Por uma Junta de Freguesia ao serviço das pessoas

Devo confessar que a visita ao Edifício da Junta de Santa Isabel foi, para mim, foi uma revelação!
Não tenho experiência destas coisas, tão só alguma sensibilidade enquanto cidadão interessado com o que de bom e menos bom acontece com o meu semelhante.
O edifício é extraordinário. Não conheço a história porque nunca morei em Santa Isabel, mas o edifício é enorme.
Em potencial de utilização e de problemas para resolver.
Tenho muita dificuldade em entender como foi possível ter chegado a um tão deplorável estado de degradação. A incúria de quem tido responsabilidades na Junta ao longo dos anos deve ser penalizada.
Não faz qualquer espécie de sentido outra coisa que não seja o atendimento no rés-do-chão. Obrigar os utentes a subir dois andares de um edifício antigo é desumano (o elevador, segundo fui informado, funciona mal).

Ainda no rés-do-chão:
– na esquina do edifício há um espaço magnífico (mas vazio) que inclui uma mezzanine e que faz todo o sentido ser uitilizado pelos jovens, quer da freguesia, quer das escolas, pois existem recursos humanos para o dinamizar.
– entrámos no Centro de Dia em plena hora de almoço. Vê-se que os idosos se sentem bem e que convivem. Serve almoços e lanches e presta algum apoio domiciliário, mas tem debilidades: a cozinha, asseada, tem poucos recursos, as funcionárias têm deficientes condições de trabalho e das casas de banho só uma funciona. Faltam valências como espaços de lazer e convívio.

Junta de Freguesia de Santa Isabel, Lisboa - Painel de Azulejo

No primeiro andar, o único espaço ocupado está bem cuidado  e é composto por 3 salas bem organizadas mas um delas é o salão nobre.
Não faz sentido, mas do meu ponto de vista não é a primeira prioridade desalojar a CPJR (Comissão de Protecção de Jovens em Risco)
O resto do interior do primeiro piso é inenarrável – salas abandonadas (pelo Grémio), cheias de entulho. Dói só de imaginar a quantidade de serviços de apoio ao freguês que podem ser potenciados neste edifício onde, pura e simplesmente, vemos salas e salas vazias.
Na parte traseira existe um páteo com potencial, um armazém onde já funcionou o ginásio e que tem potencial para actividades e um anexo onde um colaborador muito interessado promove algumas actividades para crianças até aos 12 anos. O anexo tem fracas condições e um acesso com algum risco para os miudos.

No segundo piso estão a sala de atendimento e a dos 3 funcionários, com boas condições. A sala do Executivo e do Presidente são contíguas. As restantes salas estão vazias e sujas. Não se compreende!

O terceiro piso tem duas salas de arquivo, uma sala com uma “biblioteca” começada, uma sala com sapatos velhos, roupas velhas empilhadas no corredor, uma sala de estudo para miudos que mais parece a sala de castigo e mais uma sala para música.
As restantes, “ao contrário” das do segundo piso, estão sujas e vazias.

Em resumo:
Do enorme edifício teremos, no máximo, uma taxa de ocupação de 25%.
Imaginar o potencial desperdiçado é criminoso!
É fundamental criar uma equipa pluridisciplinar para explorar todo o potencial do edifício e criar condições para fazer deste edifício um espaço verdadeiramente ao serviço da população.

Palacete do Visconde Ferreira de Lima - segunda metade do século XIX

Acesso – Rua Saraiva de Carvalho, n.º 4 – 10; Rua de São Joaquim

Protecção – Incluído, parcialmente, na Zona de Protecção do Antigo Liceu de Pedro Nunes (v. PT031106300502)
Enquadramento – Urbano, rematando quarteirão (definido pela Rua Saraiva de Carvalho e Rua de São Joaquim) correspondendo a um alargamento de uma artéria principal do bairro. Na proximidade da Igreja de Santa Isabel (v. PT031106300652) e em posição fronteira do Palácio do Barão de Linhó (v. PT031106300653)
Descrição – Planta rectangular, massa simples paralelepipédica, cobertura efectuada por telhado a 3 águas, e por janelas trapeiras, do lado SO.. De 4 pisos (um deles ao nível da cobertura), o edifício exibe alçados mais visíveis integralmente revestidos a azulejo policromo de padrão de fabrico industrial (alçado principal e lateral NO.) e os alçados lateral SE. e posterior, em reboco pintado, com cunhais de cantaria. Marcado pela abertura de vãos com emolduramento simples de cantaria, a ritmo regular, alçado principal a SO., com piso térreo rasgado pela abertura de 2 portais, sensivelmente a eixo (e um outro no extremo O.) e janelas de peito de verga curva. Separado por friso de cantaria, o andar nobre diferencia-se pela morfologia dos vãos, aqui definidos por janelas de sacada de verga recta (servidas por varandins com base em cantaria e guarda metálica em ferro fundido) intercaladas com 2 janelas rectangulares de peito. O último andar é assinalado por janelas de peito, também observadas no alçado lateral NO.(com embasamento reforçado por contraforte). O edífício é superiormente rematado por cornija, acima da qual se eleva platibanda em muro (interrompida ao nível do alçado principal por 2 trapeiras). O alçado posterior, articula com terraço de planta rectangular, podendo reconhecer-se parte do antigo terraço, composto por zona delimitada por muro revestido a azulejo oitocentista de padrão, com conversadeiras, disposta contiguamente ao referido alçado *1. Com acesso principal coincidente com o portal mais a E., no INTERIOR reconhecem-se como principais elementos de distribuição e organização da compartimentação interna *2, vestíbulo de planta rectangular articulado, por meio de arco de volta perfeita em cantaria, com caixa de escada, que integra escadaria conducente aos pisos superiores.Ao nível do 3º andar, no extremo No. regista-se escada de serviço articulada com clarabóia, que assegura o acesso aos compartimentos localizados ao nível da cobertura. Do conjunto destaca-se a caixa da escada, com clarabóia, cujos muros se apresentam animados por pintura decorativa em trompe l’oeil e de marmoreados. Nos 2 pisos superiores, articulados por meio de escadaria de lanços rectos opostos com patamares intermédios e guarda metálica, merecem atenção os compartimentos orientados para o alçado principal e alçado lateral NO., pelas decorações dos tectos – ora pintados ora com estuques de baixo relevo.
Cronologia – Séc. 19, 2ª metade – contrução do edifício, destinado a residência de José António Ferreira de Lima (1808 – 1883), 1º visconde de Ferreira de Lima desde 1880, e de sua esposa, D. Amélia Augusta de Campos; 1883 – por falecimento do 1º visconde, o imóvel passa para a posse de seu filho primogénito e herdeiro, Francisco de Campos Ferreira de Lima (1860 – 1946), 2º visconde; 1946 – por falecimento do 2º visconde, o palacete torna-se propriedade de seu filho e herdeiro, José de Amorim Ferreira Lima (1893 – 1967?), 3º visconde; 1966 – por doença do proprietário é instalado um ascensor no interior do edifício; década de 80 – funciona no edifício o Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique; década de 90 – instala-se no imóvel a Junta de Freguesia de Santa Isabel.
Tipologia – Arquitectura civil, romântica. Palacete urbano oitocentista burguês, definido por massa compacta paralelepipédica, com 4 pisos (um deles ao nível da cobertura). O palacete constitui-se como paradigma do típico palacete urbano oitocentista burguês, cuja tipologia concilia soluções ainda características do palácio setecentista, com outras dos prédios de rendimento, entretanto em expansão e específicos do século 19.
Características Particulares – Esta edificação resulta da conjugação de elementos característicos do palácio setecentista – especialmente no que respeita à presença de uma escadaria enquantoprincipal elemento plástico, decorativo e gerador da distribuição interna, ou de cocheiras ao nível do piso térreo *3 – com outras dos prédios de rendimento – observáveis ao nível da organização dos alçados (que exibem revestimento a azulejo policromo de produção industria ) e do interior que, dado o desenvolvimento do edifício sobretudo no sentido vertical, obriga à distribuição dos principais compartimentos pelo 1º e 2º andar, diferenciados por um tratamento mais elaborado dos tectos, com recurso ora à pintura decorativa ora a estuques de baixo relevo.
Dados Técnicos – Paredes autoportantes.Materiais – Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira, vidro, azulejos.

Intervenção Realizada – PROPRIETÁRIO: 1926, Novembro – reparações interiores e exteriores de um muro do quintal; 1938, Abril – reparação da cobertura; 1941, Fevereiro – recolocação de azulejos na fachada; 1943, Julho – obras gerais de beneficiação; 1947, Junho – projecto de alterações exteriores e interiores; 1957, Julho – alteração de vãos de porta e de janela; 1958, Junho – pintura exterior das portas de acesso; 1960, Maio – obras de beneficiação e limpeza geral; 1966, Dezembro – montagem de ascensor; 1967, Maio – obras simples de conservação; 1968, Julho – obras gerais de beneficiação e limpeza.

Observações
*1 – neste existe ainda um lago que se encontra entaipado, dadas as actuais funções do mesmo, destinado a zona para crianças. *2 – na sequência da demolição de algumas paredes e construção de outras, bem como da necessidade de adaptação à actual ocupação do imóvel, é difícil reconhecer com clareza, o tipo primitivo de organização do mesmo. *3 – ainda existentes na década de 70 e entretanto demolidas.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

In Gaza

and beyond

Ana Isa Figueira

Psicologia Educacional

Histórias de Portugal e Marrocos

sobre Património, História e outras histórias

Carlos Martins

Portuguese Jazz Musician, Saxophone Player and Composer

O Cantinho Sporting

Onde a opinião é verde e branca!

TABOO of ART

'Also known as loveartnotpeople.uk, taboofart.com might just be the unintentional cure for the art world malaise: Spend twenty minutes trawling through the archives and you’ll be begging for the arcane pomposity of an Artforum Critic’s Pick' said BLACKBOOK Magazine

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

Luz da imagem

A luz, essência da imagem e da fotografia. Analógica/digital; imagem real; imagem artística; Ensaios fotográficos.

The Libertine

A public blog that features a compilation of exceptional artists' works; serendipitously discovered by a secret admirer. The ongoing overtones of the production frequently include evocative imagery, passionate emotions, pure beauty and raw exprience (to name a few themes). Our content is composed of artistic expressions, fashion editorials, promising talents, diverse bodies, freedom for all, love forever and the eternal search for truth in the visceral .......................................................................................................................................................................................... (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

%d bloggers like this: