Castelo Velho – Freixo de Numão

Descoberto em 1980 pelo arqueólogo António Sá Coixão, investigado e musealizado pela Prof.ª Susana Oliveira Jorge entre 1989 e 2003, este Castro, cuja história começa por volta do início do terceiro milénio a.C. (mais ou menos cinco mil anos), está implantado em Freixo de Numão, concelho de Vila Nova de Foz Côa. Foi inaugurado a 3 de Agosto de 2007.

Vodpod videos no longer available.

more about “Castelo Velho – Freixo de Numão“, posted with vodpod

Da colina onde se situa, avista-se O Monte de São Gabriel, a Meseta e a Serra da Marofa. Porque, possivelmente, o vale do Côa serviria de ponto de passagem, a sua localização era magnífica; Funcionava como centro comunitário para as populações agro-pastoris que se fixavam em lugarejos espalhados pelo vale (do outro lado do vale, sensivelmente a cinco quilómetros, situam-se as gravuras rupestres).

as fotos abrem numa nova página, com dimensões de 2048 x 1536

Este local era habitado por uma elite que assegurava a sua manutenção e se encarregava de organizar as festas das colheitas, com rituais de carácter profano.

Este tipo de Castro não tinha funções de fortificação, o que nos dá uma ideia da vivência e das crenças dos povos primitivos que por aqui passaram.

O projecto de arquitectura que inclui um centro interpretativo, é da responsabilidade dos arquitectos Alexandre Alves Costa e Sérgio Fernandez e o projecto de restauro é de Joaquim Garcia.

Só não previram que as aves que por ali andam não estão habituadas a obstáculos e muitas morrem no choque com as vidraças do Centro. Façam qualquer coisa, pela saúde dos bichos.

__________________________________________________________________________

Castelo Velho é um sitio rodeado por linhas de água; Este povoado tem no centro um recinto, delimitado por muralhas e do lado sul uma rampa pétrea que por sua vez este ano foi desmontada, sendo mesmo a primeira vez que se realiza este tipo de desmonte em Portugal. No interior do recinto existe uma torre rodeada por quatro estruturas, há depois uma linha de muralha interrompida. Há outras estruturas subrectangulares e um grande torreão anterior a toda a estrutura pétrea. Este complexo foi todo construído de uma só vez (cerca de 3000 a.C.) e todo o conjunto foi mantido até 1300 a.C., tendo uma ocupação desde o Calcolítico ao Bronze Pleno. Trata-se de um recinto com uma área relativamente pequena, cujo interior tem também estruturas pequenas: recinto superior, rampa pétrea, murete descontínuo, plataformas que se desenvolvem ao longo da arriba. As rampas pétreas desenvolvem-se todas no sentido sul, no lado de menor acesso, mas de maior monumentalidade. É um paradoxo em termos de acessibilidade e defesa. Ao longo do tempo, preservou-se e reutilizou-se globalmente as muralhas e a torre central, embora talvez, não lhes dando a mesma função. As muralhas podem ter sido reduzidas a muretes delimitadores do espaço interior do povoado, perdendo a eventual capacidade defensiva. Este sítio está rodeado por um conjunto de montes mais altos que o sítio propriamente dito, apesar de ter uma grande visibilidade na paisagem.

De facto, a sua função não é facilmente inserível no contexto doméstico, é um local que de habitação tem muito pouco e a explicação simbólica e ritual começa a fazer mais sentido. Castelo Velho vem colocar uma nova questão no contexto dos povoados Calcolíticos: trata-se de um sítio com uma função social mais especializada que nos outros locais onde ocorriam cerimónias que utilizavam estas estruturas de formas variadas. A arqueologia tem dificuldade em definir ritual, pois até agora só há uma estrutura com deposição de ossos humanos.

Castelo Velho tem uma visibilidade bastante grande, avistando-se até Espanha, logo a monumentalidade deste sítio era para ser vista, era essa a sua função, servia para ser observada. Além disto deveria ser um local fechado, pelo menos no recinto superior, onde se erguia uma estrutura de madeira e argila, até porque se trata de uma zona ventosa. O símbolo deste povoado é o peso de tear, alguns têm uma decoração típica. Usavam grandes lajes de xisto aproveitando as suas faces naturais, o xisto era preso pela terra argilosa da região junta com água.

A primeira fase construtiva do sítio é anterior ao terceiro milênio a.C., quando se registrou uma breve ocupação que, entretanto, permitiu fossem erguidas estruturas habitacionais, como testemunham alguns buracos de poste, lareiras e fragmentos cerâmicos. Data desse período a edificação de um torreão com evidências de ter sido utilizado até cerca de 1300 a.C.

Uma segunda fase construtiva registrou-se entre cerca de 2900 a.C. e o início do segundo milénio a.C., abrangendo a edificação, na cota mais alta do esporão, do que se considera um “monumento” de planta sub-elíptica delimitado por uma pequena muralha e complementado, a Sul, por um recinto subcircular, bem como uma plataforma intermédia circundada por uma rampa ou talude, com átrio. Datam deste período algumas cabanas a ele associadas e diversos fragmentos de cerãmica, dormentes e moventes graníticos, pontas de seta, pesos de tear, diversos objetos de cobre e um de ouro, contas de colar e outros elementos de adorno.

Uma terceira fase construtiva decorreu entre o início do segundo milénio a.C. e 1300 a.C., enquanto as primitivas estruturas continuavam a ser utilizadas, enquanto se reconstruia uma rampa e se erguiam estruturas perecíveis. Data desta fase um espólio constituído por vasos cerãmicos, com motivos decorativos.

Uma quarta fase construtiva, mais recente, consistiu na petrificação da zona “monumental”.

fontes: ippar e wikipédia

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

In Gaza

and beyond

Ana Isa Figueira

Psicologia Educacional

Histórias de Portugal em Marrocos

sobre Património, História e outras histórias

Carlos Martins

Portuguese Jazz Musician, Saxophone Player and Composer

O Cantinho Sporting

Onde a opinião é verde e branca!

TABOO of ART

'Also known as loveartnotpeople.uk, taboofart.com might just be the unintentional cure for the art world malaise: Spend twenty minutes trawling through the archives and you’ll be begging for the arcane pomposity of an Artforum Critic’s Pick' said BLACKBOOK Magazine

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

Luz da imagem

A luz, essência da imagem e da fotografia. Analógica/digital; imagem real; imagem artística; Ensaios fotográficos.

The Libertine

A public blog that features a compilation of exceptional artists' works; serendipitously discovered by a secret admirer. The ongoing overtones of the production frequently include evocative imagery, passionate emotions, pure beauty and raw exprience (to name a few themes). Our content is composed of artistic expressions, fashion editorials, promising talents, diverse bodies, freedom for all, love forever and the eternal search for truth in the visceral .......................................................................................................................................................................................... (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

%d bloggers like this: