Posts Tagged ‘ Efeméride ’

celebrações em 2009

Durante parte do mês de Abril, esteve ali ao lado a pergunta “Qual dos 4 magníficos celebrados este ano é o seu preferido?”, referente a quatro compositores incontornáveis – um verdadeiro alinhamento dos planetas!

Henry Purcell, cuja efeméride dos 350 anos do seu nascimento se comemora este ano,  Georg Frideric Handel, quando passam 250 anos da sua morte; As comemorações dos 200 anos que passam sobre a morte de Joseph Haydn e o nascimento de Felix Mendelssohn.

Os meus agradecimentos ao visitante que votou – Haydn é o seu preferido.
O meu preferido é Handel.

__________________________________

Beethoven por Rubinstein

Ludwig van Beethoven nasceu neste dia, em 1770; Ainda esta semana, a 20, passam 26 anos sobre a morte de Artur Rubinstein, um dos grandes pianistas do século passado.
Não sendo Rubinstein um dos maiores executantes de Beethoven, servem as datas de pretexto para ver e ouvir o primeiro movimento do Concerto para piano No. 3 e homenagear ambos.

Números redondos

Esta posta tem o singular significado de ser o número 1500. A produção de 1500 posts, mesmo sem grande  valor patrimonial para a humanidade, tem mão-de-obra considerável, o que deve ser assinalado.

Para uma apropriada comemoração e após aturada pesquisa googleana, decidi assinalar a passagem do centésimo décimo aniversário do nascimento de um grande português, Artur Virgílio Alves dos Reis, autor da maior fraude financeira até hoje realizada em Portugal, com a emissão de dois milhões de notas falsas de 500 escudos. Uma pipa de massa!

Exagero se disser que o senhor Teixeira precisaria hoje de um punhado de homens com este engenho para nos ajudar a sair da crise? Talvez não.

Falsificador português, natural de Lisboa. Frequentou o primeiro ano de Engenharia, mas por falência do pai, viu-se obrigado a desistir. Casou em Agosto de 1916 com Maria Luisa Jacobetti de Azevedo, pertencente a uma das boas famílias de Lisboa e recorreu a «cunhas» para conseguir enquadramento no funcionalismo colonial. Foi nomeado Director dos Caminhos de Ferro de Moçâmedes (Angola). Para conseguir a colocação, Alves dos Reis forjou o Diploma nº 248, da Escola Politécnica de Engenharia da Universidade de Oxford, instituição que não existia. Com o falso diploma, obteve o estatuto de Bacharel em Ciências de Engenharia, Geologia, Geometria, Física, Metalurgia, Matemática Pura, Paleografia, Engenharia Eléctrica, Engenharia de Máquinas, Matemática e Física Aplicada, Engenharia Cívil Geral e de Máquinas.

De regresso a Lisboa, em 1922 e depois de uma próspera vida em Angola, Alves dos Reis adquiriu a «Ambar» — C.ª Caminhos de Ferro Transafricanos de Angola — por 40 mil dólares e o controlo da C.ª Mineira do Sul de Angola por 60 mil dólares.

Em Julho de 1924, foi preso no Porto, acusado de se ter apoderado de 100 mil dólares da C.ª Ambaca. Foi condenado a 54 dias de prisão. Durante a sua prisão, imaginou um plano milionário: atacar o coração da finança nacional, o Banco de Portugal e, assim, ter todo o país na sua mão. Com José Bandeira, que conheceu em 1924, irmão de António Bandeira, ministro de Portugal em Haia, começou a burla que envolvia a Casa Waterlow & Sons, Ltd., de Londres, o Banco de Portugal, o Banco Angola e Metrópole (criado pelo próprio Alves dos Reis, em 1925) e os consulados britânico, francês e alemão.

O plano era conseguir a impressão secreta de cerca de 2 milhões de notas de 500$00. A partir da execução do plano, Alves dos Reis partiu para outra missão: chegar à administração do Banco de Portugal. Para isso o grupo chegou a adquirir 31 mil acções do Banco de Portugal. Essa acção seria, no entanto, boicotada pela maioria dos accionistas. Em Novembro de 1925, o jornal O Século começou a alertar a opinião pública para os negócios obscuros do Angola e Metrópole. Em Dezembro de 1925, Alves dos Reis foi detido, levando consigo para o banco dos réus a sua mulher, José e António Bandeira, Francisco Ferreira Júnior, Adriano Silva, Moura Coutinho, Manuel Roquette e o alemão Adolf Hennies (cujo nome verdadeiro era Johann Georg Adolf Doring), que não compareceu. Aos réus seriam imputadas várias acusações, entre as quais conspiração, falsificação de contratos espúrios, crime de falsificação de 580 mil notas de banco e fraude na obtenção de um alvará para o Banco de Angola e Metrópole. Alves dos Reis, Bandeira e Hennies (à revelia) foram condenados a 8 anos de prisão celular, seguidos de 12 de degredo ou 25 de degredo. Os outros arguidos foram condenados a penas mais leves e a mulher de Reis saiu em liberdade. Na prisão, Alves dos Reis converteu-se ao Protestantismo. Foi libertado em Maio de 1945 e em Novembro desse mesmo ano, curiosamente, foi-lhe oferecido um emprego de bancário, que recusou.

retirado de Enciclopédia Universal da Texto Editora. Via.

Dia Mundial da Fotografia

enquanto captava a imagem, a tia Ana de Jesus dizia-me "que fazes, meu, filho?"

enquanto captava a imagem, a tia Ana de Jesus dizia-me "que fazes, meu filho?"

Sobre o Dia Mundial da Fotografia, deixo alguns links:

%d bloggers like this: