Arquivo de 19 de Dezembro, 2004

In Memorian

Morreu a Diva!



Renata Tebaldi (1922-2004)

L’amore!.. cantado pela Diva!

La mamma morta, na voz de Maria Callas, é daquelas interpretações em que não é necessário gostar de ópera para nos emocionarmos.

Recordo a interpretação de Tom Hanks em Filadélfia, quando traduz para o seu advogado, Denzel Washington, o amor expresso naquelas palavras.

De ficar sem fôlego!

Andrea Chenier, de Umberto Giordano



Acto III



A Sala de tribunal do Tribunal Revolucionário, 24 de julho de 1794.

Mathieu tenta junto da multidão angariar doações para a causa. As pessoas não respondem até que aparece Gérard, o criado. Ele chama as pessoas para darem o que podem, até mesmo os filhos. Uma mulher cega aparece com um menino jovem. Diz-lhe que este é seu o neto e tudo o que tem no mundo. Implora para que Gérard o leve.

A multidão dispersa e chega L’Incredibile, o espião. Diz a Gérard que Chenier, o poeta, havia sido detido e que em breve também a jovem e nobre Maddalena terá o mesmo destino.

Apesar da indignação que sente pelas cínicas palavras que acaba de ouvir, Gérard obedece e denuncia Andrea para salvar Maddalena, que vem procurar o poeta, seu amado.

A amizade que o une a Andrea vale menos que o amor que nutre pela donnina innamorata.

Maddalena diz que morrerá a gritar o seu Amor nas ruas. Se o preço da vida de Chenier implica que o seu corpo seja de Gérard.. que assim seja.

Maddalena
conta como a sua família desapareceu num incêndio e como ficou só; fala sobre a morte de sua mãe e como trás a desgraça a todos os que a amam..

Porto sventura a chi bene mi vuole!

Grita que aquele Amor é vida. Um anjo chegou para a proteger, mas o beijo que recebeu era o beijo da morte.

Corpo di moribonda è il corpo mio!

Prendilo, dunque!… Io son già morta cosa!…

Maddalena oferece o seu corpo moribundo a Gérard.

La mamma morta (canta Maria Callas) – clique para ouvir



Maddalena:



La mamma morta

m’hanno alla porta

de là della stanza mia;

moriva e mi salvava!…

poscia – a notte alta – io con la Bersi errava,

quando, ad un tratto, un livido bagliore

guizza e rischiara innanzi a’ passi miei

la cupa via!

Guardo!… Bruciava il loco di mia culla!

Così fui sola!… E intorno il nulla!

Fame e miseria!…

Il bisogno e il periglio!…

Caddi malata!…

E Bersi, buona e pura,

(ed a narrarlo mancan le parole)


di sua belezza ha fatto un mercato,

un contratto per me!

Porto sventura

a chi bene mi vuole!

(Ad un tratto, nelle pupille larghe di Maddalena si effonde una luce di suprema gioja, una gran luce profonda come riflesso di splendore misterioso.)

Fu in quel dolore

che a me venne l’amore!…

(Maddalena rimane in silenzio meditabonda – un dolcissimo sorriso sulle labbra)

Voce gentile piena d’armonia

che mi sussurra: “Spera!”


e dice: Vivi ancora! Io son la vita!

Ne’ miei occhi è il tuo cielo!

Tu non sei sola! Le lacrime tue

io le raccolgo!… Io sto sul mio cammino

e ti sorreggo il fianco

affaticato e stanco!…

Sorridi e spera ancora!… Son l’amore!

Intorno è sangue e fango?… Io son divino!…

Io sono il paradiso!… Io son l’oblio!

Io sono il dio

che sovra il mondo scende da l’empireo,

muta gli umani in angioli,

fa della terra il ciel!…

Io son l’amore!

Io son l’amore!

L’amore!




(Ed essa pure, come già Gérard, rimane per un momento silenziosa, affannata da quel ricordo tumultuoso. – E poi con voce piena di immensa tristezza balbetta:)

L’angiol tremante allor le labbra smorte

della mia bocca bacia… E or vi bacia la morte!…

(un desolato singhiozzo la costringe ad interrompere, poscia affannosamente riprende:)

Corpo di moribonda è il corpo mio!

Prendilo, dunque!… Io son già morta cosa!…

L’amore!.. cantado pela Diva!

La mamma morta, na voz de Maria Callas, é daquelas interpretações em que não é necessário gostar de ópera para nos emocionarmos.

Recordo a interpretação de Tom Hanks em Filadélfia, quando traduz para o seu advogado, Denzel Washington, o amor expresso naquelas palavras.

De ficar sem fôlego!

Andrea Chenier, de Umberto Giordano



Acto III



A Sala de tribunal do Tribunal Revolucionário, 24 de julho de 1794.

Mathieu tenta junto da multidão angariar doações para a causa. As pessoas não respondem até que aparece Gérard, o criado. Ele chama as pessoas para darem o que podem, até mesmo os filhos. Uma mulher cega aparece com um menino jovem. Diz-lhe que este é seu o neto e tudo o que tem no mundo. Implora para que Gérard o leve.

A multidão dispersa e chega L’Incredibile, o espião. Diz a Gérard que Chenier, o poeta, havia sido detido e que em breve também a jovem e nobre Maddalena terá o mesmo destino.

Apesar da indignação que sente pelas cínicas palavras que acaba de ouvir, Gérard obedece e denuncia Andrea para salvar Maddalena, que vem procurar o poeta, seu amado.

A amizade que o une a Andrea vale menos que o amor que nutre pela donnina innamorata.

Maddalena diz que morrerá a gritar o seu Amor nas ruas. Se o preço da vida de Chenier implica que o seu corpo seja de Gérard.. que assim seja.

Maddalena
conta como a sua família desapareceu num incêndio e como ficou só; fala sobre a morte de sua mãe e como trás a desgraça a todos os que a amam..

Porto sventura a chi bene mi vuole!

Grita que aquele Amor é vida. Um anjo chegou para a proteger, mas o beijo que recebeu era o beijo da morte.

Corpo di moribonda è il corpo mio!

Prendilo, dunque!… Io son già morta cosa!…

Maddalena oferece o seu corpo moribundo a Gérard.

La mamma morta (canta Maria Callas) – clique para ouvir



Maddalena:



La mamma morta

m’hanno alla porta

de là della stanza mia;

moriva e mi salvava!…

poscia – a notte alta – io con la Bersi errava,

quando, ad un tratto, un livido bagliore

guizza e rischiara innanzi a’ passi miei

la cupa via!

Guardo!… Bruciava il loco di mia culla!

Così fui sola!… E intorno il nulla!

Fame e miseria!…

Il bisogno e il periglio!…

Caddi malata!…

E Bersi, buona e pura,

(ed a narrarlo mancan le parole)


di sua belezza ha fatto un mercato,

un contratto per me!

Porto sventura

a chi bene mi vuole!

(Ad un tratto, nelle pupille larghe di Maddalena si effonde una luce di suprema gioja, una gran luce profonda come riflesso di splendore misterioso.)

Fu in quel dolore

che a me venne l’amore!…

(Maddalena rimane in silenzio meditabonda – un dolcissimo sorriso sulle labbra)

Voce gentile piena d’armonia

che mi sussurra: “Spera!”


e dice: Vivi ancora! Io son la vita!

Ne’ miei occhi è il tuo cielo!

Tu non sei sola! Le lacrime tue

io le raccolgo!… Io sto sul mio cammino

e ti sorreggo il fianco

affaticato e stanco!…

Sorridi e spera ancora!… Son l’amore!

Intorno è sangue e fango?… Io son divino!…

Io sono il paradiso!… Io son l’oblio!

Io sono il dio

che sovra il mondo scende da l’empireo,

muta gli umani in angioli,

fa della terra il ciel!…

Io son l’amore!

Io son l’amore!

L’amore!




(Ed essa pure, come già Gérard, rimane per un momento silenziosa, affannata da quel ricordo tumultuoso. – E poi con voce piena di immensa tristezza balbetta:)

L’angiol tremante allor le labbra smorte

della mia bocca bacia… E or vi bacia la morte!…

(un desolato singhiozzo la costringe ad interrompere, poscia affannosamente riprende:)

Corpo di moribonda è il corpo mio!

Prendilo, dunque!… Io son già morta cosa!…

%d bloggers like this: