Amor Sagrado e Profano

Amor Sagrado e Profano, obra-prima de Ticiano (1490-1576), foi pintada quando tinha aproximadamente 25 anos, para celebrar o casamento do veneziano Nicolò Aurélio (vide brasão no sarcófago) com a jovem viúva Laura Bagarotto, em 1514.

A noiva vestida de branco, sentada ao lado de Cupido, é ajudada pessoalmente por Vénus. A figura com o vaso de jóias simboliza a “fugaz felicidade na terra” e a que segura a chama ardente do amor de Deus simboliza a “felicidade eterna no céu”.

ticiano_sagrado-e-profano_1514

O título resulta de uma interpretação de meados do século XVIII e que dá desta obra uma leitura moralista da figura nua, considerando que o artista pretendeu assim exaltar o amor terrestre e o amor divino. Na realidade, a filosofia Neoplatónica do amor sagrado e profano em que Ticiano e o seu círculo acreditavam, contemplando a beleza da criação, conduziu a uma consciência da perfeição divina da ordem do universo. É por estas e por outras que temos divas. :)

Nesta pintura de amor campestre, Ticiano exaltou a delicada poesia lírica de Giovanni Bellini ou Giorgione e atribuiu-lhes uma grandeza clássica. O Amor Sagrado e Profano de Ticiano é um ícone da Galleria Borghese.

About these ads
  1. No trackbacks yet.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

The Libertine

Editorial, Fashion, Beauty, Body, Skin, Freedom, Femininity, Love, Bohemia, Liberty and the eternal search for truth in the visceral, within the fantasmal; keep swimming, mermaids ... it's intoxicating here ;) ................................................................................................................................................................................................................. (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Isabel Correia

Photography and Music

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

Observador

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

sound + vision

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

O Corvo

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

Mentes Brilhantes

Um blog para mentes inquietas e curiosas

De Cultura

Nove séculos de Cultura em Portugal

MASCARA DE CERA

Diz-me quem te admira e dir-te-ei quem és

BLASFÉMIAS

A Blasfémia é a melhor defesa contra o estado geral de bovinidade

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.768 outros seguidores

%d bloggers like this: