Arquivo de 5 de Outubro, 2019

‘O Canal da Giudecca e a Igreja de Santa Marta’, de Francesco Guardi

Adquirida por Calouste Gulbenkian em 1920, esta obra do pintor veneziano Francesco Guardi [5 Out 1712 – 1 Jan 1793] pertence à colecção permanente do Museu.

O Canal da Giudecca e a Igreja de Santa Marta
Francesco Guardi [1712-1793]
Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa

Francesco Guardi representa nesta composição, na qual se avista a ponta de Santa Marta e o canal da Giudecca, uma Veneza periférica povoada de pormenores que narram a vida quotidiana da população local, motivo através do qual o pintor exprimiu de forma particularmente conseguida a sua imensa sensibilidade artística. Este distanciamento relativamente ao lado faustoso de outras pinturas da sua autoria, das quais o Museu Calouste Gulbenkian possui excelentes exemplos (as Feste, sobretudo), proporcionou a Guardi, pela óbvia informalidade do tema, concentrar-se na representação de um amanhecer enevoado, onde a atmosfera feérica do canal toma posse de toda a superfície pictórica.

Na cena prevalecem tonalidades prateadas e azuladas, surgindo as formas mais distantes, embarcações e silhuetas de edifícios, diluídas em leves pinceladas monocromáticas. A humidade da lagoa e o céu acinzentado fazem lembrar a arte do holandês Jan van Goyen. Francesco Guardi faz ainda uso do sfumato, uma concepção de luz com interferência directa na intensidade do contraste existente entre os objectos representados e o espaço envolvente, produzindo-se a partir desse artifício técnico um fenómeno óptico através do qual cor e contornos se atenuam e se dissolvem.
Via Museu Calouste Gulbenkian.

%d bloggers like this: