Arquivo de 20 de Outubro, 2005

Castidade

Tarde de chuva / É a península inteira a chorar / Entro numa igreja fria como um círio cintilante /
Sentada, imóvel / Fumando em frente ao altar / Silhueta, o esboço, a esfinge de um anjo fumegante /
Há em mim um profano desejo a crescer / Sinto a língua morta, o latim vai mudar /
Os santos no altar devem tentar compreender / O que ela faz aqui fumando… / Estará a meditar? /
Atirem-me água benta / Por ela assalto a caixa de esmolas / Com ela eu desço ao inferno de Dante / Atirem-me água benta / Por parecer latina, calculo que o nome dela é Maria / É casta, eu sei /
Se é virgem ou não, depende da vossa fantasia.
Rui Reininho, 1988

%d bloggers like this: