humanista.(…)

Finalmente, coroando uma das componentes iconográficas do percurso expositivo, apresenta-se também o painel Virgem com o Menino e Anjos (1536-38), da autoria de Gregório Lopes, que acaba de ser restaurado pelo Departamento de Conservação do MNAA.

Uma pintura do século XVI para rezar em casa
Isabel Salema – Público

Esta pequena exposição temporária junta 30 obras, 23 das quais são pinturas com esta dimensão pequena. “É essa tipologia de pequeno formato que dá à peça um carácter portátil.” O quadro recém-adquirido pode ter sido pintado para um prior de um convento o utilizar e apreciar em privado. “Estas peças querem estimular um diálogo piedoso com o sagrado numa dimensão privada. É o que nos diz o Ecce Homo do ponto de vista material, mas não há lastro do ponto de vista histórico.” Não se sabe de onde vem, a não ser que estava no século XIX na colecção privada de Jorge O”Neill, em Lisboa.
“Há um realismo sereno na figura. Tem o sangue a escorrer e está como se nada fosse. Mas não deixa de ser fortemente dramática, porque a associamos ao heroismo de Cristo. O diálogo emotivo concentra-se no olhar directo de Cristo, profundamente humanista.” Essa intenção interpelativa, de experiência imediata com a divindade, tem também um carácter sensorial.

O mais poético dos luso-flamengos
Estas peças de devoção privada são o inverso dos grandes retábulos das igrejas – Frei Carlos pintou vários, alguns encomendados pelo rei D. Manuel I -, que podemos considerar a arte pública da época. Ao contrário dos retábulos, onde há uma narrativa detalhada, no Ecce Homo não há representação do espaço ou do tempo. Estas imagens de devoção privilegiam a figura de Cristo e da Virgem Maria, num retrato em busto ou meio-corpo.
Frei Carlos é uma das figuras lendárias da pintura portuguesa. José Alberto Seabra diz que a descoberta desta pintura “foi uma surpresa fortíssima”. É “inconfundivelmente” um Frei Carlos no estilo e terá sido pintada na década em que esteve mais activo, os anos 20 e 30 do século XVI. “Tem essa característica dos bons pintores flamengos, como Van Eyck e Roger Van der Weiden: consegue um apurado realismo da forma e simultaneamente uma idealização poética. Junta o real com o ideal.” As mãos é o que mais impressiona José Alberto Seabra no quadro. “Parecem as de uma Madona. Ele é o mais poético dos luso-flamengos.”
Frei Carlos é entre os pintores três luso-flamengos da época – além dele há Francisco Henriques (o favorito do rei) e o Mestre da Lourinhã – o que melhor domina a perspectiva, uma visão racionalizada do espaço, como se vê nos retábulos. São estes três, aliás, os melhores pintores em Portugal no início do século XVI. Frei Carlos terá estudado em Bruges ou Antuérpia e vem para Portugal porque cá há trabalho.

O primeiro documento que se conhece sobre o monge-pintor é aquele que diz que professa no Convento do Espinheiro, em Évora, em Abril de 1517. “Eu Frei Carlos de Lisboa flamengo faço profissão…” Em 1540, sabe-se que terá morrido, porque outro documento refere o destino a dar ao espólio que estava na sua cela. Depois, várias crónicas falam-nos da sua fama como pintor.

Próximo da cidade de Évora, e bem no coração das vastas planícies Alentejanas, ergue-se o antigo e agora renovado Convento do Espinheiro, transformado num surpreendente hotel de luxoEste convento tem a sua origem numa lenda que relata a aparição da Virgem sobre um espinheiro. Em 1458, dada a importância deste local como destino de peregrinações, foi fundada uma igreja e posteriormente o convento que chegou a receber a visita de reis de Portugal.

“Ele tem uma produção em circuito fechado. Terá só feito obras para os conventos da sua ordem, a dos monges de São Jerónimo.” O Espinheiro, mas também os Jerónimos em Belém, Santa Marinha da Costa em Guimarães ou a Pena em Sintra. A oficina de Frei Carlos, instalada no Convento do Espinheiro, é a única em Portugal, na sua época, que faz estas imagens de devoção, chamadas imago pietatis.
Nos Países Baixos, estas pinturas devocionais de pequeno formato são comuns desde o século XV. (…)

uma obra-prima para admirar enquanto se está VIGO

Um Inverno difícil: Dezembro de 1933.
Um realizador teimoso e doente: Jean Vigo.
Um produtor inexperiente e opinativo: Jacques-Louis Nounez. Dois actores célebres: Michel Simon, que tinha acabado de se impor com “Jean de la Lune” e “Boudu Sauvé des Eaux”, e Dita Parlo, vedeta berlinense.
Um terceiro protagonista, amigo de Vigo e também herói da sua média-metragem proibida, “Zéro de Conduite”, Jean Dasté.
Um argumento minimalista, púdico e violento ao mesmo tempo; a esposa de um marinheiro que o troca por um bufarinheiro.
Um director de fotografia inspirado: Boris Kaufman.
Um músico de talento: Maurice Jaubert.
E uma obra-prima mítica: L’ ATALANTE.
Começa então a maldição deste filme. 5 de Outubro de 1934: Jean Vigo, extremamente esgotado pela rodagem e sofrendo de septicemia, morre. Tinha vinte e nove anos e deste filme não viu senão uma primeira montagem…
Um filme de Jean Vigo Com Michel Simon, Dita Parlo, Jean Dasté
Extras do dvd: De L’ Atalante a L’ Atalante – A história de um restauro.

Em L’Atalante, o visionário Jean Vigo combina o experimentalismo surrealista e uma nova perspectiva do detalhe para, numa nova linguagem cinematográfica – até então só visível em Murnau -, contar uma história de encontros e desencontros amorosos de gloriosa simplicidade, enquanto nos mostra Paris com uma luminosidade que só encontramos em Cartier Bresson.
São quatro, as obra-primas poéticas do diretor Jean Vigo:
A Propos de Nice, 1929 / Taris, Roi de L’eau,1931 / Zero de Conduite, 1933 e L’Atalante, 1934
L’ Atalante será exibido a 10 de Fevereiro de 2007 no Grande Auditório da Gulbenkian, integrado no Ciclo 50 filmes inesquecíveis.

Sobre a ressurreição do filme, leitura recomendada: “Je force le spectateur…” Jean Vigo


Jean VIGO

Cinéaste français, d’origine catalane, né à Paris le 24 avril 1905.
Fils de l’anarchiste Eugène-Bonaventure de Vigo, plus connu sous le nom de Miguel de Almereyda, Jean Vigo a laissé dans sa trop brève, mais fulgurante carrière l’empreinte d’une œuvre incandescente, poétique et fraternelle, sans concessions “à la loi des forains”.
Ses écrits, comme ses films, témoignent d’une volonté farouche et passionnée de concilier la poésie des images et le désir de justice sociale ; l’approche chaleureuse des êtres et la révolte contre le désordre établi et ses “éternels voleurs d’énergie”.
Sa vie de météore souffrant est hantée par les violences criminelles du monde et habitée par une soif rebelle de vivre et d’aimer.
Il meurt à Paris le 5 octobre 1934.

%d bloggers like this: