Arquivo de Novembro, 2006

Desconstruindo a Santa Inquisição

1. Sede do CDS-PP vandalizada
Os responsáveis pelos actos de vandalismo rasgaram os quadros, destruíram as maquetas e as esculturas e ainda pintaram as paredes exteriores com grafitis insultuosos.
Não têm suspeitos pese embora “as tintas usadas para pintar as paredes sejam de cor vermelha”. Os grafitis deixados nas paredes continham vários insultos políticos a dirigentes do partido com palavrões.

Não fique zangado, Luis, pois eles sabem o que fazem.


2. Deus nos livre dos católicos
Sabia que a deputada Ana Manso, do PSD, é “católica” e por isso a favor do aborto? Eu também não.

Não há nada como “falar claro”. Senão, leia-se o fascínio da estigmatização segundo Pedro Picoito. E havia necessidade de meter o Bosch ao barulho?

Anúncios

Sem culpa formada, ou As mãos de Pilatos


Na coluna de ontem do DN, Pedro Rolo Duarte fala de martírio!

Com alguma graça, a referência que não há trânsito a favor, no IC19.
Porém, não refere que o martírio significa um glorioso sinal de desenvolvimento, pelo menos na perspectiva dos responsáveis do poder autárquico e central, que nas últimas décadas deram aos Pimentas & Rendeiros e quejandos a possibilidade de construir monumentais aberrações urbanísticas como Reboleira, Amadora, Massamá, Cacém e Mercês.
Que definitivamente contribuiram para o suplício dos mártires do IC19!
Bem podem alargá-lo para 4 faixas em cada sentido que, se não revolucionarem as acessibilidades, as pessoas vão continuar a sair de casa e entrar na fila!
Continua portanto sem solução, o martírio!

Lisboa assistiu impotente à debandada da malta nova que, ao casar, se viu empurrada para a periferia! E todos os dias os vê atravessar o martírio das obras do túnel do Marquês….

E aqui chegado, PRL afirma: Ora, essa condição natural portuguesa é a mesma que por mim passa diariamente quando atravesso o martírio criado pela “invenção” do túnel do Marquês (a abertura do túnel acabará com o martírio do trânsito no eixo Amoreiras/Marquês?)

Que rotunda observação , meu caro!
O martírio da entrada em Lisboa não foi criado pela invenção do túnel. O túnel foi inventado para acabar com o martírio.
Não fôra o Torquemada-Sá Fernandes, pelo menos nesta altura já o sofrimento não seria tão grande…

“The Soul of Fado”


Tributo de Guus Slauerhoff ao universo do Fado, entendido no quadro da sua plena universalidade.
O fascínio pelo fado levou-o a visitar Lisboa por várias vezes, nos anos de 2004 e 2005.
Alfama, bairro repleto de segredos históricos, e o Museu do Fado que aí se encontra, ganharam para ele um interesse primordial.
Durante as suas estadas em Lisboa, desenhou fadistas nas casas de fado e vagueou quotidianamente por Alfama, cuja ambiência conseguiu assim encontrar mais de perto.

A arte plástica de Guus Slauerhoff quer representar aquela vivência e experiência do fado, tocando-as, explorando-as, tornando-as palpáveis e visíveis como uma nova dimensão do fado.

“Os meus quadros contam uma história. São uma espécie de ícones de esperança”, diz o artista no vídeo que acompanha a exposição. “Nunca houve um artista como eu que manifestasse desta forma este interesse pelo fado. Gosto de calcorrear as ruelas, de ouvir os intérpretes do fado vadio. Há sempre uma lua no céu, um cão que ladra, um galo a cantar.. Acho isto uma experiência muito valiosa. Eu sou fado, deambulo aqui como o fado, a minha vida é fado”.

Paralelamente às suas pinturas, Guus Slauerhoff criou objectos com materiais que “são uma espécie de atributos da vida”.

Exemplo disso são uns sapatos, que comprou por um euro na feira da ladra, e que o artista deu nova vida caligrafando neles uma letra de fado e baptizando-os de “sapatos de fado”. Porque, como confessa, “o fado possibilita-nos, enquanto seres humanos, contar a poesia intensamente profunda da vida”.

A Exposição The Soul of Fado (a alma do fado) inclui 18 pinturas, 14 desenhos, cinco esculturas e ainda trabalhos de colagem e de ensemblage.
De 16 de Novembro a 16 Janeiro de 2007, no Museu do Fado

fonte: JN

“The Soul of Fado”

Tributo de Guus Slauerhoff ao universo do Fado, entendido no quadro da sua plena universalidade.
O fascínio pelo fado levou-o a visitar Lisboa por várias vezes, nos anos de 2004 e 2005.
Alfama, bairro repleto de segredos históricos, e o Museu do Fado que aí se encontra, ganharam para ele um interesse primordial.
Durante as suas estadas em Lisboa, desenhou fadistas nas casas de fado e vagueou quotidianamente por Alfama, cuja ambiência conseguiu assim encontrar mais de perto.


A arte plástica de Guus Slauerhoff quer representar aquela vivência e experiência do fado, tocando-as, explorando-as, tornando-as palpáveis e visíveis como uma nova dimensão do fado.

“Os meus quadros contam uma história. São uma espécie de ícones de esperança”, diz o artista no vídeo que acompanha a exposição. “Nunca houve um artista como eu que manifestasse desta forma este interesse pelo fado. Gosto de calcorrear as ruelas, de ouvir os intérpretes do fado vadio. Há sempre uma lua no céu, um cão que ladra, um galo a cantar.. Acho isto uma experiência muito valiosa. Eu sou fado, deambulo aqui como o fado, a minha vida é fado”.

Paralelamente às suas pinturas, Guus Slauerhoff criou objectos com materiais que”são uma espécie de atributos da vida”.


Exemplo disso são uns sapatos, que comprou por um euro na feira da ladra, e que o artista deu nova vida caligrafando neles uma letra de fado e baptizando-os de “sapatos de fado”. Porque, como confessa, “o fado possibilita-nos, enquanto seres humanos, contar a poesia intensamente profunda da vida”.

A Exposição “The Soul of Fado” (a alma do fado) inclui 18 pinturas, 14 desenhos,. cinco esculturas e ainda trabalhos de colagem e de ensemblage. De 16 de Novembro a 16 Janeiro de 2007, no Museu do Fado

preso pelo amor

Se é sem dúvida Amor esta explosão
de tantas sensações contraditórias;
a sórdida mistura das memórias,
tão longe da verdade e da invenção;

o espelho deformante; a profusão
de frases insensatas, incensórias;
a cúmplice partilha nas histórias
do que os outros dirão ou não dirão;

se é sem dúvida Amor a cobardia
de buscar nos lençóis a mais sombria
razão de encantamento e de desprezo;

não há dúvida, Amor, que te não fujo
e que, por ti, tão cego, surdo e sujo,
tenho vivido eternamente preso!

gravura de Ruth Rosengarten, poema de David Mourão-Ferreira

in utero


Através da combinação de scans de ultra-som tridimensionais, computação gráfica e micro-câmaras , a Pionner Productions realizou uma série de vídeos que permitem acompanhar o processo de desenvolvimento dos fetos de animais… e não só!

Podemos ver um minúsculo e perfeito elefante de 16 semanas – cujo período de gestação é de dois anos, um golfinho a aprender a nadar na barriga da mãe e como um feto de cachorro com apenas 63 dias possui já olfacto e audição apurados .
Passa no National Geographic Channel em Dezembro.

A Intervenção Surrealista

Espero que os meus auditores compreendam que não sou um erudito nem um filósofo, mas, sim, um longo diálogo. Outro factor também antipelagroso é o centro sobre o qual se move o perpétuo turbilhão da poesia. Não devem esperar, tão-pouco, de mim, frutos colhidos num vasto campo de investigação científica. Por felicidade minha, o tema da Poesia ganha em valor, e em interesse, conforme a experiência dos indivíduos que seriamente crêem nas suas capacidades. – Mário Cesariny, 9-Agosto-1923 / 26-Novembro-2006

 

Anúncios
%d bloggers like this: