Arquivo de 11 de Maio, 2006

Tudo isto existe, Tudo isto é triste, Tudo isto é fado.

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Fui ter à mesa redonda
Bebi em malga que me esconde
O beijo de mão em mão.
Era o vinho que me deste
A água pura, puro agreste
Mas a tua vida não.

Aromas de luz e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição.
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.
Imagens captadas na SIC Notícias, sobre o lançamento do livro de Manuel Maria Carrilho
Poema Povo que lavas no rio, de Pedro Homem de Melo, eternizado por Amália Rodrigues
clique nas imagens para ampliar

%d bloggers like this: