Bartolomeu de Gusmão

Um inventor com sonhos imperiais

in Público-P2, 07-08-2009. Por Luís Miguel Queirós

Há 300 anos, o padre luso-brasileiro Bartolomeu de Gusmão fez subir um globo de papel a quatro metros de altura, aquecendo o ar no seu interior. Três quartos de século antes das experiências dos irmãos Montgolfier, inventava o balão aerostático e sonhava com um engenho que lhe permitiria dominar o mundo.

No dia 8 de Agosto de 1709, o rei D. João V e a rainha D. Maria Ana de Habsburgo, acompanhados pelo núncio apostólico – o cardeal Conti, que depois seria o Papa Inocêncio XIII – e ainda por diversos fidalgos da corte portuguesa, reuniram-se na sala das embaixadas do Paço Real de Lisboa (destruído no terramoto de 1755) para assistir a uma demonstração do “instrumento de andar sobre o ar” do padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão.
Esta data histórica assinala a primeira aplicação prática do princípio de Arquimedes a um aparelho aerostático e antecipa 74 anos a façanha dos irmãos Montgolfier, que em Junho de 1783 colocaram no ar, durante 10 minutos, um balão com 32 metros de circunferência. No mesmo ano, perante Luís XIV e Maria Antonieta, os inventores franceses fizeram subir no ar o primeiro balão tripulado. Mas só em meados do século XIX é que iria inventar-se o primeiro aeróstato dirigível.
Ao contrário dos Montgolfier, que não pensavam em possíveis utilizações militares do seu invento, Bartolomeu de Gusmão, no início do século XVIII, sonhava já com um invento que daria à nação que o produzisse a capacidade de dominar o mundo. Na petição que apresenta a D. João V, procurando que este lhe conceda os meios necessários para fabricar o seu engenho, Gusmão enumera as potencialidades do aparelho que se propunha construir. Assegurando que este poderia percorrer duzentas léguas (mil quilómetros) num só dia, fazia notar ao rei que isto lhe permitiria “levar avisos aos exércitos em terras mui remotas”, “socorrer praças sitiadas” e levar rapidamente notícias aos quatro cantos do império português. Apontava ainda as vantagens que um rápido transporte por via aérea iria trazer ao comércio e sublinhava que o seu “instrumento para se andar pelo ar” permitiria a Portugal “descobrir as regiões que ficam vizinhas aos pólos do mundo” e calcular correctamente as longitudes.
Se este inventário, que aliás persuadiu D. João V – o monarca deferiu o pedido num alvará datado de 19 de Abril de 1709 -, tem o seu quê de megalómano, também reflecte um espírito visionário. O investigador Joaquim Fernandes, que há anos vem recolhendo materiais sobre a vida e obra do “Padre Voador”, como Gusmão foi apelidado na época, afirma: “Supomos não exorbitar ao dizer que se trata da antevisão profética, com dois séculos de avanço face à concretização do avião, de uma geoestratégia baseada no domínio do espaço aéreo por uma potência imperial”. A ideia de que a supremacia aérea pode permitir vencer um conflito militar não surpreenderá os que assistiram, no final do século XX, à guerra do Golfo, mas terá parecido bastante arrojado aos portugueses do início do século XVIII, que se divertiram bastante a mofar do pretensioso Ícaro que lhes chegava da colónia brasileira.
O que primeiro despertou o interesse de Joaquim Fernandes por Gusmão foi justamente o vasto conjunto de poesias do século XVIII que satirizava o “Padre Voador”. O investigador transcreve muitas delas no livro Mitos, Mundos e Medos. O Céu na Poesia Portuguesa, que deverá sair em breve numa co-edição da Temas e Debates e do Círculo de Leitores.
O mais prolífico dos detractores de Gusmão foi Tomás Pinto Brandão, que, mostrando-se bem informado, começou a escarnecê-lo em verso ainda antes de este realizar qualquer demonstração do seu aparelho. Um dos sonetos que lhe dedica abre com esta quadra: “Veio na frota um duende brasileiro/ Em trajo clerical, sotaina e coroa,/ Fez crer que pelo ar navega, voa,/ Um barco sem piloto e sem remeiro”. E fecha um outro com este terceto: “Mete esse invento onde tens o siso,/ Vê se no vento que está nele voas:/ Que outro voar, meu Lourencinho, é riso”. Terá mesmo sido Pinto Brandão quem deu ao invento o nome com que este passaria à posteridade: “Esta fera passarola/ Que leva, por mais que brame,/ trezentos mil réis de arame/ Somente para a gaiola (…)”.

O rapaz sobredotado
Mas Gusmão também teve defensores, a começar pelo marquês de Fontes, D. Rodrigo Menezes, que hospedara já o jovem prodígio brasileiro aquando da sua primeira, e pouco conhecida, viagem a Portugal. Em 1701, Gusmão, então com 15 ou 16 anos (nasceu em 1685 na vila de Santos, mas não se sabe em que dia), espantou Lisboa com um insólito reportório de habilidades. José Soares da Silva, autor de uma Gazeta em Forma de Carta relativa a 1701, conta que o jovem santista, que acabara de deixar a Companhia de Jesus por não querer tomar ordens, não só dizia “de cor todo o Virgílio, Horácio, Ovídio e demais clássicos”, como também o conseguia fazer “para diante e para trás ou donde lhe apontarem”.
No que parece ter sido uma espécie de folheto publicitário dos dotes mnemónicos de Gusmão – reproduzido pelo autor da Gazeta -, lê-se que este prometia, entre vários outros feitos, “defender toda a filosofia, e também explicar a parte de Aristóteles com todos os seus embaraços”, dizer “toda a escritura decoradamente e as dúvidas todas das línguas em que foi escrita”. Mesmo que se admita algum exagero, tudo indica que o futuro “Padre Voador” foi um caso flagrante de criança sobredotada.
Estreou-se como inventor ainda no Seminário de Belém, construindo um sistema que levava a água de um ribeiro até à escola, que ficava no cimo de um monte com cem metros de altura. Em 1705, quando se encontrava de novo no Brasil, registou o engenho na Câmara da Baía, obtendo a primeira patente outorgada a um inventor brasileiro.
Irmão mais velho do prestigiado diplomata da corte de D. João V, Alexandre de Gusmão – foi o grande obreiro do Tratado de Madrid de 1750, no qual se fixaram as fronteiras do Brasil actual -, Bartolomeu tinha raízes no Porto. Segundo Joaquim Fernandes, era aparentado aos Afonso Gaya, “quatro irmãos naturais de Miragaia que partiram para o Brasil em 1531, na armada de Martim Afonso de Sousa”. Com eles viajava o também portuense Brás Cubas, fundador da vila de Santos, onde os Gaya se instalaram.
Nos anos que Gusmão passará em Portugal, construindo o seu engenho voador, dedicará algum tempo a investigar, a pedido da Academia Real da História, as origens da diocese do Porto. Demonstrando um rigor crítico que Joaquim Fernandes compara ao de Alexandre Herculano, desmontou diversas lendas dadas como verdadeiras, designadamente a que respeitava ao mítico bispo Julião.

O “Padre Voador”
Não há dúvida de que Bartolomeu de Gusmão foi um homem de capacidades intelectuais francamente invulgares. E durante algum tempo parecia ir dispor, em Portugal, de condições para as usar. D. João V apoiou-o sem reservas, a ponto de lhe ter emprestado, para fabricar o seu invento, uma casa que possuía em Lisboa, perto do local onde hoje se ergue a estação de Santa Apolónia. O monarca começara por lhe atribuir uma propriedade do duque de Aveiro, mas Gusmão argumentou que a do rei lhe parecia mais conveniente.
Após duas experiências goradas nos primeiros dias de Agosto, a de dia 8 foi finalmente bem sucedida. Gusmão não pôs no ar nenhuma “passarola”, e muito menos a tripulou, como mais tarde iria correr. O seu engenho era apenas um modelo em escala reduzida, um globo de papel grosso, com uma chama a arder numa tigela incrustada na base, muito semelhante aos actuais balões de S. João. O balão chegou ao tecto da sala e acabou por ser apagado pela criadagem no momento em que ameaçava incendiar os cortinados.
Ainda antes destas tentativas, já as notícias do seu invento, acompanhadas de ilustrações fantasistas, apareciam nas gazetas europeias. Crê-se que o rumor terá chegado primeiro ao Vaticano, através do cardeal Conti, e que daí se expandiu para outros países. O mais imaginativo destes primeiros cronistas estrangeiros da façanha de Gusmão foi o autor de uma brochura austríaca que relata como o padre navegou por ar, aos comandos do seu “navio voador”, de Lisboa até Viena, depois de ter aterrorizado os habitantes da Lua e de ter tido de enfrentar aves monstruosas.
Já as delirantes gravuras que popularizaram a “passarola” na Europa tiveram, ao que parece, o dedo do próprio Gusmão, que, farto de que lhe tentassem roubar o segredo, terá providenciado, em conluio com o filho do marquês de Fontes, o seu único aprendiz, para que fosse encontrado um suposto plano da máquina, com explicações erróneas, cheias de “quintas essências”, “magnetismos” e outro jargão científico da época.

O messias judeu
A verdade é que, embora tenha realizado uma nova ascensão em Outubro de 1709, desta vez ao ar livre, o “Padre Voador” nunca chegou a construir o engenho com que sonhava. Por falta de conhecimentos científicos e técnicos, mas também, provavelmente, argumenta Joaquim Fernandes, pelo ambiente hostil de um país que, ao contrário, por exemplo, da Inglaterra do tempo, se mantinha preso às doutrinas aristotélicas e ignorava os avanços que se estavam a fazer nas ciências físicas.
Talvez tenha sido para alargar os seus conhecimentos que Gusmão, entre 1713 e 1716, viajou pela Europa, tendo chegado a registar, na Holanda, uma máquina para drenar a água que alagava os barcos. A sua passagem por Amesterdão, destino privilegiado dos judeus portugueses e brasileiros, sobretudo a partir da unificação luso-espanhola de 1580, foi atentamente vigiada pela Inquisição.
Joaquim Fernandes admite que os Gusmões – Bartolomeu teve 11 irmãos e irmãs – tivessem ascendência judaica por via materna. E parece constituir um possível indício nesse sentido um texto em que o seu irmão Alexandre ironiza com a suposta “pureza” genealógica dos cristãos-velhos. Recordando que basta recuarmos 8 gerações para termos, todos, 1024 avós, o diplomata perguntava: “Queria que me dissessem os Senhores Puritanos se têm notícia que todos fossem Familiares do Santo Ofício?”.
Certo, segundo Fernandes, é que Bartolomeu convivia com várias famílias de cristãos-novos, incluindo a do dramaturgo António José da Silva, dito “o Judeu”. E já quando se deslocara à Holanda, o seu inimigo Pinto Brandão escrevera uns versos em que dizia: “Mudando de alma e de nome/ Quererá um certo apenso/ De Bartolomeu Lourenço/ Passar para António Homem”. Se tivermos em conta que António Homem fora um sacerdote católico que morrera na fogueira, acusado de judaísmo, a sugestão torna-se evidente.
No final de Setembro de 1724, o “Padre Voador” foge para Espanha com um seu irmão mais novo, Frei João Álvares, projectando atingir a Inglaterra. O motivo imediato terá sido uma intriga em que se viu envolvido, que girava em torno de umas freiras de Odivelas que mantinham amantes na corte. Quando as religiosas foram presas e a Inquisição interveio, Gusmão, sobre quem já antes corriam boatos perigosos, optou pela fuga. Ele e o irmão adoptaram nomes falsos e partiram, correndo o risco de levar na bagagem vários livros em hebraico.
Bartolomeu morreu em Toledo no dia 18 de Novembro de 1724. A julgar pelo testemunho que o seu irmão mais tarde deu à Inquisição espanhola, já se convertera ao judaísmo em 1722. O estranho relato de João Álvares, que deve ser lido com cautela, já que o autor é um suposto arrependido a confessar-se ao Santo Ofício, mostra-nos, nota Joaquim Fernandes, um Bartolomeu de Gusmão no qual o inventor e o místico se fundem numa bizarra megalomania.
Conta o frade que o seu irmão, aparentemente tomado de delírios messiânicos, estava convicto de que fora escolhido para restaurar Israel. Pretendia construir “uma aérea fábrica” com a qual dominaria o mundo e estabeleceria um único império universal, no qual os judeus reinariam sobre todos os povos, através do seu rei. Ou seja, ele próprio, Bartolomeu.

__________________________________

O padre que sonhou andar pelo ar

por JOAQUIM FERNANDES, Historiador (Universidade Fernando Pessoa) e autor do livro ‘Mitos, Mundos e Medos. O Céu na Poesia Portuguesa’ a publicar em breve pela Temas & Debates

Há 300 anos, Bartolomeu de Gusmão fez voar um pequeno balão de papel que permitiria dominar o mundo. Hoje, Lisboa homenageia o homem que inventou a passarola

Há três séculos, Bartolomeu de Gusmão, um jovem luso-brasileiro, nativo de Santos, sonhou construir um “instrumento de andar pelo ar”. E decidiu oferecer o incrível prodígio a D. João V…
Na Petição apresentada ao soberano em Abril de 1709, enumerava o rol de utilidades que a sua mítica passarola oferecia ao Império luso: “Vantagens para o comércio, pela brevidade dos transportes dos produtos e remessa de letras e cabedais.” Nesse “instrumento” poderiam “ser levados avisos às Praças sitiadas, mandar avisos, ser socorridas tanto de gente como de munições e víveres e retirar-se delas todas as pessoas que quizerem sem perigo; resolver-se-ia ainda os problemas da navegação marítima que preocupavam navegantes e estadistas por causa das complicadas questões de soberania entre as nações coloniais; descubrir-se-ão as terras que ficam debaixo dos Pólos do Mundo, por cessarem no Ar os impedimentos, que por mar têm havido”.
Em suma, comércio, defesa, política e ciência num programa geostratégico global bem à medida das urgências e ambições do Império Português. Com uma (grande) reserva: havia sido urdido por um “impuro de sangue” pelos seus suspeitos ancestrais, provavelmente norte-africanos e judeus, “mameluco por via materna com o elemento nativo tupi: um híbrido”, olhado de soslaio pelos “puritanos” da corte lisboeta.
Ingenuidade e visão genial partilham todo este elenco de bom uso do projectado “instrumento aéreo”, protótipo visionário de uma estratégia inédita de controlo político. No mínimo, o jovem Bartolomeu teve o mérito de vislumbrar as consequências do seu hipotético invento, em função das necessidades de uma época, de tendências essencialmente cosmopolitas. Antecipou-se à História considerando que o seu invento poderia ser útil às relações do Brasil com a Metrópole: rapidez inaudita no transporte de homens, víveres, cabedais (ou seja, o ouro), produtos e ordens de pagamento do Governo.
Cépticos e maliciosos, a generalidade dos seus contemporâneos logo acometeu em surdina contra os arroubos do “padre voador”: De Lisboa, o sagaz e culto José da Cunha Brochado escrevia ao conde de Viana uma carta cheia de ironia: “No mesmo tempo em que temos tão poucos homens que saibam andar pelo mar e pela terra, se achou um que quer andar pelo ar e fazer 200 léguas por dia e para este deu petição a Sua Majestade em que propôs o arbítrio e pediu privilégio.” Acomodado na sua inabalável certeza, Brochado sentenciava que “com estas belas imaginações endoidecem docemente estes grandes senhores, propriedade que sempre se achou nas cortes novas de Príncipes moços”.
Quando, a 8 de Agosto de 1709, o jovem santista procedeu à bem sucedida e histórica experiência “no pátio da Casa da Índia, diante de S. Majestade e muita fidalguia e gente, com um globo que subiu suavemente à altura da sala das Embaixadas, e do mesmo modo desceu, elevado de certo material que ardia, e a que aplica o fogo o mesmo inventor”, pareceu, então, que tudo não passara de um pequeno e divertido truque do jovem Bartolomeu.
Poder-se-ia antecipar, para definir tal proeza, a frase celebrada por Neil Armstrong ao pisar o solo virgem da Lua: um pequeno feito do inventor, um grande passo para a humanidade. Mas Portugal, o país escolhido para tão heterodoxo desafio ao “impossível”, não soube valorizar a ousadia, desprezando-a e cedendo a outros europeus – os irmãos Montgolfier, mais de sete décadas depois (1783) – a primazia no voo humano.
A resposta ao primeiro balão de ar quente instalou-se na opinião popular e erudita da época: pelo verso burlesco que escarneceu do rasgo pioneiro do jovem Gusmão. Na hoste dos detractores emergiu Tomás Pinto Brandão, na opinião de Camilo Castelo Branco, “o coronel, o pontífice dos poetas biltres do século XVIII”, que desde o primeiro momento se dedicou a sabotar a “máquina volante” do inventor luso-brasileiro. Desta breve anotação facilmente se deduz o impacto negativo que a “máquina voadora” e a personalidade do seu artífice provocaram na sociedade da época, tão ciosa de valores escalonados em definitivo pela tradição, impreparada para aceitar propostas que subvertessem a teia das normas sociais e a ideia de progresso.
De nada valeram a Bartolomeu os seus entusiastas protectores, o duque de Cadaval e o marquês de Fontes, que acalentavam usufruir, um dia, deste “estupendo arbítrio que em 8 dias poderia mandar avisos ao Brasil, em poucos mais à Índia, em três dias a Roma e em uma hora às fronteiras do Reino”. No Portugal de 1709, totalmente inapto das ciências físicas experimentais, não houve ninguém capaz de avaliar o que realizara Gusmão sob o ponto de vista de uma demonstração prática do princípio da mecânica de Arquimedes aplicado aos fluidos aéreos.
O facto de o Brasil ter acenado à metrópole com uma inovação “tecnológica” de tal monta toldava a lógica da superioridade cultural face à colónia sul-americana: vindo de quem vinha, maculado pela traição de um fiel servidor e protegido de Sua Majestade, e pela propalada apostasia de última hora (a renúncia ao catolicismo), o facto de voar, não sendo ave nem anjo, exponenciou em muito o alarme político e teológico em torno de tão “diabólico” artefacto”…

____________________________________

Versos de escárnio contra a «fera passarola»

Por Leonor Moreira, DN
A biografia de Bartolomeu de Gusmão está amplamente estudada por vários historiadores de Portugal e do Brasil (Freire de Carvalho, Augusto Filipe Simões
(século XIX ) e visconde de Faria e Afonso de Taunay (século XX ), mas entre nós vai ser objecto de uma curiosa abordagem: as peças em verso que sobre o padre e seus inventos se escreveram integram a mais recente obra de Joaquim Fernandes: depois de O Grande Livro dos Portugueses Esquecidos, está no prelo do Círculo de Leitores e com publicação iminente a antologia Mitos, Mundos e Medos. O Céu na Poesia Portuguesa, que traz, entre muitas outras, citações satíricas a Bartolomeu de Gusmão, algumas anteriores até à experiência de 8 de Agosto, relevando uma certa ciumeira que a presença do «estudante americano» – e o acolhimento que o rei lhe prodigalizava – gerou:
«Ao novo invento de andar pelo ar»

Esta maroma escondida/ Que abala toda a cidade/ Esta mentira verdade/ Ou esta dúvida crida; / esta exalação nascida/ no Português firmamento:/este nunca visto intento/ do padre Bartolomeu/ assim fora santo eu/ como ela é coisa de vento./ Esta fera passarola/ Que leva, por mais que brame,/ Trezentos mil réis de arame/ Somente para a gaiola:/ Esta urdida paviola/ Ou este tecido enredo/ Esta das mulheres medo/ E enfim dos homens espanto;/ Assim fora eu cedo santo/ Como se há-de acabar cedo.
Assim escrevia Tomás Pinto de Brandão, um portuense que fazia coro com outros escritos oriundos de publicações anónimas em Portugal e no Brasil, em que o padre era tratado com pouquíssima simpatia ou respeito pelo valor científico das suas ideias. Aliás, convém esclarecer que desde muito jovem, com 15 ou 16 anos, Bartolomeu dava mostras de uma memória prodigiosa, «que lhe permitia citar de cor e de trás para a frente (literalmente) qualquer coisa que tivesse lido por uma única vez», refere Joaquim Fernandes, consultando farta documentação. Este seu «jeito», de resto, terá sido amplamente aproveitado pelos serviços secretos reais, que chegaram a utilizar os serviços de Gusmão a desencriptar mensagens cifradas em algumas embaixadas.

Com a obra sobre a poesia satírica concluída, o historiador portuense não desdenharia encontrar – em Portugal ou no Brasil – quem no mundo das imagens a mexer se interessasse pela biografia deste homem, cuja vida dava mesmo um filme, e dos bons.

Anúncios
  1. eu tenho um medalia de bartolomel de gusmão + ñ sabia a historia quero saber +..

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

In Gaza

and beyond

Ana Isa Figueira

Psicologia Educacional

Histórias de Portugal em Marrocos

sobre Património, História e outras histórias

Carlos Martins

Portuguese Jazz Musician, Saxophone Player and Composer

O Cantinho Sporting

Onde a opinião é verde e branca!

TABOO of ART

'Also known as loveartnotpeople.uk, taboofart.com might just be the unintentional cure for the art world malaise: Spend twenty minutes trawling through the archives and you’ll be begging for the arcane pomposity of an Artforum Critic’s Pick' said BLACKBOOK Magazine

Michelangelo Buonarroti è tornato

Non ce la fo' più a star zitto

Lino Guerreiro

Compositor/Composer

TheCoevas official blog

Strumentisti di Parole/Musicians of words

David Etxeberria

Visual artist

Mary had a little blog

This is the bee's knees

Luz da imagem

A luz, essência da imagem e da fotografia. Analógica/digital; imagem real; imagem artística; Ensaios fotográficos.

The Libertine

A public blog that features a compilation of exceptional artists' works; serendipitously discovered by a secret admirer. The ongoing overtones of the production frequently include evocative imagery, passionate emotions, pure beauty and raw exprience (to name a few themes). Our content is composed of artistic expressions, fashion editorials, promising talents, diverse bodies, freedom for all, love forever and the eternal search for truth in the visceral .......................................................................................................................................................................................... (SUBMISSIONS TO satietypaper@gmail.com)

Instituto de História da Arte

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Universidade Nova de Lisboa

Franz E.

a tua palavra conta...

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

ABA SYSTEMS

Advanced Business Advisor

Speakers' Corner

"I could be bounded in a nutshell, and count myself a king of infinite space" - William Shakespeare, in Hamlet

%d bloggers like this: