Archive for the ‘ Ópera ’ Category

‘Les Fêtes de Paphos’, de Jean-Joseph Cassanéa de Mondonville

Contemporâneo de Jean-Philippe Rameau, embora de uma geração posterior, Jean-Joseph Cassanéa de Mondonville [1711 – 8 Outubro 1772], foi um prolífico compositor do barroco francês, com mais de quinhentas execuções no Concert Spirituel, onde entrou como violinista em 1738, vindo a ocupar o cargo de director entre 1755 e 1762.

Ficam a abertura e o final do terceiro acto da ópera Les Fêtes de Paphos, de 1758.
Orquestra Les Talens Lyriques e Coro de Câmara Accentus, dirigidos por Christophe Rousset.



Trilogia de Monteverdi no Teatro La Fenice

No dia do 77º aniversário do maestro John Eliot Gardiner, boas notícias de Veneza, via Il Messaggero: o Teatro La Fenice disponibiliza a partir de hoje no seu canal no YouTube a trilogia de óperas de Monteverdi que sobreviveram até aos nossos dias, numa parceria com Monteverdi Choir & Orchestras e English Baroque Choir
Já disponível a partir de hoje 20 de Abril está «L’Orfeo» (1607); na próxima segunda-feira 27 de Abril chegará «Il ritorno d’Ulisse in patria» (1640) e na segunda-feira 4 de Maio «L’incoronazione di Poppea» (1643).


‘Lamento de Íole’, de Jacopo Peri

De Jacopo Peri [20 Agosto 1561 – 12 Agosto 1633], compositor pioneiro do estilo recitativo, com origem na Grécia Antiga e que se viria a transformar naquilo a que hoje chamamos ópera, o ‘Lamento de Íole’, com a voz de Montserrat Figueras e o cravo de Ton Koopman.


Héracles, que havia morto o Rei Eurytus e saqueado a cidade de Oechalia com intenção de levar a sua bela filha Iole como noiva, encarregou Filoctetes (então amante de Iole) de comunicar à Princesa a sua decisão de a desposar. Sabendo da relação entre Iole e Filoctetes, Hércules impõe o casamento como forma de poupar a vida ao desgraçado amante. Dejanira decide então ajudar Iole, oferecendo-lhe a túnica ensanguentada do centauro Nesso, trespassado por uma seta envenenadade de Héracles ao tentar violar Dejanira; Agonizante, Nesso dissera a Dejanira que a túnica com o seu sangue tinha poderes mágicos e que se Héracles a usasse,ser-lhe-ia novamente fiel. Porém, a túnica estava impregnada de um terrível veneno e, no dia do casamento, quando Iole oferece a túnica a Héracles, este, ao vesti-la, percebe que o veneno se infiltra no corpo. Desesperado, Héracles lança-se às chamas e sobe ao Monte Olimpo, onde se juntou a Zeus.

‘Sposa, non mi conosci’, de Geminiano Giacomelli

Extraída da ópera em três actos La Merope [1734] de Geminiano Giacomelli [28 Mai 1692 – 25 Jan 1740], a belíssima ária ‘Sposa, non mi conosci’ com a meio-soprano Cecilia Bartoli a ter um desempenho de tirar o fôlego.
Acompanhada pelo Ensemble Giardino Armonico.

%d bloggers like this: