Arquivo de 13 de Agosto, 2007

O Tempo dos Sonhos

“Com Mário Rita as diferentes qualidades/características espaciais tornam-se evidentes através das subtis manipulações dos corpos e linhas geométricas: as casas prolongam-se indefinidamente até aos limites da tela, os corpos (como em Alice) chegam aos confins, para lá do olho.
O corpo surge não só como modo de ocupação dos espaços pictóricos que Mário Rita desenha, mas como prolongamentos naturais de todas as formas geométricas: lembrem-se as passagens na Alice de Lewis Carrol em que o corpo de transforma em casa e a casa no corpo.
Não é o caso em que a minha casa é o meu corpo, mas o paradigma é o de a minha casa ter de ser feita à medida do meu corpo, para o meu corpo habitar: um princípio fisionómico em que o homem é a medida padrão de todas as grandezas.
Em última instância, trata-se da descoberta da coincidência do corpo humano com a génese da ocupação/utilização que as formas fazem no espaço, isto é, com a própria arquitectura”.


Alice significa, em termos filosóficos, que a percepção que se tem das coisas está sempre a sofrer alterações: atribuem-se significados e qualidades às coisas não com base num critério objectivo, físico, verificável, mas porque o nosso aparelho sensitivo vai estabelecendo com essas coisas diferentes relações.
Sendo esta a base das qualidades do mundo, tudo passa a inscrever-se num horizonte de instabilidade.

Textos de Nuno Crespo

A Exposição de Mário Rita pode ser visitada no Museu da Cidade até 2 de Setembro

Anúncios

Jazz em Agosto, ou O Regresso das Estrelas

O regresso de Coleman a Portugal deu o mote para o regresso aos posts no Aqui Jazz o Fado, incompreensivelmente abandonado desde Abril.
A imaginada parceria para alimentar este espaço e que até agora não teve lugar levou-me a pensar em acabar com o blog, mas decidi-me por lhe dar um novo fôlego.
Vamos ver o que vai acontecer…

Numa sala esgotada e com o bonito cenário natural do jardim da Gulbenkian por trás do palco, era enorme a expectativa sobre a actuação de um dos monstros do jazz, a fechar o Jazz em Agosto 2007.

A abrir
O ritmo imposto por Coleman na meia dúzia de temas que alimentaram o concerto ao longo de pouco mais de uma hora, empurrou Tony falanga e Charnett Moffett ( contrabaixos) para registos frenéticos, enquanto Al MacDowell (baixo eléctrico) foi quase sempre a ordem no meio do aparente caos dos temas apresentados. O resultado final foi sempre brilhante.
Coleman é um bom ditador em palco. Como que espartilha a criatividade dos restantes músicos, obrigando-os a segui-lo nas mudanças de tom imprimidas ao longo dos temas.
Quanto a Denardo Coleman (bateria), é um óptimo exemplo do que distingue os bateristas americanos dos europeus. Mais enérgico que ele é difícil, mesmo nos temas com mais swing.


Soube a pouco
Mesmo tendo ficado com a sensação de um público pouco entusiasmado com este jazz que, convenhamos, não é de ouvido fácil, só no final do espectáculo mostrou o merecido reconhecimento a Coleman, com a sala de pé a aplaudir.
Após ter voltado uma única vez, Coleman foi à plateia buscar uma criança, talvez a única na sala, para, num simbólico encontro de gerações, dizer que o menino se chamava Jerôme e que não tinha nada para dizer… 🙂

Anúncios
%d bloggers like this: