A ‘Casa das Histórias’ de Paula Rego

Uma história simples. Paula Rego é a artista - deu as obras. Eduardo Souto de Moura foi o arquitecto - desenhou o edifício.

Por Vanessa Rato – Público

Não é propriamente o tipo de história a que estamos habituados. Portugal: num país onde são mais comuns as colecções que procuram museu e que conhece, como alternativa, museus sem orçamento para constituir colecções, eis, de repente, este caso: o da Casa das Histórias Paula Rego.
Avenida da República, Cascais, à direita depois da Cidadela, afastando-nos ligeiramente da baía e do centro histórico, uma avenida ampla, algo árida. Faixas de rodagem, carros para cá e para lá, uns quantos prédios e moradias escondidos por grades e sebes, e, agora, no número 300, um muro baixo e reboludo, pouco mais do que à altura do nosso peito, a deixar ver um relvado espesso e fofo como um tapete de lã cruzado por um discreto caminho de pedra e cortado a dada altura por uma elegante frente de eucaliptos frondosos. Lá ao fundo, por detrás desta harmoniosa moldura natural, uma construção cor de barro, um edifício térreo e quase cego do qual irrompem duas torres em forma de pirâmide, tudo num vermelho Ferrari que desmaiou e começou a fazer-se rosa-velho.
Aparição misteriosa esta, perfume vago a exotismo tumular de civilização antiga, mas, ao mesmo tempo, com qualquer coisa discreta e muito cá de casa, escala inesperadamente humana e quente, sem os sobressaltos e espantos epifânicos que a maioria da arquitectura museológica contemporânea mais conhecida tem vindo a impor na paisagem internacional.
Duas torres
Um piso térreo com uma entrada baixa e duas torres: esta é a Casa das Histórias Paula Rego vista de fora, a mesma que se prevê que o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva e Paula Rego, ela própria, inaugurem oficialmente hoje pelas 11h00, e que na inauguração ao público, às 18h00, receberá largas centenas de convidados.
Desde que assumiu funções, em 2006, Cavaco Silva – e Portugal com ele – teve oportunidade de assistir a dois momentos do género, o primeiro logo no ano da sua tomada de posse, quando a Fundação Ellipse abriu portas em Alcoitão; o segundo em 2007, quando o Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém reabriu como Museu Colecção Berardo de Arte Moderna e Contemporânea, em Lisboa.
Dois museus, duas controvérsias: após anos de tensões, ameaças e polémicas, Cavaco Silva aprovou, mas afirmou ter dúvidas sobre o modelo do Museu Berardo – questionou a distribuição de poderes entre o Estado e Joe Berardo, o conhecido coleccionador e investidor que cedeu a sua conhecida colecção por dez anos ao país mediante a criação de um pólo permanente para a sua exposição; quanto à Fundação Ellipse, continua com destino incerto meses depois de lançadas as investigações sobre as actividades do Banco Privado Português (BPP) e do seu ex-presidente, João Rendeiro – a empresa de auditoria Delloite apurou em Fevereiro que a Colecção Ellipse, um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do país, com cerca de 800 obras de alguns dos mais relevantes artistas internacionais, pertence em 83 por cento ao BPP, e não a Rendeiro, como se pensava, tendo aconselhado a venda como medida de saneamento das contas do banco.
Perante isto, à primeira vista, parece simples a história do museu dedicado a Paula Rego, “uma das maiores pintoras vivas” do mundo, segundo o Finantial Times, que, a propósito da inauguração da Casa das Histórias, dedicou recentemente um longo artigo à pintora, a mais internacional artista portuguesa viva, ou a mais portuguesa das artistas inglesas, dependendo da perspectiva.
Uma história simples, dizíamos: primeiras conversações entre Paula Rego e a Câmara Municipal de Cascais, presidida por António Capucho, em 2004. Menos de dois anos volvidos e com o projecto de arquitectura entregue a Eduardo Souto de Moura, a artista, radicada em Londres há mais de 30 anos mas nascida no Estoril, onde ainda tem uma casa de família, estava a assinar um contrato de doação e empréstimo por dez anos de uma centena de obras de pintura, desenho e gravura, trabalhos correspondentes a um percurso de cinco décadas, dos anos 1960 à actualidade.
Com um orçamento de obra de 5,3 milhões de euros, vindos do Programa de Investimento e Qualificação do Turismo, a primeira pedra do museu foi lançada no início de 2008 e, meio ano depois, ficava apontada uma directora, Dalila Rodrigues, antiga directora do Museu Nacional de Arte Antiga.
É Dalila Rodrigues que nos recebe para uma primeira visita ao espaço, já com a exposição inaugural montada.

A visita de Paula
“A ideia é que o museu seja também a concretização da visão de Paula Rego“, diz-nos à partida.
O percurso é cronológico e divido em quatro grandes zonas temáticas. Na primeira sala, trabalhos correspondentes aos dez primeiros anos, de uma Life Painting datada de 1954, altura em que Paula Rego era aluna da Slade School of Fine Arts, de Londres, a obras como Quando Tínhamos uma Casa de Campo (1961) ou O Exílio (1963), técnicas mistas com colagem que cruzam já o statement político com referências da esfera familiar e pessoal da artista.
Depois, o salto é para os anos 1980, quando Paula Rego abandona a colagem e se dedica a um figurativismo cada vez mais assumido em obras como O Macaco Vermelho Bate na Mulher (1981) ou a grande série Óperas (1983), das quais se apresentam, em simultâneo, cinco grandes telas e cinco pequenas aguarelas preparatórias. A etapa seguinte – 1994 a 2005 – assume como marco a introdução do pastel na obra de Paula Rego com Mulher Cão, trabalho apresentado na sala de exposições temporária e que abre caminho para obras cada vez mais realistas e, simultaneamente, teatrais, como Entre as Mulheres (1997), da série O Crime do Padre Amaro, o conhecido e imponente Anjo (1998) ou o tríptico The Pillowman (2005). Apesar de presente noutros momentos, a gravura compõe a última etapa – 1988-2007 – de trabalhos das conhecidas séries Nursery Rhymes, a primeira em que a artista usou esta técnica, e Jane Eyre, baseada na obra homónima de Charlotte Brontë, a litografias mais recentes como as séries Príncipe Pig.
A sala de exposições temporárias está pensada como última visita. É onde até 18 de Março se expõe um conjunto de obras emprestadas pela Galeria Marlborough, a representante internacional de Paula Rego, com trabalhos icónicos como a Filha do Polícia (1986), a série Avestruzes Bailarinas (1995), baseadas em Walt Disney, ou O Vasto Mar de Sargaço (2000), inspirado na obra homónima de Jean Rhys.
“O museu ideal para mim é aqui. É um sítio mágico, muito especial. Não poderia ter um sítio melhor”, dizia Paula Rego na altura da assinatura do protocolo de empréstimo e doação de obras, explicando desejar um espaço “despretensioso, divertido, vivo”. No início da semana, com a primeira exposição montada, explicava-nos: “Os trabalhos são o menos importante de um museu. O que é importante aqui são as nossas histórias, as nossas histórias portuguesas, que dão vida a tudo”.

__________________________________________________

“Os portugueses têm uma vitalidade escondida”


Um museu em nome próprio é, normalmente, o momento último de consagração de um artista – evento raro de se dar em vida. Paula Rego, claramente, não necessitava de um museu em Cascais para a sua consagração. É uma questão de afectos.
Nascida no Estoril em 1934, apesar de radicada em Londres há mais de 30 anos, depois de ter sido aluna da Slade School of Fine Arts na década de 1950, a artista preserva uma casa de família no Estoril, onde fica quando vem a Portugal.
Depois de um protocolo de empréstimo e doação de mais de uma centena de obras da sua colecção pessoal por dez anos à Casa das Histórias, diz: “O meu sonho seria renovar o interesse por pessoas como o [José] Leite de Vasconcelos”, diz, referindo-se ao linguista, filólogo e etnógrafo que coligiu muitos dos contos portugueses em que a sua obra se tem vindo a inspirar. Paula Rego começa por contar a história que ultimamente lhe tem ocorrido com frequência – a do lenhador que chega a casa com fome e da sua mulher que, não tendo nada para lhe oferecer, acaba por cortar e cozinhar um dos próprios seios: “São histórias cruas e muitas vezes cruéis, mas têm uma vitalidade extraordinária. Isso interessa-me mais do que os quadros. Eles partem da força e liberdade dessas histórias. O meu sonho seria trazer para o quotidiano a nossa vitalidade. Os portugueses têm uma vitalidade muitas vezes escondida. É o medo.” Trinta e cinco anos passados sobre a Revolução o medo persiste? “Persiste. E de que maneira. O medo existe mesmo sem ter razão de ser”.
Paula Rego foi a artista que em 1960 fez o óleo Salazar a Vomitar a Pátria, hoje entre as muitas obras da artista na colecção do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian: “O que é importante aqui [no museu] são as histórias, as nossas histórias portuguesas, que dão vida a tudo e não têm igual nas histórias do resto do mundo. Se há alguma vitalidade nos meus bonecos vem através do corpo todo, não é uma coisa cerebral, é qualquer coisa a que estamos habituados desde pequenos”.
a A idade suaviza: “À medida que as pessoas vão envelhecendo, vão passando a gostar de arquitectura não tão radical, mas onde é agradável viver”, diz-nos Eduardo Souto de Moura sentado na esplanada da Casa das Histórias. A sua nova obra partiu e foi desenhada à volta de uma única preexistência – uma preexistência que entretanto desapareceu: uma série de árvores que o arquitecto quis preservar mas que acabaram por ser cortadas, ou porque estavam a morrer ou porque eram infestantes. Ficou o edifício – o positivo do espaço livre entre as árvores desaparecidas: uma distribuição de salas em U à volta de um pátio central, onde foi replantado um carvalho, e uma articulação de volumes interiores a três tempos, tentando acompanhar a escala mais doméstica e o carácter intimista da gravura (parte substancial do espólio do museu) com tectos mais baixos, as necessidades de exposição de pintura de grande escala, com pés-direitos de cerca de cinco metros, e a respiração neutra dos espaços intermédios.
Construído em betão pigmentado a vermelho, a cor contrastante do verde do relvado que o rodeia e o tom de muitas casas da zona de Lisboa, Cascais e Sintra, o edifício ancora-se na tradição da arquitectura portuguesa, nomeadamente numa reinterpretação da obra de Raul Lino, que tem em Sintra uma casa pintada exactamente da cor do museu e pontuada por dois torreões (apesar de, formalmente, as pirâmides da Casa das Histórias se aproximarem mais das icónicas chaminés geminadas do Palácio da Vila). “Já há algum tempo que andava a perseguir e redesenhar o Raul Lino”, explica Souto de Moura, “o que percebi a dada altura foi que, ao tirar os beirais e alguns outros elementos secundários de decoração, ficavam casas vienenses, obras universais modernas. Percebi que ele é mais do que o inventor da casa portuguesa; é um precursor do racionalismo.”
A pedra escura usada no caminho de acesso ao museu e na esplanada é local: azulino de Cascais. “O Távora dizia sempre que a arquitectura boa é aquela onde as pessoas se sentem bem. E é. O importante na arquitectura é a naturalidade das coisas. Mas tudo isto demora uns anos a descobrir.”
Foi directora do Museu de Grão Vasco, de Viseu, e do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa. Agora, Dalila Rodrigues tem “o privilégio de um artista vivo”.
Especializada nos séculos XV e XVI, explica como “é impossível a obra de Paula Rego deixar um historiador de arte indiferente”: “Sempre admirei a sua capacidade de reinventar a pintura figurativa. Isso transformou o meu interesse diletante [na sua obra] numa área de estudo e pesquisa”.
Com um orçamento de lançamento do museu de dois milhões de euros, mas ainda sem orçamento de funcionamento – deverá ser aprovado no final do mês -, Dalila Rodrigues não avança detalhes sobre a programação do museu, para além da exposição temporária a dedicar daqui a seis meses à obra do marido de Paula Rego, Victor Willing (1928-1988).
Com duas exposições previstas por ano, explica apenas pretender que tanto as exposições com os ciclos de conferências com convidados nacionais e internacionais – a partir de Janeiro – convoquem os mestres que Paula Rego recria e subverte a par com temas fundamentais na obra da artista como a importância matricial do desenho que Paula Rego assume como verdadeira prática. Será “a história da arte como território amplo de trabalho”, ficando a criação emergente “fora de questão”. “Não será a linha de orientação do museu.”
Anúncios
    • Natividade Luz
    • 16 de Outubro, 2009

    A minha mensagem premde-se com o facto de pretender visitar, em breve, a Casa das Histórias Paula Rego, e não ter conseguido ver, em algum lugar, o horário de funcionamento.

    Será possível dar-me esta informação?

    Muito obrigada.

    Uma grande apreciadora da obra da artista Paula Rego,

    Maria Luz

  1. ´Gostaria de visitar a casa das historias e sendo admirador da pintura da pintora e levando um grupo de mais ou menos 30 pers, não teremos alguem que nos explique em termos gerais a obra aos presentes.

    Para 22 nov 09

    carlos vicente

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

In Gaza

and beyond

Ana Isa Figueira

Psicologia Educacional

Histórias de Portugal e Marrocos

sobre Património, História e outras histórias

Carlos Martins

Portuguese Jazz Musician, Saxophone Player and Composer

O Cantinho Sporting

Onde a opinião é verde e branca!

TABOO of ART

'Also known as loveartnotpeople.uk, taboofart.com might just be the unintentional cure for the art world malaise: Spend twenty minutes trawling through the archives and you’ll be begging for the arcane pomposity of an Artforum Critic’s Pick' said BLACKBOOK Magazine

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

Luz da imagem

A luz, essência da imagem e da fotografia. Analógica/digital; imagem real; imagem artística; Ensaios fotográficos.

The Libertine

A public blog that features a compilation of exceptional artists' works; serendipitously discovered by a secret admirer. The ongoing overtones of the production frequently include evocative imagery, passionate emotions, pure beauty and raw exprience (to name a few themes). Our content is composed of artistic expressions, fashion editorials, promising talents, diverse bodies, freedom for all, love forever and the eternal search for truth in the visceral .......................................................................................................................................................................................... (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

%d bloggers like this: