Iconografia do Natal

Encontros no MNAz - Iconografia do Natal

Destaques do Programa

  • Uma herança de afectos: A Natividade na Cultura Portuguesa
  • A Natividade na Escultura, entre a Idade Média e o Renascimento
  • A Natividade de barro: os presépios barrocos
  • A natividade no teatro de Gil Vicente
  • Aspectos da Natividade na iconografia da pintura do século XVI
  • A Natividade na pintura barroca portuguesa
  • A Natividade na pintura contemporânea
  • O percurso de uma Natividade: desde a Igreja de Santo André até ao Museu Nacional do Azulejo

 

 

Sábado à noite temos visita guiada a uma obra prima da escultura barroca portuguesa do século XVIII, com autoria de Dionísio e António Ferreira (pai e filho), o Presépio da Igreja da Madre de Deus. Entrada livre.
Tendo estado cerca de 200 anos afastado do Convento, após a extinção das Ordens Religiosas em 1830, o Presépio regressou em 2006 pela mão de Paulo Henriques, agora Director do MNAA.

 

 

Programa:

21h00, Concerto 
Alunos do Conservatório Metropolitano de Música de Lisboa e da Escola Profissional Metropolitana de Música 

22h00 – 23h00 
Visitas orientadas: 
– Painéis de azulejo e pinturas da igreja da Madre de Deus 
– Painel de “Nossa Senhora da Vida” , cerca de 1580
– Painel “Os Reis Magos” da autoria de Jorge Barradas 
– Presépio da Madre de Deus

 

Não há registo exacto do número de peças que poderiam formar o presépio da Madre de Deus. Presentemente é composto por 42 peças, com diferentes tamanhos (de 15cm a 70cm), as quais compõem um dos primeiros exemplares de grandes presépios em terracota, que corresponde bem ao gosto português pelos presépios.

A Sagrada Família, um conjunto de anjos que tocam, a adoração dos pastores, os reis magos que aparecem em último plano ainda a cavalgar em direcção à sagrada família fazem parte do conjunto. Característica desta obra também é o facto de as figuras serem retratadas tal como eram no princípio do Séc. XVIII: o camponês que trata dos queijos, outro que toca sanfona, um casal de camponeses com as crianças, criando uma grande associação com a realidade da época.

“Há um realismo barroco na forma verdadeira como tudo é descrito, mas tudo está cheio de um espírito muito voluptuoso, os tecidos são muito belos, as figuras muito bonitas, sendo também um veículo de espiritualidade para todo o conjunto”, descreve Paulo Henriques, Director do Museu Nacional do Azulejo.

O restauro demorou alguns anos. Neste processo “fomos à descoberta das cores iniciais das figuras”, relata, num trabalho levado a cabo por uma restauradora.

O presépio tem uma dimensão teatral, porque as peças que estão mais próximas são maiores e as que se encontram mais distante são mais pequenas, igualando assim o efeito da perspectiva.

Desmontada em 1830, esta obra integrou o património do Estado, dado o encerramento das instituições monásticas, e encontrava-se no Museu Nacional de Arte Antiga. O presépio foi reunido e conservado, chegando em grande parte até aos nossos dias.

“A circunstância feliz agora permite o regresso à Casa do Presépio que existe no Convento da Madre de Deus”, sublinha o Director do Museu Nacional do Azulejo. “Sempre houve um espaço que se chamava a casa do presépio, sendo um espaço reservado que albergava o presépio no antigo Convento de Clarissas da Ordem de São Francisco, que iniciou o culto pelos presépios”, acrescenta.

Esta peça tinha um grande peso na instituição dentro dos objectos rituais e litúrgicos tinha um peso central. É uma obra muito importante que se encontrava na Capela de Santo António, “regressa agora ao seu lugar de origem. Vamos poder usufruir de uma peça de escultura que é uma obra prima da escultura portuguesa”, frisa Paulo Henriques.

 

Tradição portuguesa

Há uma tradição de escultura em terracota em Portugal. O Director do Museu nacional do Azulejo afirma que este exemplar, a partir de hoje, disponível ao público, será dos primeiros exemplares de grandes presépios em terracota, correspondendo bem ao gosto português pelos presépios. Feitos de barro cozido, modelados por mãos de grande mestre, levam um preparo de gesso para receber a pintura de grande rigor e qualidade. Por último recebem uma folha de ouro.

O século XVIII é considerado o século de ouro dos presépios portugueses, modelados pelos Franciscanos, Dominicanos e portugueses vindos recentemente de Itália onde tinham estudado por conta de fidalgos. Os frades de Alcobaça e de Mafra, as escolas de Lisboa e do Alentejo, e artistas como Joaquim Machado de Castro e Alexandre Guisti tomaram- se famosos nesta época.

Machado de Castro, artista de Coimbra nascido em 1731, é um dos mais conhecidos escultores de presépios, tendo modelado inúmeros trabalhos deste género, cheios de fantasia, humanismo e imaginação. António Ferreira foi outro barrista da mesma época que modelou figurinhas cheias de fantasia, que se encontram no convento da Cartuxa de Laveiras e no da Madre de Deus em Lisboa.

No século XIX as guerras que se fizeram sentir em Portugal fizeram com que não houvesse ambiente para se fazerem presépios. A extinção de conventos levou a que muitos presépios desaparecessem. Em algumas casas particulares nobres, os seus presépios também se perderam, no entanto ficaram frequentemente as figuras principais: o Menino, a Virgem, S. José, o burro e a vaca.

No século XX e até hoje as tradições dos presépios não desapareceram. Um pouco por todo lado esta tradição mantém-se com recurso a uma genuína criatividade e, por vezes até, alguma aventura.

 

O gosto pelo presépio que marca esta época do ano, tem características na sua descrição que se estendem aos dias de hoje: pequenos episódios que não se relacionando directamente com a cena central, ajudam a retractar o quotidiano da época “chegando mesmo a contar uma história para além da cena principal” declara Paulo Henriques. A roupa e os tecidos, são características deste tipo de presépios, sendo também documento da época em que a obra foi feita.

Via.

Anúncios
  1. 14 de Dezembro, 2008

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

In Gaza

and beyond

Ana Isa Figueira

Psicologia Educacional

Histórias de Portugal em Marrocos

sobre Património, História e outras histórias

Carlos Martins

Portuguese Jazz Musician, Saxophone Player and Composer

O Cantinho Sporting

Onde a opinião é verde e branca!

TABOO of ART

'Also known as loveartnotpeople.uk, taboofart.com might just be the unintentional cure for the art world malaise: Spend twenty minutes trawling through the archives and you’ll be begging for the arcane pomposity of an Artforum Critic’s Pick' said BLACKBOOK Magazine

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

Luz da imagem

A luz, essência da imagem e da fotografia. Analógica/digital; imagem real; imagem artística; Ensaios fotográficos.

The Libertine

A public blog that features a compilation of exceptional artists' works; serendipitously discovered by a secret admirer. The ongoing overtones of the production frequently include evocative imagery, passionate emotions, pure beauty and raw exprience (to name a few themes). Our content is composed of artistic expressions, fashion editorials, promising talents, diverse bodies, freedom for all, love forever and the eternal search for truth in the visceral .......................................................................................................................................................................................... (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

%d bloggers like this: